Statements

Onda de prisões na perseguição contínua dos líderes nacionais do Congreso de los Pueblos

Essas detenções arbitrárias são parte de uma perseguição sistemática dos movimentos sociais pelo governo colombiano.
Nós exigimos a libertação imediata de nossos companheiros, e convocamos mobilizações contínuas nas ruas e estradas da Colômbia até que esse governo opressor caia.
Nós exigimos a libertação imediata de nossos companheiros, e convocamos mobilizações contínuas nas ruas e estradas da Colômbia até que esse governo opressor caia.

Nós, o Congreso de los Pueblos - um movimento social colombiano que busca construir poder popular e uma vida digna - estamos sofrendo uma nova onda de prisões arbitrárias dos nossos líderes. Em menos de 12 horas, 3 companheiros e líderes sociais foram presos de forma injusta em diferentes regiões da Colômbia. Todos os três são defensores da terra, camponeses que dedicaram suas vidas às suas comunidades, lutando pelo el buen vivir através da construção do poder popular.

Na região Centro Oriente, as forças do estado capturaram nosso companheiro e líder camponês ADELSO JOSÉ GALLO TOZCANO. Ele é membro da Associação Camponesa Nacional José Antonio Galán Zorro (Asociación Nacional Campesina José Antonio Galán Zorro - ASONALCA) e do Comitê Nacional de Coordenação Agrária (Coordinador Nacional Agrario - CNA), participando de diferentes conquistas e lutas do movimento camponês em nível regional e nacional. Adelso é porta-voz e mediador nas mesas redondas de diálogo estabelecidas entre o movimento e o governo nacional no contexto da Cúpula Agrária, Camponesa, Étnica e Popular (Cumbre Agraria, Campesina, Étnica y Popular) que surgiu da Greve Nacional de 2014. Ele tem sido um líder notável na luta contra as corporações petrolíferas que estão operando em Arauca, denunciando a Repsol, a OXY e a BP em nível internacional no Tribunal Permanente dos Povos.

Ao sul de Bolívar, TEÓFILO ACUÑA, líder da Comissão para o Diálogo do Sul de Bolívar (Comisión de Interlocución del Sur de Bolívar - CISBCSC) e do Comitê de Coordenação Agrária Nacional (CNA) também foi preso. Teo, como nós o conhecemos, é um defensor resoluto dos direitos humanos, líder respeitado e representante de milhares de camponeses que dependem da agricultura em pequena escala. Ele tem defendido terras por todo o departamento de Bolívar do impacto das companhias transnacionais de mineração, como a AngloGold Ashanti, e criado formas alternativas de desenvolvimento da comunidade na região, que sofre constante perseguição e estigmatização.

Em Nariño, ROBERT DAZA, membro do Comitê de Integração das Terras Altas da Colômbia (Comité de Integración del Macizo Colombiano - CIMA) e do Comitê de Coordenação Agrária Nacional (CNA). Reconhecido por suas atividades sociais e pela organização da comunidade, seu trabalho foi caracterizado pela criação de projetos de transição agroecológicos, um exercício de economia solidária com as comunidades campesinas, como parte da proposta de territórios agrícolas, soberania alimentar e governo camponês. Ele é nacional e internacionalmente reconhecido pelo seu trabalho político e social.

Essas detenções arbitrárias são parte da perseguição sistemática dos movimentos sociais pelo governo colombiano. Além da longa lista de companheiros que foram assassinados por todo o país, há muitos outros que - pelo seu trabalho social, pensamento e ação criativos, e propostas de criação de uma vida digna - estão sendo levados a julgamento e presos pelo regime colombiano. O Estado colombiano usa processos legais para deslegitimar o Congreso de los Pueblos, fazendo uso político dos órgãos investigativo e judicial para privar líderes sociais de suas vidas e de sua liberdade, não para protegê-los.

O Congreso de los Pueblos convida todas as forças sociais de solidariedade a fazerem uma declaração pública. Toda vez que eles tentarem atacar movimentos sociais e populares, nós vamos enfrentá-los de cabeça erguida e vamos continuar a buscar uma Vida Digna para o nosso país. Nós exigimos a libertação imediata de nossos companheiros e convocamos mobilizações contínuas nas ruas e estradas da Colômbia até que esse governo opressor caia.

Foto: Coordinador Nacional Agrario | CNA-Colombia @CNA_Colombia / Twitter

Help us build the Movement

The Movement connects, supports, and organizes progressive forces around the world.

In just a few months since launch, the Movement has published over 20 statements from our members, drawing crucial attention to uprisings in Serbia and Belarus and denouncing moves to curtail democracy in Bolivia, Ecuador, and Guatemala.

With over 40 member organizations from more than 25 countries — including trade unions, parties, alliances, and associations, collectively representing millions of people — the Movement is fast becoming a truly planetary front. This work is only possible thanks to you.

Help us build this common front. Donate to the Movement.

Support
Available in
EnglishSpanishFrenchItalian (Standard)Portuguese (Brazil)
Translator
Lara Cezzarini
Date
16.12.2020

More in Statements

Statements

Diab: Debt Justice Is an Internationalist Project

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell