Kai Bosworth: O Populismo Climático e os seus limites

DocumentEnvironment

Embora nos últimos dez anos o ativismo pela justiça climática tenha reinventado a política ambiental global de baixo para cima, isso não foi suficiente para conter a destruição ecológica global causada pelo capitalismo. O que podemos aprender com os sucessos e fracassos desta abordagem?

A Conferência Mundial dos Povos sobre Mudanças Climáticas e os Direitos da Mãe Terra, a Cúpula dos Povos Rio+20. A Marcha dos Povos pelo Clima. O Movimento dos Povos pelo Clima. Na última década houve uma renovação do ativismo pela justiça climática, definida menos pelo senso urgência e mais por uma retórica política anti-establishment, em grande parte ausente dos ambientalismos mainstream do passado recente.

Dada sua ênfase no poder popular de base e uma crítica incansável às elites e corporações globais, devemos ver algumas partes do movimento de justiça climática contemporâneo como participantes de um gênero de retórica e mobilização política da esquerda-populista. Essa orientação culminou em movimentos transnacionais por um Green New Deal (ou Novo Acordo Verde) de 2018 até o presente. Uma leitura otimista da situação sugere que tais movimentos nunca estiveram tão próximos de uma transformação política global alinhada com os princípios da justiça climática: a priorização das comunidades na linha de frente, dos trabalhadores e dos mais pobres. Um cínico poderia apontar a completa falta de ação política concreta correspondente a estas supostas mudanças de retórica e estratégia. Independentemente da inclinação de cada um, devemos olhar para trás e fazer um balanço sóbrio dos últimos dez anos. Quais foram as consequências da orientação de esquerda-populista da política de justiça climática? Que lições estratégicas podemos tirar dos sucessos e fracassos deste movimento?

Uma Breve História do Populismo Climático

O populismo climático difere significativamente das abordagens tecnocráticas e orientadas para as políticas das mudanças climáticas do passado recente. A estratégia ambientalista sem fins lucrativos dos anos 90 e início dos anos 2000 havia se adaptado claramente às normas políticas do neoliberalismo da Terceira Via. Essa orientação enfatizava a construção de alianças pragmáticas entre instituições das classes dirigentes a fim de chegar a um consenso sobre as prioridades do desenvolvimento sustentável. Considere a reunião anual da UNFCCC (sigla em inglês para Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima), que reúne atores "diversos" como Bill Gates, Alec Baldwin e Al Gore, juntamente com líderes de Estado e ONGs de grande porte, para divulgar os detalhes de acordos não-vinculativos, gradualistas e, em grande parte, orientados para o mercado. A ênfase em chegar a consensos e aderir a instrumentos e objetivos orientados científica e tecnicamente expressa que a política, entendida como discordância antagônica, foi ativamente marginalizada no mainstream. Um exemplo espacial desta marginalização pode ser visto em cada reunião anual da Conferência das Partes (COP), onde o movimento de justiça climática é confinado a uma zona fora do espaço oficial de reuniões.

A estratégia antagônica de justiça climática começou a mudar após os resultados decepcionantes do Acordo de Copenhague da COP15 em 2009, que implicou um êxodo do espaço internacional oficial em direção a espaços paralelos de construção e coalizão, como a Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática e os Direitos da Mãe Terra, em Cochabamba, na Bolívia, em 2010. Tadzio Mueller argumentou que mesmo este espaço era limitado por divisões internas no seio da esquerda populista latino-americana quanto ao extrativismo e os direitos indígenas. Na época, Mueller também observou que "no Norte, de onde este artigo é escrito, muitos ativistas (pela justiça) ambiental tiveram que enfrentar uma luta para que os marcos políticos centrados em torno da mudança climática gerassem uma base de massas".

Junto com outros jovens ativistas da justiça climática nos Estados Unidos, eu também senti um impasse naquele momento. Com o fracasso simultâneo do projeto de lei Waxman-Markey de 2009 e os crescentes sinais de que a administração Obama não representava a mudança progressista que muitos de nós esperávamos, os ativistas da justiça climática começaram a reconsiderar como poderiam construir tal "base de massas". Desistimos das políticas, e em vez disso tentamos construir melhores relações com e entre as comunidades de base nas "linhas de frente" da extração e do caos climático. Esses movimentos são liderados por nações indígenas, trabalhadores agrícolas migrantes, liberacionistas negros, pescadores costeiros, agricultores e rancheiros, além de operários industriais sindicalizados, ao invés de organizações não governamentais (e até das ONGs de justiça ambiental!). Embora a mudança climática possa ser um componente das suas análises sobre usinas elétricas alimentadas a carvão, campos de fratura hidráulica e oleodutos de areias asfálticas, frequentemente eles vêm das lutas populares diárias por água e ar limpos, daquilo que as marxistas-feministas chamam o domínio da "reprodução social". O que tornou esses movimentos um pouco diferentes de seus predecessores das décadas anteriores de lutas pela justiça ambiental foi o desejo ou necessidade de coordenar e compartilhar estratégias cruzando as diferenças e a distância a fim de construir um "coletivo maior". Baseando-se na ressurreição da tradição populista agrária dos EUA, na retórica de fácil acesso da democracia estadunidense, na linguagem dos movimentos descoloniais e do poder negro global e no novo "populismo multirracial", o nome freqüente para esse coletivo era "o povo".

O que conta como um Movimento Populista?

Ao pesquisar os últimos cinco anos de análises liberais, pode-se ter a impressão de que "populismo" é sinônimo de uma direita política antidemocrática. Trata-se de uma manobra estratégica para equacionar e desacreditar simultaneamente todas as ameaças ao centrismo liberal. As tradicionais críticas de esquerda ao populismo (e do “povo" como assunto) também tendem a se concentrar no problema do etnonacionalismo.

Não será "o povo" apenas uma senha para a supremacia branca, contraposta a certos códigos raciais corruptores de forasteiros estrangeiros? Não faz sentido negar a existência de movimentos populistas de direita e seu uso da retórica do "povo" desta forma. No entanto, construções mais amplas de "povo" são possíveis. O movimento de justiça climática, por exemplo, tende a tomar "o povo" como um sujeito global e não como um projeto nacional (embora alguns aceitem as limitações do Estado-nação de imediato). O entendimento da esquerda latino-americana do "el pueblo" também resiste à redução etnonacionalista, formada em referência ao poder constituinte do povo, que se sobrepõe ao do Estado.

No entanto, o projeto da esquerda populista de construir um sujeito não está isento de problemas. Uma preocupação oposta à etnonacionalista é que "o povo" pode ser um assunto amplo demais, incluindo quase todos e tornando difícil distinguir os camaradas dos meros aliados, e ambos dos inimigos políticos. Isto certamente pode ser uma questão, como quando nacionalistas e capitalistas verdes tentam influenciar os movimentos populares. As demandas populistas podem se diluir demais e perder o rumo para uma visão política (como o ecossocialismo) ou estratégia (como a construção do movimento) específica. No entanto, apesar de algumas áreas cinzentas e discordâncias no movimento de justiça climática, há sujeitos maus muito evidentes que a maioria de nós reconhece: as corporações de combustíveis fósseis, os colonos verdes, talvez o capitalismo em geral.

Podemos ver a ampla e rápida aceitação do Green New Deal (GND) como um resultado do sucesso da orientação populista. Embora versões de um GND tivessem pairado ao redor do mundo das políticas liberais há algum tempo, só quando grupos de jovens inteligentes como o Sunrise Movement fizeram do GND parte da sua plataforma ele voltou à cena. Hoje, estes planos tendem a ser menos radicais do que pretendiam - muitas vezes aparecem como uma versão do "keynesianismo de suporte à vida". No entanto, a sua popularidade atual entre amplas vertentes da arena ambiental e da esquerda representa uma mudança enorme em relação às exigências brandas do ciclo anterior das políticas climáticas. Como Matthew Miles Goodrich argumentou, isto representa uma mudança na qual "talvez, paradoxalmente, o que é uma abordagem política para combater a mudança climática tornou-se, em um momento de crise política, uma fonte de esperança". Crucial para esta nova abordagem politizada é o fato de ser apoiada por um sujeito político diferente - as massas, as linhas de frente, as pessoas comuns - que presumivelmente não apenas exigem mudanças dos outros institucionalizados, mas que na verdade exercem poder para realizar a visão do GND.

É absolutamente fundamental que o movimento pela justiça climática tenha deixado de ser um "movimento apolítico por se recusar a se envolver com os mecanismos básicos do poder", para pedir novamente emprestadas as palavras de Goodrich. Mas isso não nos ajuda a julgar se a estratégia política combativa da esquerda populista é a melhor. Embora haja muitas críticas simpáticas (e muitas menos favoráveis) ao Green New Deal, a maioria tem se concentrado no conteúdo das reivindicações, em vez do sujeito que as realizaria.

O sujeito do Populismo Climático

As reivindicações e os sujeitos estão, naturalmente, ligados: os sujeitos não apenas pré-existem à sua articulação nos movimentos políticos, mas são remodelados por eles. Demandas criam sujeitos, sujeitos incompletos e partidos em diferentes direções. As reivindicações liberais dependem de e reproduzem os temas liberais: indivíduos livres, consumidores, detentores da propriedade privada. As reivindicações socialistas ou anti-imperialistas produzem sujeitos socialistas ou anti-imperialistas: sujeitos em busca de solidariedade e companheirismo em nome da justiça. Reivindicações ambientalistas criam sujeitos ambientais. Reivindicações populistas criam sujeitos orientados para o popular. Quais são, então, os limites do sujeito vago do "povo" criado no novo movimento pela justiça climática?

Primeiro, embora o populismo climático possa ter tornado o GND "popular" de alguma forma, é claro que mesmo para a grande maioria dos seus apoiadores, essa popularidade é pequena. As ações concretas do movimento de massas não podem se basear em pesquisas de opinião. Consequentemente, assim como o populismo americano dos anos 1890 ou as tentativas de Jesse Jackson na década de 1980 de construir uma Coalizão Arco-Íris, o populismo climático hoje imagina que a sua pequena coalizão pressagia uma coalizão muito mais ampla do que ela realmente é. Uma consequência da popularidade escassa é que a nossa retórica aspiracional não corresponde às nossas experiências. Isto pode criar ansiedade no interior do movimento e suspeitas de autocrítica em relação à estratégia - especialmente após um movimento prematuro das ruas às urnas. Após erros, em vez de autocrítica temos confusão: não deveríamos ser populares? Se a autocrítica é deslocada para outros, então as lições não são aprendidas. Além disso, se for pouco popular, é provável que qualquer GND especulativo descarte os detalhes-chave que um GND orientado à justiça ou ao socialismo poderia colocar em foco. Auxílio transnacional incondicional por meio do fundo para a justiça climática? Assistência médica e liberdade de movimentos para todos? Direito de veto indígena aos projetos de energia limpa? Quem ou o quê irá para a guilhotina primeiro? Consequentemente, parece que o tema do populismo climático compreende a política, mas ainda não o poder político. O populismo climático cria sujeitos ligados a uma fantasia de mobilização de massa, mas sem o movimento real para alavancá-lo.

Em segundo lugar, a orientação para uma "massa popular" imaginada pode servir de acelerador para os elementos mais radicais e transgressores destes movimentos. Percebi que a orientação populista de algumas organizações anti-dutos as levou a se oporem ativamente aos anarquistas e indígenas partidários da ação direta, que eram considerados ameaças à suposta popularidade "favorável às famílias" que o movimento buscava. No seu interior, o movimento é encorajado a se orientar para um sujeito que seria o mínimo denominador comum, com um conjunto suposto de interesses inalteráveis na sociedade baseada no consumo. Isto abre espaço para entendimentos particularmente perversos da política climática. Imaginar e construir um mundo social radicalmente transformado não é permitido, porque as pessoas comuns nunca abandonariam de bom grado a realização emocional de "tênis, jogos Lego, waffleiras, TVs de tela plana e X-boxes". Assim, o populismo climático cria sujeitos que tentam ser populares. Isto cria problemas semelhantes aos do "socialismo normie" [ou socialismo “normal”]. Kate Doyle Griffiths escreve que, no nível cultural, o mandato da normalidade oculta a falta de confiança e reforça a orientação não declarada da heteronormatividade branca euro-americana, enquanto, no plano político, sugere "a asserção da política eleitoral, especificamente a do Partido Democrata, como o horizonte do movimento socialista". Em resumo, o sujeito do populismo climático permite que sua imaginação seja limitada por como acredita que sejam as pessoas comuns.

Em terceiro e último lugar, há um problema de conexão entre as diversas geografias da base popular ou de massa do populismo climático. Para que este seja realmente um movimento pela justiça planetária, o mundo material do proletariado global deve estar no centro da luta (de classes). Entretanto, apesar das frequentes propostas ao Sul Global e à luta de classes dos trabalhadores, muitas vezes o fim populista do atual movimento de justiça climática fala em nome dessas massas. As "nações obscuras" continuam figurando no discurso do populismo climático simplesmente como as vítimas amontoadas do caos climático, frequentemente retratadas como o migrante ou o refugiado. O mesmo ocorre com as visões de um GND norte-americano desigualmente configurado com base na região, na paisagem e na história. Embora as críticas ao capitalismo global e ao colonialismo estejam cada vez mais centralizadas, devido em grande parte à liderança transnacional das nações indígenas, em outras arenas o populismo climático não tem ido muito bem. Quantos de nós temos certeza de que o GND significa, por exemplo, fronteiras abertas, o cancelamento das dívidas globais e o antimilitarismo e anti-imperialismo transnacionais? Um problema relacionado é a sugestão de que o GND seria decretado por um sujeito duvidoso "multiclassista". Qualquer aliança com o capital, ou mesmo com a classe média nos EUA, dificilmente produzirá uma transformação bem-sucedida na direção da justiça climática. Assim, o sujeito do populismo climático se imagina mais amplo do que é, porque representa, ao invés de se construir com o proletariado global.

Os melhores adeptos do GND apontam não para um conjunto histórico ou contemporâneo de políticas associadas ao "New Deal", mas para a luta de massas que forçou a sua passagem. O problema não é simplesmente que o New Deal teve certos efeitos raciais não intencionais (que agora podemos corrigir), mas que o próprio New Deal foi uma capitulação e captura da agitação mais radical do momento. No entanto, esta agitação radical é denunciada com precisão pelos que frequentam o populismo de esquerda. Para que a agitação e a luta de massas esteja em nossas mentes, os sujeitos que criamos devem ser mais transformadores do que "o povo" permite: isto significa dar espaço às organizações - conselhos, quadros e organizações de ajuda mútua - nem sempre associadas à mobilização popular.

O que deve ser feito?

Esta análise não é um chamado para voltar a uma posição onde "desfrutamos da nossa marginalidade", o que alguns na esquerda ficam felizes em fazer. Ao invés disso, é uma questão de ser realista quanto ao poder que o movimento de justiça climática é capaz de flexibilizar hoje, e que arenas esse poder pode realmente tornar eficazes. Na América do Norte, parece que o poder da coalizão GND está, lamentavelmente, em grande parte confinado às mesmas esferas do ciclo anterior: organizações sem fins lucrativos, ativistas autodeclarados, uma grande quantidade de populações diretamente afetadas.

Em muitos aspectos, a medida preventiva do distanciamento social devido à crise da Covid-19 tornou a organização política mais difícil do que nunca. Entretanto, este interregno pode ser útil para uma reavaliação do passado recente e a preparação para o que parece ser uma séria crise econômica mundial, profundamente material e não meramente retórica. É provável que a curto e médio prazo haja crises de alimentos, combustível e circulação, quase certamente vividas de forma desigual devido à divisão global neocolonial do trabalho.

Em um mundo de profunda crise econômica, o Green New Deal é meramente um atavismo do keynesianismo de sustentação da vida, uma procura zumbi de uma resposta qualquer- um tipo de resgate financeiro do povo - para renovar o crescimento econômico? Ou, alternativamente, poderia um novo movimento popular emergir concretamente deste momento de crise?

Nos ajude a construir o Projeto

O Projeto é o laboratório de idéias para as forças progressistas do planeta.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, nós trouxemos mais de 40 ensaios de ativistas, profissionais, pensadores, líderes comunitários, chefes de Estado - imaginando como podemos reconstruir o mundo depois da Covid-19, e traçar um caminho para que se faça justiça em relação às dívidas internacionais.

Forças progressistas estão se erguendo. Para ter sucesso, temos que levar a sério a tarefa de gerar as idéias, políticas e paradigmas que definirão o nosso futuro.

Nos ajude a construir esse paradigma. Doe para o Projeto.

Support
Available in
EnglishPortuguese (Brazil)
Authors
Kai Bosworth
Translators
Rodolfo Vaz and Cristina Cavalcanti
Published
04.12.2020

More in Environment

Environment

Kai Bosworth: Climate Populism & its Limits

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell