Migration

Nativismo Sanitário

As fronteiras não vão nos ajudar a combater este vírus.
Enquanto a COVID-19 se espalha pelos Estados Unidos, Donald Trump tem procurado converter suas políticas de imigração em uma resposta de saúde pública.
Enquanto a COVID-19 se espalha pelos Estados Unidos, Donald Trump tem procurado converter suas políticas de imigração em uma resposta de saúde pública.

"Precisamos do Muro agora mais do que nunca", escreveu o presidente no Twitter em resposta a um tweet do ativista conservador Charlie Kirk que dizia: "Com o vírus da China se espalhando pelo mundo, os EUA têm uma chance se pudermos [obter] o controle de nossas fronteiras". Trump tem se referido repetidamente ao coronavírus como o "vírus chinês" ou "vírus estrangeiro", ao mesmo tempo alimentando guerras comerciais com a China e procurando desviar a culpa da resposta atrapalhada de sua administração à pandemia mortal.

O apelo de Trump por um muro na fronteira colide com conselhos dos oficiais de saúde pública, que dizem que o vírus é agora provavelmente fora de controle. Em seus pronunciamentos, ele mostra o ilógico nativismo sanitário - uma tentativa de manter fora aquilo que já está dentro, colocar fronteiras em torno de um problema que não tem fronteiras, e dar margem a uma ilusão de segurança, projetando a origem do problema como sempre em outro lugar.

No mínimo preocupante, o nativismo sanitário é uma performance política destinada a capitalizar uma crise de saúde pública. É Donald Trump Jr. aconselhando as pessoas a comprar armas e apoiar os direitos da Segunda Emenda à Constituição no Twitter. No seu pior, que é o que estamos vendo atualmente nos Estados Unidos, o nativismo sanitário é o foco de toda uma estratégia governamental.

Calmamente, o governo colocou em prática as mensagens do presidente. Em 26 de fevereiro, o Secretário de Saúde e Serviços Humanos Alex Azar compareceu perante uma subcomissão da Câmara para testemunhar em nome de um orçamento que incluía fundos para a resposta do coronavírus. Quando a comissão lhe perguntou quanto do financiamento seria destinado aos esforços internacionais de combate ao vírus, Azar respondeu que "não vamos ajudar os chineses a frear isso na China - a China o fará ou não será capaz de fazê-lo.

A recusa dos Estados Unidos em ajudar outros países a combater a pandemia é um desastre em curso. Os atrasos nos testes, por exemplo, que dificultam o rastreamento do surto do coronavírus nos Estados Unidos, ocorreram porque os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) insistiram em fazer um teste de coronavírus a partir do zero, apesar de um teste diagnóstico viável já ter sido desenvolvido por pesquisadores alemães e aprovado pela Organização Mundial de Saúde. Esta falha em trabalhar em conjunto com pesquisadores de todo o mundo sem dúvida agravou o surto americano.

O nativismo na saúde não é novidade. A disseminação de doenças há muito tempo fornece solo fértil para políticas anti-imigração e aumento da segurança nas fronteiras. As primeiras colônias americanas, por exemplo, inspecionavam rotineiramente os navios atracados para garantir a boa saúde dos passageiros, e na Ilha de Ellis uma das principais tarefas dos agentes de fronteira era realizar inspeções médicas nos imigrantes.

A Lei de Imigração Americana de 1882, que excluiu a entrada de todas as "pessoas que sofriam de infecções ou doenças contagiosas perigosas", bode expiatório para imigrantes irlandeses, italianos e chineses durante décadas como infectantes para a nação (em uma época em que se acreditava que tomavam empregos de cidadãos nativos). A crise migratória da última década também serviu como combustível para as alegações de pestes e doenças que seriam trazidas para os países.

O coronavírus traz a sua própria quota de temor nativista em nome da segurança da saúde pública. Além da retórica de Trump sobre o "vírus chinês", o racismo anti asiático se espalhou pelo mundo, com histórias de pequenas empresas recusando o atendimento a clientes chineses e petições de cidadãos pedindo a quarentena de cidadãos chineses.

Mas apesar de seu racismo e xenofobia ostensivos, o nativismo sanitário pode muitas vezes ser difícil de separar de procedimentos de saúde pública sensíveis como quarentena e distanciamento social, que também são táticas de isolamento. Essas políticas - todos componentes vitais da resposta atual - são orientadas para indivíduos que foram, ou podem estar, expostos ao vírus. A quarentena, da palavra italiana quaranta - o número de dias que se acreditava ser necessário para que um vírus se incubasse - tem servido desde o século XIV para isolar comunidades umas das outras durante os surtos de peste, varíola e gripe.

A quarentena e o distanciamento social são abordagens informadas pela idéia científica de que as infecções são impossíveis de transmitir se não conseguirem encontrar um novo hospedeiro. As quarentenas em pequena escala são muito eficazes para o controle de doenças e vírus. Inicialmente, por exemplo, o Canadá recomendou que qualquer pessoa que chegasse de qualquer local internacional "se isolasse e permanecesse em casa" por quatorze dias e entrasse em contato com as autoridades de saúde pública dentro de vinte e quatro horas após a chegada; nos últimos dias, no entanto, o Canadá seguiu o exemplo dos Estados Unidos, proibindo a entrada de todos os estrangeiros, com exceção dos cidadãos norte-americanos. O distanciamento social é também uma medida eficaz para retardar a propagação de um vírus. Ao limitar grandes reuniões, fechar escolas e locais públicos, a probabilidade de transmissão do vírus é reduzida.

O nativismo sanitário, ao contrário, volta-se para as restrições fronteiriças para excluir pessoas e bens de grandes extensões do globo sem uma crença razoável. Em 28 de fevereiro, um grupo de legisladores da Casa Branca enviou uma carta aos funcionários da Casa Branca solicitando o aumento da segurança na fronteira após o coronavírus. "Dada a natureza porosa da nossa fronteira", disseram os legisladores, "é possível, até mesmo previsível, que qualquer surto na América Central ou no México poderia causar uma corrida até a nossa fronteira". Numa época em que deveriam estar olhando para dentro do estado do sistema de saúde dos EUA, muitos legisladores republicanos estão jogando uma política de fronteira que coloca em perigo milhões de vidas.

Ao contrário das quarentenas, as proibições de fronteiras tornam as pessoas consideravelmente menos seguras. As restrições de viagem devem diminuir o número de recém-chegados a uma comunidade, mas na prática eles fazem o contrário, encorajando uma correria de pessoas a voltar imediatamente para seus países de origem. Passaportes americanos e portadores de green-card que tentam voltar para casa depois que uma restrição é imposta são um risco à saúde pública, especialmente quando, ao retornar, não recebem orientação de quarentena obrigatória ou recomendada. Assim como os estrangeiros nos Estados Unidos que procuram retornar aos seus países de origem após uma proibição de viagem. Um aeroporto lotado de pessoas vindas de zonas com surtos de todo o mundo não é uma estratégia coerente para combater uma pandemia. É um pesadelo de saúde pública. De todo modo, quando Trump bloqueou a entrada da Europa nos Estados Unidos, em 11 de março, o vírus já estava se espalhando pelo país há semanas. Seus méritos como medida de saúde pública eram inexistentes, mas continuou sustentando a idéia de que o coronavírus é um problema estrangeiro.

As restrições de viagem também impedem a chegada de médicos e de ajuda onde eles são necessários. É difícil levar suprimentos de saúde para uma região que suspendeu as viagens aéreas. E as proibições de fronteiras nada fazem para impedir que um vírus se propague a países com sistemas de saúde menos resistentes, como os da África Subsaariana, onde ocorreu a maioria das mortes do surto de H1N1 de 2009.

As fronteiras não vão nos ajudar a combater esse vírus. Em vez disso, precisamos de cooperação e coordenação global em vários níveis - e precisamos dela rapidamente.

Para começar, precisamos assegurar que pesquisadores de todo o mundo coordenem seus programas para aprender o mais rápido possível sobre a doença, quais medicamentos podem ser úteis, e como gerar uma vacina que seja segura e eficaz. Um país não pode resolver isso de forma independente. Ao invés disso, o CDC precisa trabalhar com pesquisadores de todo o mundo. Isto é especialmente importante, pois os ensaios clínicos de uma vacina são realizados em muitos países.

Para ajudar o CDC a fazer seu trabalho, o governo precisa restaurar e aumentar sua infra-estrutura de defesa contra doenças infecciosas, que é terrivelmente inadequada desde 2018, quando a equipe global de segurança sanitária foi demitida em meio a uma reorganização do Conselho Nacional de Segurança e o CDC foi forçado a cortar 80% de seu orçamento para combater doenças globais.

Os fundos para doenças infecciosas devem ter escopo global, incluindo esforços de socorro para ajudar outros países - e para receber ajuda de outros. O bilionário chinês Jack Ma, fundador da Alibaba, acaba de doar mais de 500 mil kits de teste de coronavírus e um milhão de máscaras para os Estados Unidos (ele se comprometeu ainda mais com os países da África). "Agora é como se estivéssemos todos vivendo na mesma floresta em chamas", disse Ma. Ele está certo.

Os Estados Unidos devem engolir seu orgulho, deixar de lado seu antagonismo comercial e aceitar esses suprimentos - embora o ideal fosse que os suprimentos não viessem da filantropia de um bilionário, mas sim que fizessem parte da estratégia global de defesa contra doenças do governo chinês.

Também é essencial, nos anos após o fim da crise, aprender a lição de que uma resposta global de saúde requer uma preparação interna contínua em todos os momentos. Além do financiamento de pesquisas e equipes de preparação para desastres, os Estados Unidos precisam garantir que a saúde pública não seja apenas um direito dos que têm seguro privado de saúde. Quando as pessoas atrasam a obtenção de ajuda médica por qualquer razão - por serem indocumentadas, sem seguro ou turísticas em um país estrangeiro - o vírus tem mais oportunidades de se espalhar. Os indivíduos com acesso a cuidados de saúde acessíveis não só têm mais probabilidade de sobreviver ao vírus, como também têm menos probabilidade de transmiti-lo a outros. Este surto evidenciou a necessidade urgente de programas verdadeiramente universais, tanto a nível doméstico como global.

O nativismo na saúde deve ser visto pelo oximoro que ele é. A saúde dos outros reflete a saúde de todos. Não há "nós" contra "eles" em uma pandemia.

Stephanie De Gooyer é co-autora de "The Right to Have Rights" (Verso Books) e está completando Atos de Naturalização para a Johns Hopkins University Press. É professora visitante de Inglês na Universidade de Harvard.

Srinivas Murthy é Professora Associada de Doenças Infecciosas e Cuidados Intensivos na Universidade de British Columbia.

Available in
EnglishGermanFrenchPortuguese (Brazil)SpanishRussian
Authors
Stephanie DeGooyer and Srinivas Murthy
Translator
Nikolas Passos
Date
10.05.2020
Source
Original article🔗

More in Migration

Migration

Boza Sur

Migration

Health Nativism

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage Cookies
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell