Achal Prabhala: a tecnocracia não acabará com a pandemia

Document

Foi necessária a pandemia de coronavírus para entender isto: uma pandemia global vasta e punitiva exige uma resposta global ampla e adequada.

Infelizmente, apesar de toda a confusão dos últimos meses, isso é justamente o que nos falta. Os países não estão trabalhando juntos; problemas urgentes, como o acesso a kits de teste, equipamentos de proteção individual e medicamentos, estão sendo protelados, apesar de haver soluções imediatas; as vacinas do coronavírus estão a cargo de corporações e instituições que não têm as melhores intenções em mente; e o sistema que produziu a catástrofe colossal que é a resposta global à pandemia segue intocado, como se de algum modo fosse a solução, e não o problema. É hora de levar a luta das salas elegantes de seminário e tribunais às ruas para dobrar a vontade do mundo e exigir o que merecemos: os medicamentos e vacinas de que precisamos para viver.

O acesso a tratamentos para Covid-19: Enquanto o mundo espera por vacinas, vários medicamentos existentes, dos esteróides aos antivirais, apresentaram diferentes graus de utilidade na contenção dos danos causados ​​pelo novo coronavírus. Existem três problemas no acesso a esses medicamentos. Um: os parâmetros segundo os quais os medicamentos são selecionados para avaliação são opacos e conduzidos pela indústria, o que às vezes resulta em terapias mais caras sendo testadas em detrimento das terapias mais antigas e mais baratas. Dois: para as terapias mais recentes, os monopólios de propriedade intelectual restringem drasticamente o acesso aos medicamentos, tanto em função do preço quanto da disponibilidade, como mostra a atual situação do remdesivir. Três: os fundos governamentais usados ​​ nos testes clínicos, como no caso do remdesivir, não são levados em conta no que se refere ao acesso público ou governamental, e os dados resultantes dos testes são mantidos em segredo, o que restringe desnecessariamente a capacidade do público de entender sua avaliação.

Desmantelar o sistema de propriedade intelectual das vacinas: Quem tomará as vacinas contra o coronavírus quando elas entrarem no mercado nos próximos anos? Esta é uma preocupação imediata, tanto dentro dos países (os ricos levarão vantagem sobre os pobres, independentemente da necessidade), quanto entre países (se os países ricos monopolizarem o mercado novamente deixarão menos para os países pobres, independentemente das necessidades nacionais evidentes). Facilitar o acesso honesto, justo e generalizado às vacinas exigirá que algumas coisas aconteçam imediatamente, as quais envolvem o desmantelamento dos monopólios de propriedade intelectual, um nível complexo de cooperação e compartilhamento de de tecnologia e materiais biológicos, e o compromisso com um modelo de distribuição mundial de vacinas epidemiologicamente direcionado. Um: fazer os governos ricos prestarem contas das enormes somas de dinheiro investidas nos esforços pela vacina, por exemplo, o fato de o governo dos Estados Unidos ter financiado inteiramente as pesquisas de vacinas da Moderna, como a própria empresa admite . Dois: que as organizações globais influentes, como CEPI, Gavi e a OMS de fato exerçam sua influência e poder, não apenas suspendendo monopólios de patentes, mas reforçando a cooperação para que novos fabricantes de vacinas possam entrar na briga e aumentar a oferta. Três: fazer com que a OMS atue decisivamente, tanto para fazer cumprir um modelo global de distribuição de vacinas quanto para fazer funcionar realmente o C-TAP, o agrupamento de Acesso à Tecnologia de Covid-19 .

Um novo sistema de produção de fármacos: Uma prioridade mais difícil de enxergar no olho da tempestade do coronavírus é que o atual sistema de produção de medicamentos e vacinas é ineficiente, injusto e insustentável. Temos alternativas viáveis, por exemplo, a produção das atuais vacinas contra os coronavírus pela “rede gripe” da OMS, que bilhões de nós tomamos anualmente. Elas são produzidas segundo uma abordagem cooperativa intergovernamental, interinstitucional e global que envolve 140 laboratórios nacionais em 110 países - e resulta em vacinas eficazes e baratas produzidas em escala para todo o planeta a um custo acessível. Para forjar um novo sistema devemos reconhecer que, de fato, já contamos com esse sistema, e reconsiderar o que os medicamentos, e especialmente as vacinas, representam - um bem público global que faz parte do dever essencial dos Estados de prover, e não de serem submetidos à lógica brutal dos sistemas de mercado neoliberais.

Nos ajude a construir o Projeto

O Projeto é o laboratório de idéias para as forças progressistas do planeta.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, nós trouxemos mais de 40 ensaios de ativistas, profissionais, pensadores, líderes comunitários, chefes de Estado - imaginando como podemos reconstruir o mundo depois da Covid-19, e traçar um caminho para que se faça justiça em relação às dívidas internacionais.

Forças progressistas estão se erguendo. Para ter sucesso, temos que levar a sério a tarefa de gerar as idéias, políticas e paradigmas que definirão o nosso futuro.

Nos ajude a construir esse paradigma. Doe para o Projeto.

Support
Available in
EnglishItalian (Standard)FrenchPortuguese (Portugal)HindiSpanishPortuguese (Brazil)German
Authors
Achal Prabhala
Translators
Graciela Kunrath Lima and Cristina Cavalcanti
Published
10.12.2020
Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell