Futuros da liberdade

DocumentBlueprint

A liberdade é ilusória. Num mundo em que somos vigiados pela tecnologia, administrados por tecnocratas, alimentados com produtos sem fim e transformados em trabalhadores dóceis, a ideia de liberdade – aliás, de uma miríade de liberdades – é tentadora. Quem pode argumentar o contrário?

banner

Há séculos, o apelo por liberdade tem sido usado pela direita para defender os interesses da elite. Ao encolher o poder de governos populares, a direita promove a ideia de saquear a terra e o povo. 811 milhões de pessoas vão para a cama com fome todas as noites. Menos de 15% das pessoas de países com renda per capita baixa receberam sequer a primeira dose da vacina da Covid-19. Os filmes apocalípticos de ontem são as notícias de jornal de hoje: corais branqueados pelo aquecimento dos oceanos e peixes fritos pela acidificação são premonições para a nossa própria espécie. Somos livres para sentir fome, para queimar – livres para morrer. 

Foi nesse mundo que a pandemia de Covid-19 surgiu. Um mundo já em crise – que pune com dívida, asfixia com fumaça e mata por negligência – mas que se vê incapaz de imaginar outra forma de existir. Por décadas, enquanto a esquerda trocou a utopia por pequenos ajustes e reformas políticas, a direita assumiu seu manto – se apropriando do terreno das "grandes ideias". 

Mas isso não precisa ser assim. Ideias de liberdade e futuro dançaram juntas ao longo da história – da quebra dos grilhões da escravidão aos movimentos de libertação nacional e o combate à alienação do trabalho assalariado. Se o momento presente parece um impasse, é porque somos gerações que se encontram entre as memórias do passado e os sonhos do que tínhamos para o futuro – ambos, agora, aparentemente fora de alcance.

É nosso papel puxar os fios da mortalha que nos reveste, puxar até que tudo se desenrole e possamos começar a ver – ver claramente – as cintilantes possibilidades de emancipação. Esta coleção é um começo.

Clique aqui para ler o ensaio de Terry Eagleton, "Sonhos: sobre aquilo que não podemos falar".

Clique aqui para ler o ensaio de Slavoj Žižek, "Deslocamentos: o que nós herdamos do Ocidente?".

Clique aqui para ler o ensaio de Ammar Ali Jan, "Memória: Estaríamos nós presos a um passado imaginado?".

Clique aqui para ler o ensaio de Nanjala Nyabola, "Desejo: A pessoa é alguém através de outras pessoas".

Clique aqui para ler o ensaio de Veronica Gago e Luci Cavallero, O lar: Um novo laboratório para o capital?".

Junte-se a essa conversa

Se você estiver interessado em escrever ao lado da Internacional Progressista, por favor, envie um email para a Varsha Gandikota-Nellutla no endereço [email protected]

Desenho: Gabriel Silveira

Nos ajude a construir o Projeto

O Projeto é o laboratório de idéias para as forças progressistas do planeta.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, nós trouxemos mais de 40 ensaios de ativistas, profissionais, pensadores, líderes comunitários, chefes de Estado - imaginando como podemos reconstruir o mundo depois da Covid-19, e traçar um caminho para que se faça justiça em relação às dívidas internacionais.

Forças progressistas estão se erguendo. Para ter sucesso, temos que levar a sério a tarefa de gerar as idéias, políticas e paradigmas que definirão o nosso futuro.

Nos ajude a construir esse paradigma. Doe para o Projeto.

Support
Available in
EnglishSpanishArabicPortuguese (Brazil)GermanFrenchTurkishItalian (Standard)
Authors
Varsha Gandikota-Nellutla
Published
11.04.2022

More in Blueprint

Blueprint
2021-04-22

No Illegitimate Debt

Receive the Progressive International briefing
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell