Kai Bosworth: Populismo Climático e os seus Limites

DocumentEnvironment

Embora os últimos dez anos de activismo pela justiça climática tenham reinventado (reimaginado) a política ambiental global numa abordagem ascendente, não foi suficiente para travar a destruição ecológica global provocada pelo capitalismo. O que podemos aprender com os êxitos e fracassos desta abordagem?

A Conferência Mundial dos Povos sobre as Alterações Climáticas e os Direitos da Mãe Terra. A Cimeira dos Povos no Rio+20. A Marcha dos Povos pelo Clima. O Movimento dos Povos pelo Clima. A última década assistiu a uma renovação do activismo pela justiça climática, definida menos pela urgência do que por uma retórica política anti-institucional, em grande parte ausente dos ambientalismos convencionais de um passado recente.

Dada a sua ênfase no poder popular e uma crítica incansável às elites e corporações globais, deveríamos ver algumas partes do movimento contemporâneo pela justiça climática como participantes num género de retórica e mobilização política de esquerdo-populista. Esta orientação culminou em movimentos transnacionais para um Novo Acordo Verde (Green New Deal ou GND) desde 2018 até ao presente. Uma leitura optimista da situação sugere que tais movimentos nunca estiveram tão próximos de uma transformação política global alinhada com os princípios da justiça climática: uma priorização das comunidades das “linhas da frente,” dos/das trabalhadores/as e dos/as pobres. Um cínico poderia apontar a completa falta de acção política concreta correspondente a estas supostas mudanças de retórica e estratégia. Independentemente da tendência de cada um/a, convém-nos olhar para trás e fazer um balanço sóbrio dos últimos dez anos. Quais têm sido as consequências da orientação esquerdo-populista da política de justiça climática? Que lições estratégicas podemos tirar dos êxitos e fracassos deste movimento?

Uma Breve História do Populismo Climático

O populismo climático difere marcadamente das abordagens tecnocráticas e daquelas orientadas para a política das alterações climáticas do passado recente. A estratégia ambientalista sem fins lucrativos dos anos 90 e princípios dos anos 2000 tinha-se adaptado bem às normas políticas do neoliberalismo de Terceira Via (Third Way). Esta orientação enfatizava a construção de alianças pragmáticas entre as instituições dominantes, a fim de se chegar a um consenso sobre as prioridades do desenvolvimento sustentável. Considere-se a reunião anual da UNFCCC, que reúne actores "diversos" como Bill Gates, Alec Baldwin, e Al Gore, juntamente com líderes estatais e ONGs de grande envergadura, para divulgar os detalhes de acordos não vinculativos, incrementalistas, e orientados principalmente para o mercado. O ênfase na obtenção de consenso e na adesão a instrumentos e objectivos científicos e técnicos levou a que a política — entendida como desacordo antagónico — fosse activamente marginalizada na corrente dominante. Um exemplo espacial desta marginalização podia ser visto em cada reunião anual do Council of the Parties (COP) - Conselho de Partidos -, onde o movimento de justiça climática estava confinado a uma zona exterior ao espaço oficial de reuniões.

A estratégia oposta de justiça climática começou a mudar após os resultados decepcionantes do Acordo de Copenhaga COP15, em 2009, que implicou um êxodo do clima internacional oficial para espaços paralelos de construção de coligações, como a Conferência Mundial dos Povos sobre Alterações Climáticas e os Direitos da Mãe Terra 2010, em Cochabamba, Bolívia.

Tadzio Mueller tem argumentado que mesmo este espaço estava limitado por divisões internas, dentro da esquerda populista latino-americana, no que diz respeito ao extrativismo e direitos indígenas. Na altura, Mueller observou também que "No Norte, de onde este artigo é escrito, muitos/as activistas pela justiça climática tiveram de se confrontar com o problema de que os movimentos políticos pelas alterações climáticas têm dificuldades em gerar apoio em massa."

Juntamente com outros/as jovens organizadores/as da justiça climática nos Estados Unidos, eu também senti um impasse durante este momento. Com o fracasso simultâneo da lei Waxman-Markey de 2009 e os crescentes sinais de que a administração de Obama não representava a quebra progressiva que muitos/as de nós esperávamos, os/as activistas pela justiça climática começaram a reconsiderar como poderiam construir o tal “apoio em massa”. Desistimos da política, tentando em vez disso construir melhores relações com e entre as comunidades de base nas "linhas de frente" da extracção e do caos climático. Estes movimentos eram liderados por nações indígenas, trabalhadores/as agrícolas migrantes, liberacionistas negros/as, pescadores/as costeiros/as, agricultores/as e criadores/as de gado, e trabalhadores/as sindicais industriais em vez de trabalhadores/as de organizações sem fins lucrativos (mesmo os de justiça ambiental!). Embora as alterações climáticas possam ser uma componente resultante das suas análises das centrais eléctricas alimentadas a carvão, campos de fraturamento hidráulico, e oleodutos de areias betuminosas, mais frequentemente emergiram das lutas diárias das pessoas por água e ar limpos, no que os/as marxistas-feministas chamam o campo da "reprodução social." O que tornou estes movimentos algo diferentes dos seus predecessores nas décadas anteriores de lutas pela justiça ambiental foi um desejo ou necessidade de coordenar e partilhar estratégias através da diferença e da distância, a fim de construir um "nós maior." Baseando-se na continuidade da tradição populista agrária dos EUA, na retórica de fácil acesso da democracia norte-americana, na linguagem dos movimentos de descolonização e de poder negro globais, e num novo "populismo multirracial," o nome usual para esse colectivo era "o povo."

O que conta como um Movimento Populista?

Analisar os últimos cinco anos de comentários liberais pode dar a impressão de que "populismo" é sinónimo de direito político antidemocrático. Este movimento é em si mesmo uma tentativa estratégica de equacionar e desacreditar simultaneamente todas as ameaças ao centrismo liberal. As tradicionais críticas de esquerda ao populismo (e "o povo" como tema) também tenderam a concentrar-se no problema do etnonacionalismo. Não será "o povo" apenas uma palavra codificada usada pela supremacia branca contraposta ao conceito de forasteiro estrangeiro corruptor de códigos raciais? É inutil negar a existência de movimentos populistas de direita e a sua utilização da retórica do "povo" desta forma. No entanto, são possíveis construções mais capacitivas de "o povo." O movimento de justiça climática, por exemplo, tende a tomar "o povo" como um sujeito global e não como um projecto nacional (embora alguns aceitem os constrangimentos do Estado-nação com demasiada facilidade). O entendimento da esquerda latino-americano do "el pueblo" também resiste à redução etnonacionalista, formada por referência a um poder constituinte do povo que excede o do Estado.

No entanto, o projecto esquerdo-populista de construção de um sujeito não está isento de problemas. Uma preocupação oposta à dos etno nacionalistas é que "o povo" possa ser um sujeito demasiado amplo, incluindo quase todos/as e tornando difícil distinguir os/as camaradas de meros/as aliados/as, e ou de inimigos políticos. Isto pode certamente ser uma preocupação, como quando nacionalistas e capitalistas verdes tentam influenciar os movimentos populares. As exigências populistas podem tornar-se demasiado diluídas, perdendo a sua orientação para uma visão política específica (como o eco-socialismo) ou estratégia (como a construção de movimentos). No entanto, mesmo que existam algumas áreas cinzentas e discordâncias entre o movimento de justiça climática, existem “maus da fita” que a maioria de nós reconhece: corporações de combustíveis fósseis, colonialistas verdes, talvez o capitalismo de uma forma geral.

Podemos ver a aceitação generalizada e rápida do Green New Deal (GND) como um resultado do sucesso da orientação populista. Embora as versões de um GND tivessem flutuado pelo mundo da política liberal durante algum tempo, a visão só voltou a surgir em cena quando grupos de jovens experientes como o Movimento Sunrise fizeram do GND uma parte da sua plataforma. Hoje em dia, estes planos têm a tendência a ser menos radicais do que pretendem ser — aparecendo frequentemente como uma versão do "keynesianismo de apoio à vida". No entanto, a sua popularidade actual entre amplas faixas da arena ambiental e a esquerda representa uma mudança maciça das exigências coxas do ciclo anterior da política climática. Como Matthew Miles Goodrich argumentou, isto representa uma mudança na qual "talvez paradoxalmente, uma abordagem política à luta contra as alterações climáticas tornou-se, num momento de crise política, uma fonte de esperança." Crucial a esta nova abordagem politizada é o facto de ser suportada por um sujeito político diferente — as massas, as linhas de frente, as pessoas comuns — que presumivelmente não só exigiriam mudanças de instituições, mas que, na realidade, exercem também poder para realizar a visão do GND.

É absolutamente crucial que o movimento de justiça climática tenha deixado de ser um "movimento apolítico de recusa na intromissão dos mecanismos básicos do poder," para pedir outra vez emprestadas as palavras de Goodrich. Mas isso não nos ajuda a julgar se a estratégia política agonista de esquerdo-populista é a melhor. E embora haja muitas críticas simpáticas (e muitas menos simpáticas) sobre o Green New Deal a circular, a maioria tem-se concentrado no conteúdo da exigência, em vez de no sujeito que a realizaria.

O Sujeito do Populismo Climático

As exigências e os sujeitos estão, naturalmente, interligados: os sujeitos não se limitam a pré-existir à sua articulação em movimentos políticos, mas são remodelados por eles. As exigências criam sujeitos, sujeitos incompletos e rasgados em diferentes direcções. As exigências liberais dependem e reproduzem os sujeitos liberais: indivíduos livres, consumidores, proprietários de propriedade privada. Exigências socialistas ou anti-imperialistas produzem sujeitos socialistas ou anti-imperialistas: sujeitos que procuram solidariedade e camaradagem em nome da justiça. As exigências ambientalistas criam sujeitos ambientais. As reivindicações populistas criam sujeitos orientados para o popular. Quais são então os limites do vago sujeito "o povo" criado no âmbito do novo movimento de justiça climática?

Primeiro, embora o populismo climático possa ter tornado o GND - Green New Deal de alguma forma "popular," é evidente que mesmo para a grande maioria dos/as apoiantes, esta popularidade é escassa. Nenhuma quantidade de dados de sondagens de suporte pode representar as acções concretas de um movimento de massas. Consequentemente, tal como o populismo americano por volta de 1890 ou as tentativas de Jesse Jackson por volta de 1980 de construir uma Coligação Arco-Íris (Rainbow Coalition), o populismo climático imagina hoje em dia a sua pequena coligação real para retratar uma coligação muito maior do que a que realmente existe. Uma consequência da escassa popularidade é que a nossa retórica aspiracional não corresponde às nossas experiências. Isto pode criar ansiedade dentro do movimento e suspeita de autocrítica em relação à estratégia — especialmente depois de um movimento prematuro das ruas para as urnas. Após fracassos, em vez de autocrítica, temos confusão: Não deveríamos ser populares? Se a autocrítica é deslocada para outros/as, então as lições não são aprendidas. Além disso, se for minimamente popular, qualquer GND especulativo é susceptível de excluir os detalhes chave que um GND orientado para a justiça ou para os socialistas possa colocar no centro. Ajuda transnacional incondicional através do fundo de justiça climática? Cuidados de saúde e livre circulação para todos/as? Direitos de veto indígena sobre projectos de energia limpa? Quem ou o que estará primeiro na tábua de corte? Consequentemente, parece que o tema do populismo climático compreende a política, mas ainda não o poder político. O populismo climático cria sujeitos ligados a uma fantasia de mobilização de massas, mas sem o movimento real para o alavancar.

Segundo, a orientação para uma imaginária "massa popular" pode servir de acelerador para elementos mais radicais e transgressores de tais movimentos. Descobri que a orientação populista de algumas organizações contra os oleodutos e os gasodutos as levou a opor-se activamente a anarquistas e seguidores/as indígenas de acção directa, que eram entendidos como ameaçadores da suposta popularidade "family-friendly" que o movimento procurava. Por dentro, o movimento é encorajado a orientar-se para o sujeito de menor denominador comum, com um conjunto assumido de interesses imutáveis na sociedade de consumo que realmente existem. Isto permite um espaço para interpretações particularmente perversas da política climática. Imaginar e construir um mundo social radicalmente transformado não é aconselhável, porque as pessoas normais nunca abdicariam de bom grado da satisfação emocional que lhes dá os “ténis, conjuntos de Lego, máquinas de waffle, e sim, TVs de ecrã plano e X-boxes.” O populismo climático cria assim sujeitos que estão a tentar ser populares. Isto cria problemas semelhantes aos do "socialismo normie." Kate Doyle Griffiths escreve que, a nível cultural, a imposição para a normalidade desmente a falta de confiança e reforça uma orientação não declarada para a heteronormatividade branca euro-americana, enquanto que a nível político, sugere "uma afirmação de política eleitoral, e, especificamente, as do Partido Democrata, como o horizonte do movimento socialista." Em suma, o tema do populismo climático permite que a sua imaginação seja reprimida por aquilo que acredita serem as pessoas normais genéricas.

Em terceiro e último lugar, existe um problema de ligação às várias geografias da base popular ou de massa do populismo climático. Para que este seja de facto um movimento de justiça planetária, o mundo material do proletariado global deve estar no centro da luta (de classe). Contudo, apesar das frequentes aberturas ao Sul global e à luta de classes dos/as trabalhadores/as, muitas vezes o fim populista do actual movimento pela justiça climática fala frequentemente sobretudo em nome dessas massas. As "nações mais escuras" continuam a aparecer no discurso do populismo climático como simples vítimas amontoadas do caos climático, frequentemente transformadas na figura do/a migrante ou refugiado/a. O mesmo acontece com as visões de um GND norte-americano desigual no que diz respeito a região, geografia, e história. Enquanto que críticas ao capitalismo global e ao colonialismo estão cada vez mais centralizadas, devido em grande parte à liderança transnacional das nações indígenas, noutras arenas o populismo climático também não se tem desenvolvido. Quantos de nós estão certos de que um GND significa, por exemplo, abertura de fronteiras, cancelamento de dívidas globais, e um anti-militarismo e anti-imperialismo transnacional? Um problema relacionado é a sugestão de que o GND seria decretado por um duvidoso sujeito "transversal às classes." Qualquer aliança com o capital, ou mesmo com a classe média nos EUA, dificilmente produzirá uma transformação bem sucedida no sentido da justiça climática. O tema do populismo climático imagina-se assim mais ambicioso do que é, porque representa, em vez de ser construído dentro do proletariado global.

Os melhores adeptos do GND apontam não para um conjunto histórico ou contemporâneo de políticas associadas ao "New Deal" mas sim para a luta de massas que forçou a sua passagem. O problema não é simplesmente que o New Deal teve certos efeitos raciais involuntários (que podemos agora corrigir), mas que o próprio New Deal foi uma capitulação e captura da agitação mais radical do momento. E no entanto, esta agitação radical é precisamente denunciada por aqueles/as que defendem o populismo de esquerda. Para que a agitação e a luta em massa estejam na nossa mente, os temas que criamos devem ser mais transformadores do que "o povo" permite; isto significa reservar espaço para organizações — conselhos, quadros e órgãos de ajuda mútua — não frequentemente associadas à mobilização popular.

O que fazer?

Esta análise não é uma chamada ao regresso de uma posição em que "desfrutamos da nossa marginalização," o que alguns na Esquerda estão mais do que satisfeitos em fazer. Em vez disso, é uma questão de ser realista sobre o poder que o movimento de justiça climática é actualmente capaz de flexibilizar, e em que arenas esse poder pode realmente tornar-se eficaz. Na América do Norte, parece que o poder da coligação GND está, decepcionantemente, em grande parte confinado às mesmas esferas do ciclo anterior: organizações sem fins lucrativos, activistas auto-definidos, uma esmagadora maioria de povos directamente afectados.

Em muitos aspectos, a imposição para o distanciamento social devido à crise da COVID-19 torna a organização política mais difícil agora do que nunca. No entanto, este interregno pode ser útil para a reavaliação do passado recente e preparação para o que parece ser uma crise económica planetária unicamente madura, uma crise que é profundamente material e não meramente retórica. É provável que a curto e médio prazo se venham a ver crises alimentares, de combustível, e de circulação, quase de certeza que sofridas de forma desigual devido à divisão global neocolonial do trabalho.

Num mundo em profunda crise económica, é o Green New Deal meramente um atavismo de suporte de vida Keynesianismo, um sôfrego aperto de zombies por algo, qualquer coisa — um salvamento do povo? — para renovar o crescimento económico? Ou pode um novo movimento popular emergir materialmente deste momento de crise?

Ajuda-nos a construir O Projeto

O Projeto é um laboratório de ideias para as forças progressivas do planeta.

Desde o nosso lançamento em Maio de 2020, trouxemos mais de 40 ensaios de activistas, profissionais, pensadores, líderes comunitários e chefes de estado - imaginando como poderíamos reconstruir o mundo depois da Covid-19, e traçando um caminho para a justiça da dívida internacional.

As forças progressivas estão a erguer-se. Mas para termos sucesso, temos de levar a sério a tarefa de gerar ideias, políticas e paradigmas que irão definir o nosso futuro.

Ajuda-nos a construir este paradigma. Doa ao Projeto.

Support
Available in
EnglishPortuguese (Brazil)Italian (Standard)Portuguese (Portugal)
Authors
Kai Bosworth
Translators
Sara Branco and Ana Borralho
Published
04.12.2020

More in Environment

Environment

Kai Bosworth: Climate Populism & its Limits

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell