Dívida como Poder Colectivo

DocumentBlueprint

Os países e as pessoas pobres têm poucas das proteções que os ricos têm, mas têm o poder da sua força coletiva. Os devedores do mundo podem unir-se e não pagar.

Este ensaio é parte da série “Dívida e Poder” do Debt Justice Blueprint Plano de Justiça nas Dívidas da Internacional Progressista.

Dizem-nos que não pagar as dívidas é falhar, quebrar nossas promessas, manchar a nossa honra pessoal e, com ela, a da nossa família. Nos ensaios anteriores deste Plano, lemos sobre como os credores, corporações e fundos agiotas conspiram para fazer os devedores sentirem-se abandonados, falidos e sobrecarregados com esse sentimento de fracasso moral.

Mas, embora os nossos sistemas jurídicos punam alguns devedores por falharem nos pagamentos, eles são de facto configurados para permitir que outros devedores “reestruturem” as suas dívidas e abandonem completamente incumpridas suas obrigações. O capital está consciente dessa força. Nos Estados Unidos, afirma-se que as proteções contra as falências corporativas, como o "Capítulo 11", que permite que as empresas reestruturem as suas dívidas, incentivam a "assunção de riscos", permitindo que grandes empresas como a General Motors, Purdue Pharma e Sears assumam dívidas enormes e depois as renegociem quando as suas apostas correm mal - deixando muitas vezes os trabalhadores e titulares de pensões a sofrer as consequências mais severas.

Estamos agora a assistir a esse processo em tempo real. Após uma onda de falências de empresas na crise financeira de 2008, a crise do COVID-19 inspirou outra. Mesmo enquanto empresas enormes, em países como os Estados Unidos, a demitiam dezenas de milhares de trabalhadores, elas lutaram nos tribunais para garantirem a possibilidade de atribuir bónus generosos aos seus principais executivos, enquanto se preparavam para reestruturar as suas dívidas. A Reserva Federal dos EUA, por sua vez, está a proteger o risco privado de enormes empresas, criando fundos especiais para a compra de dívida corporativa - um caso clássico de risco socializado e ganho privatizado.

E assim vemos que, quando se trata de dívidas, há um conjunto de regras para os ricos e outro para nós, os restantes. Proteções como o “Capítulo 11” não são concedidas nem aos países pobres que enfrentam crises de dívida soberana, nem aos trabalhadores comuns que se encontram sobrecarregados de dívidas. Quando os países pobres, e os pobres, se atrasam nas suas dívidas, na verdade, as “soluções” quase sempre pioram as coisas, resultando em taxas de juros mais altas e sistemas mais onerosos de punição e vigilância. Criar uma reputação de risco de crédito, seja como pessoa física ou como país pobre, traz a ameaça de perda total do acesso ao crédito. Essa ameaça atua como um poderoso impedimento ao não pagamento, forçando os países e as pessoas pobres a aceitarem termos predatórios que rotineiramente os prendem em espirais sem fim de endividamento, pobreza e desespero.

Mas e se virarmos a pirâmide de cabeça para baixo?

Se os países pobres e os pobres têm poucas das proteções que as empresas ricas têm, eles têm o poder da sua força coletiva. Mesmo que o "poder estrutural das finanças" - isto é, a capacidade de os credores decidirem quem tem acesso ao dinheiro e quem não tem - tenha crescido, também aumentou a capacidade dos devedores mobilizarem o seu papel crucial no sistema financeiro global. Dito de outra forma: à medida que as finanças se tornam cada vez mais centrais para toda a economia global, o mesmo ocorre com o poder político da repudiação coletiva de dívidas. Ao reconhecerem o seu papel fundamental no funcionamento do capitalismo global, os devedores podem recuperar as suas vidas, as suas comunidades, os seus países, e transformar a economia global para sempre.

Este ensaio examina e inspira-se em revoltas históricas de devedores que podem inspirar-nos e ajudar a construir um projeto para a justiça nas dívidas construído em torno da nossa força coletiva.

O Peso da Dívida

As últimas décadas viram crises financeiras recorrentes, estimuladas pela ameaça de não pagamento de dívidas soberana. O anúncio do México em 1982, de que não poderia continuar a cumprir as suas obrigações de dívida externa, desencadeou uma espiral de crises de dívida cujas reverberações continuam a ser sentidas hoje. Desde então, os países mais pobres do mundo enviaram 4,2 biliões de dólares em pagamentos de juros aos seus credores no Norte Global. Os governos agora assumem regularmente novas dívidas com o objetivo apenas de lhes permitir continuar a pagar as dívidas existentes, muitas vezes na forma de "empréstimos condicionais" que vêm com exigências de cortes orçamentais, austeridade e o desmantelamento das instituições democráticas - como no caso do Equador em 2020, pelas mãos do FMI. E o medo de perder o acesso ao capital necessário para o desenvolvimento mantém na linha muitos países pobres, à medida que os países mais poderosos do mundo e as maiores instituições financeiras conspiram para garantir que os países que ameaçam não pagar sejam punidos com a ameaça de corte total do crédito.

Nem sempre foi assim. Em épocas anteriores, os estados frequentemente não pagavam as suas dívidas, atirando um credor contra outro ou renegociando as dívidas por centavos de dólar. E alguns estados queriam ir ainda mais longe, como num caso durante a década de 1930, na sequência da Grande Depressão. O governo mexicano já vinha a enfrentar há décadas a ira de credores e governos poderosos, tendo deixado de pagar a sua dívida externa durante a Revolução Mexicana. Grupos de banqueiros e detentores de títulos reuniram-se para formar cartéis de credores para garantirem que ninguém emprestasse ao México até que as suas dívidas pendentes fossem pagas. Em resposta, o ministro das Relações Exteriores do México, José Manuel Puig Casaraunc, apresentou uma visão do poder coletivo dos devedores em 1933 que ressoa até hoje. Ele defendeu o reconhecimento da necessária interdependência envolvida na dívida: o crédito é uma "'equação' de pelo menos dois termos", argumentou, e "exatamente o mesmo serviço é prestado pela parte que concede o empréstimo e pela parte que o toma." Ou seja, assim como o devedor precisa dos fundos do credor, o credor precisa de uma saída produtiva para o seu capital excedente - o mutuário. Sem aquele mutuário disposto a receber os seus fundos e a devolvê-los com juros, os credores não ganhariam dinheiro.

Mas o sistema financeiro internacional não tinha reconhecido o papel crucial que os mutuários desempenham no funcionamento do sistema capitalista global. Puig defendeu, portanto, uma “nova concepção jurídica e filosófica do crédito”, que reconhecesse o papel central que os devedores desempenhavam - e na qual os devedores, coletivamente, reconheciam o seu próprio poder dentro do sistema.

A sua visão de uma distribuição democrática do crédito, em que as economias e as sociedades dos devedores não estivessem subordinadas à procura de lucro das maiores e mais poderosas instituições financeiras, não se concretizou na década de 1930. Mas o seu apelo para reconhecer o papel sistemicamente crucial dos devedores para o funcionamento da economia global ainda ressoa e pode orientar o poder coletivo de devedores individuais e nacionais.

Quando os devedores ficam indisciplinados

Quando os governos soberanos ameaçam entrar em incumprimento, isso chega às primeiras páginas. Mas o incumprimento de hipotecas ou de faturas de cartão de crédito dificilmente é notícia - exceto quando muitas pessoas o fazem de uma só vez: nesse caso podem abalar os alicerces morais e económicos do sistema financeiro.

Claro, o caminho que vai da resistência do devedor até ao triunfo do devedor está longe de ser seguro. Quando milhões de tomadores de empréstimos subprime nos Estados Unidos falharam simultaneamente as suas hipotecas, foram os credores - não os devedores - que conseguiram fazer valer o seu poder. Enquanto o governo dos EUA salvou os credores da falência, os mesmos credores iniciaram procedimentos de execução hipotecária contra 1,3 milhões de propriedades em 2007, 2,3 milhões de propriedades em 2008 e 2,8 milhões em 2009. Milhões de pessoas - tanto 'prime' como 'subprime', mutuários e suas famílias - perderam as suas casas. As minorias e as mulheres foram os que mais sofreram.

No entanto, a história financeira recente também está repleta de exemplos de mutuários a renegociar ou a recusar obrigações de pagamento que deixam de considerar válidas. Vejam o caso dos cidadãos islandeses que repudiaram as dívidas dos bancos altamente alavancados do país. A história oficial registou esses eventos entre 2008 e 2011 como a “crise financeira islandesa”, embora na verdade tenha sido uma revolta de devedores em todo o país e uma revolução política. Os bancos privados islandeses ofereceram contas de poupança extremamente lucrativas a investidores no exterior e acumularam dívidas externas impagáveis ​​no valor de mais de cinco vezes o PIB do país. O governo do Reino Unido invocou a legislação anti-terrorismo para coagir o governo da Islândia a pagar. Mas os cidadãos da Islândia rejeitaram o plano de reembolso duas vezes e depuseram o seu governo na "Revolução dos Utensílios de Cozinha", que levou à reunião de uma Assembleia de Cidadãos para debater as mudanças na Constituição da Islândia. Banqueiros e políticos foram julgados, condenados à prisão e a maior parte da dívida foi cancelada.

O exemplo da Islândia pode parecer difícil de ser imitado. No entanto, algumas das pessoas mais pobres do mundo também demonstraram o poder que os devedores têm quando agem coletivamente. Começando na Bolívia em 2000, uma onda de revoltas de mutuários varreu a indústria global de microfinanças, com milhões de pessoas pobres na Bósnia-Herzegovina (2008), Nicarágua (2008-9), Índia (2010-11) e Marrocos (2011-13 ) a protestar contra exigências não razoáveis, recusando-se a pagar e forçando renegociações e reduções de dívidas. Em muitos casos, foi a força excessiva usada pelas instituições de microcrédito que desencadeou a indignação popular e a solidariedade entre a classe desorganizada de micro mutuários - normalmente artesãos, vendedores ambulantes e pequenos agricultores - e primeiro catalisou as exigências para a renegociação dos termos do empréstimo, e depois para uma recusa completa de pagamento.

Na Nicarágua, depois de alguns mutuários terem sido presos, dezenas de milhares exigiram a sua libertação e melhores condições. Um movimento surgiu sob a simples bandeira No Pago (Não Pago). Após confrontos com as autoridades locais, os escritórios de microcrédito foram incendiados, os políticos tomaram nota e os representantes do No Pago puderam levar dois projetos de lei ao parlamento, forçando os credores a renegociarem prazos mais longos de empréstimo e taxas de juros mais baixas. Na Índia, depois de agentes de crédito terem coagido dezenas de mutuários a cometer suicídio (os credores de microcrédito estavam de olho no seu seguro de vida), protestos e violência eclodiram em Andhra Pradesh, forçando o governo estadual a decretar o fim de todas as atividades de microfinanças. Quando os agentes de crédito voltaram, eles encontraram os tomadores de empréstimos coletivamente hostis e dispostos a não pagar, e mais de mil milhões em empréstimos tiveram que ser “perdoados”. No sul pobre de Marrocos, durante a Primavera Árabe, um movimento liderado por mulheres, Victimes du Microcrédit, organizou a resistência contra a cobrança de empréstimos e fechou escritórios de microcrédito. No entanto, o governo marroquino conspirou com os credores e suprimiu o movimento.

Estes exemplos servem para ilustrar como até mesmo alguns dos devedores mais pobres do mundo exerceram com sucesso o poder coletivo. Claro que as revoltas dos mutuários podem ser confusas e cheias de riscos políticos: O No Pago foi amplamente cooptado pelo governo de Daniel Ortega; os gigantes do microcrédito de Andhra Pradesh simplesmente mudaram-se para outros estados indianos; e as mulheres que lideravam o Victimes du Microcrédit foram condenadas à prisão. Mas eles expressam uma consciência crescente do devedor em torno do que EP Thompson chamou de “economia moral”: uma insistência universal e fundamental por parte das pessoas comuns em resultados de mercado justos e a sua disposição de agir diretamente em prol dos mesmos.

Tornando-se uma ameaça sistémica

Nos séculos XVIII e XIX, a economia moral da classe trabalhadora desencadeou o movimento sindical. Será que no século XXI, a desobediência dos devedores poderá tornar-se a base para a fundação de um movimento global? Os atores do sistema frequentemente retratam os devedores desafiadores como camponeses ignorantes, luditas financeiros [N.B.: Luditas foi uma designação, dada no século XIX, a oponentes da revolução industrial que, ao mecanizar as tarefas, originava desemprego] ou peões políticos populistas. Uma política progressiva de endividamento reverte a condescendência, revela a dinâmica de classe e ajuda a construir o poder coletivo dos devedores que não podem ou não querem pagar.

A consciência da classe devedora e o consenso para a ação não serão fáceis de construir. Muitas vezes, as dívidas estão escondidas na vergonha e impregnadas de obrigações morais (tens que pagar o que prometeste). Mas quer seja expresso como nos EUA “1% vs. 99%” ou na Nicarágua “usurários vs. camponeses”, as pessoas têm uma consciência subjetiva das relações objetivas da dívida. No topo das cadeias de valor financeiro global - sejam construídas em hipotecas ou em empréstimos de microcrédito - em última análise, estão os mais ricos acumuladores de capital do mundo, enquanto na base estão os devedores e os cidadãos que podem cumprir ou deixar de jogar. Quanto maior o coletivo, maior o seu poder quando o usam. Os mercados financeiros dependem de fluxos regulares de pagamento, e o poder de interrompê-los torna os coletivos de devedores uma poderosa ameaça sistémica ao capitalismo financeirizado.

Internacionalismo dos Devedores

Dada a estrutura global dos regimes de dívida, o internacionalismo é indispensável. Os movimentos de devedores formados a nível nacional ou subnacional não devem ser deixados a lutar sozinhos. A solidariedade internacional foi fundamental para o sucesso da Islândia, por exemplo, quando um público global assistiu com simpatia e apoiou a Islândia contra as ameaças britânicas. Os micro-devedores em protesto não atraíram tanta atenção global. Um teste crucial será a iminente crise da micro-dívida do Camboja: os cambojanos são "a maior classe de tomadores de microcrédito do mundo" e até 2,2 milhões de pessoas correm o risco de perder as suas terras, que foram dadas como garantia. Será que as forças progressistas irão apoiá-los?

A força dos credores é visível em todos os lugares. Os devedores estão apenas ainda a descobrir a sua. Os devedores podem exercer poder coletivo quando:

  • destacam a interdependência da relação de mútuo (crédito x dívida);
  • tomam consciência dos interesses comuns e se organizam;
  • são capazes de combinar exigências específicas de mudança com ameaças de [credíveis] de recusa fundamental de reembolso [dos créditos]; e
  • trabalham em solidariedade com movimentos progressistas mais amplos.

Um movimento internacional progressista pode ajudar os devedores desafiantes a levar a luta até aos palácios das finanças. Eles podem reunir movimentos de devedores, co-desenvolver estratégias de ação e traduzir exigências específicas em linguagem política universal, como a democratização do incumprimento. Quando as dívidas não servem qualquer bem maior do que uma maior acumulação de riqueza privada, declará-las ilegítimas atinge o coração do capitalismo financeiro, que se mostra excepcionalmente frágil e dependente de apoio político em face de ameaças sistémicas. Portanto, vitórias políticas táticas, como perdão de dívidas, maior proteção ao consumidor e responsabilidade financeira são passos em direção a um prémio maior: a propriedade solidária e sem dívidas dos meios de produção.

Christy Thornton e Philip Mader são membros do Coletivo da Dívida Justa da Internacional Progressista.

Christy Thornton é professora assistente de sociologia e estudos latino-americanos na Universidade Johns Hopkins, onde ajuda a liderar a iniciativa América Latina Num Mundo Globalizado.

Philip Mader é um economista político e sociólogo económico que investiga e leciona no Institute of Development Studies, no Reino Unido.

Da equipa Blueprint da Internacional Progressista Progressive International:

Vivemos num mundo de dívidas. A profundidade e a amplitude do “endividamento” global são difíceis de sobrestimar. A alegação principal desta coleção é que todas estas dinâmicas díspares - hedge funds a acumular lucros pandémicos, estudantes a lutar para pagar uma educação, micro-mutuários à beira da falência - são diferentes manifestações do mesmo mecanismo estrutural básico no cerne do sistema financeiro global: o ciclo interminável de ganhos privatizados e perdas socializadas. Simplificando, os ricos ficam mais ricos, enquanto os pobres, por definição, permanecem pobres.

O objetivo deste Coletivo é o objetivo dos movimentos progressivos à volta do mundo: encerrar esse ciclo.

Leia o modelo completo de dívida justa aqui.

Se estiver interessado em envolver-se conosco, escreva para Varsha Gandikota-Nellutla em [email protected]

Ajuda-nos a construir O Projeto

O Projeto é um laboratório de ideias para as forças progressivas do planeta.

Desde o nosso lançamento em Maio de 2020, trouxemos mais de 40 ensaios de activistas, profissionais, pensadores, líderes comunitários e chefes de estado - imaginando como poderíamos reconstruir o mundo depois da Covid-19, e traçando um caminho para a justiça da dívida internacional.

As forças progressivas estão a erguer-se. Mas para termos sucesso, temos de levar a sério a tarefa de gerar ideias, políticas e paradigmas que irão definir o nosso futuro.

Ajuda-nos a construir este paradigma. Doa ao Projeto.

Support
Available in
EnglishFrenchPortuguese (Portugal)Italian (Standard)Portuguese (Brazil)
Authors
Philip Mader and Christy Thornton
Translators
Carlos Rui Ribeiro and Luis Castro
Published
13.04.2021

More in Blueprint

Blueprint

Pay Reparations and Redistribute Prosperity

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell