Tirem as mãos de Cuba

Campaign

A covid-19 ilustra a lógica da solidariedade internacional: somos somente tão saudáveis quanto nosso vizinho mais doente.

Mas os governos de todo o mundo estão respondendo à pandemia acumulando provisões, bloqueando ajuda essencial e culpando os estrangeiros por sua própria resposta falha.

Cuba, entretanto, tem liderado com solidariedade. As brigadas médicas e os/as médicos/as cubanos/as estão operando em mais de 20 países em todo o mundo - na Europa, na África e em toda a América Latina. Pela primeira vez, médicos cubanos foram enviados para o Norte da Itália e, em Andorra, um jornal cobriu a chegada da brigada médica cubana que ajudou a salvar seu sistema de saúde do colapso.

A tradição inspiradora da medicina internacionalista cubana é de longa data. Centenas de milhares de profissionais de saúde cubanos têm prestado apoio médico no exterior há mais de 50 anos. Para além de reforçarem os sistemas de saúde em muitos países, também responderam a catástrofes como o terremoto de 2010 no Haiti e combateram surtos de doenças como o do vírus Ebola na África Ocidental.

Os Estados Unidos, porém, continuam a punir o povo cubano com o seu bloqueio ilegal e desumano. Mesmo no meio desta pandemia sem precedentes, os EUA ameaçaram governos estrangeiros por aceitarem o apoio médico cubano, tendo mesmo utilizado o seu bloqueio para impedir que mantimentos essenciais doados pela China - incluindo máscaras, testes e ventiladores - chegassem às costas cubanas. Só no ano passado, as estimativas dos danos do embargo ao sistema médico cubano ultrapassaram os 100 milhões de dólares.

Cuba não está só. As sanções económicas dos EUA continuam em vigor para países como o Irã ou a Venezuela. Embora os peritos em direitos humanos da ONU tenham apelado aos EUA para que "suspenda as sanções que prejudiquem a capacidade de Cuba e de outros países para responder eficazmente à pandemia e salvar vidas", estes apelos têm sido repetidamente ignorados.

Estamos fazendo campanha junto da "Cuba Solidarity Campaign" (Campanha de Solidariedade a Cuba) para pôr fim ao embargo e apoiar os esforços de Cuba para combater a pandemia em todo o mundo.

A Cuba Solidarity Campaign é uma organização com sede no Reino Unido que luta para suspender o bloqueio ilegal de Cuba, para acabar com a ocupação americana na Baía de Guantánamo e para defender a liberdade do povo cubano da intervenção estrangeira. Com mais de 5000 membros e mais de 400 sindicatos nacionais, regionais e setoriais no Reino Unido, a Cuba Solidarity Campaign exemplifica na prática os princípios internacionalistas.

A Internacional Progressista pretende apoiar todos os ativistas e organizações que lutam contra sanções desumanas em todo o mundo. Se quiser envolver-se com a Internacional Progressista - ou organizar ações relacionadas a esta campanha - por favor escreva para movement@progressive.international.

Help us build the Movement

The Movement connects, supports, and organizes progressive forces around the world.

In just a few months since launch, the Movement has published over 20 statements from our members, drawing crucial attention to uprisings in Serbia and Belarus and denouncing moves to curtail democracy in Bolivia, Ecuador, and Guatemala.

With over 40 member organizations from more than 25 countries — including trade unions, parties, alliances, and associations, collectively representing millions of people — the Movement is fast becoming a truly planetary front. This work is only possible thanks to you.

Help us build this common front. Donate to the Movement.

Support

Resources

Help Cuba fight COVID-19 and the US blockade

Sign

Join the call on the British government to tell the Trump administration to lift the blockade today.
Available in
EnglishGermanFrenchPortuguese (Brazil)RussianSpanish
Translators
Rodolfo Vaz and Dennis Pacheco
Date
20.05.2020
Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell