Environment

A Pandemia Mostra que Precisamos de um Green New Deal

Esta pandemia é insuportavelmente dolorosa; seria imoral não aprender tudo o que pudermos com essa dor.
A pandemia do coronavírus é um tipo de exercício trágico e hediondo no que diz respeito ao tratamento dispensado a catástrofes.
A pandemia do coronavírus é um tipo de exercício trágico e hediondo no que diz respeito ao tratamento dispensado a catástrofes.

Um choque tão profundo certamente terá muitas lições a ensinar. Muitos têm defendido um Green New Deal (Novo Acordo Verde) Internacional de precisão quase cirúrgica, pois a pandemia é a melhor chance que teremos de entrar em ação antes que a crise climática nos esmague.

Lição nº1: Não se pode enganar a realidade física. O vírus é imune a novas startups, não tem interesse em negociações e não está aberto a acordos. A biologia estabelece limites e temos de respeitá-los - algo igualmente verdadeiro para a física e a química quando se trata de alterações climáticas. Observamos como "líderes", como o Presidente Trump, tentam falar mais alto que o micróbio - de fato, ele o chamou de farsa, a mesma palavra com que está habituado a descrever o aquecimento global. Mas, de qualquer forma, as pessoas morreram mais do que o esperado no caso de ele não se recusar a enfrentar a realidade. A maior realidade do nosso século é o rápido aquecimento da atmosfera - devemos enfrentá-la de frente, e não com evasivas e meias-medidas como fizemos até agora. Portanto, caia na real.

Lição nº2: O tempo é a variável crucial. Alguns países - pense na Coreia do Sul - reconheceram rapidamente o problema que tinham pela frente e decidiram resolvê-lo com testes generalizados. Foram capazes de "achatar a curva", uma frase que agora faz parte do vocabulário global. Sofreram perturbações, mas não na escala catastrófica das nações que esperaram demasiado tempo para começar. Os paralelos à política climática são óbvios: poderíamos ter achatado a curva do carbono se tivéssemos começado há trinta anos, quando os cientistas nos avisaram, e poderíamos tê-lo feito com passos relativamente modestos. Mas tendo desperdiçado essas décadas, em grande parte a mando das empresas petrolíferas, temos agora de avançar em grande e perturbadora escala. Esta é uma lição que, infelizmente, continuaremos a aprender. Se não nos movermos agora, a curva irá tornar-se cada vez mais íngreme, ao ponto de não poder ser escalada. Parem de falar de 2050 e comecem a falar de 2021! Portanto, avance.

Lição nº3: A solidariedade social é absolutamente fundamental. Vejam os EUA como um exemplo do que acontece quando se permite que o pensamento libertário se instale plenamente: apesar das riquezas agregadas do país, temos milhões de pessoas em situação de pobreza desesperadora, incapazes de acessar bens essenciais (sabão e água, por exemplo) necessários numa emergência médica. Isto, evidentemente, imita a lei de ferro das alterações climáticas: aqueles que menos fizeram para causá-las sofrem primeiro. O Green New Deal prevê a construção de uma sociedade equitativa, mesmo enquanto construímos as tecnologias necessárias para evitar as alterações climáticas; é a única abordagem possível para lidar com crises desta magnitude. Portanto, junte-se.

Lição nº 4: Podemos mudar rapidamente quando necessário. De repente, é possível encontrar trilhões de dólares, literalmente de um dia para o outro, grande parte deles utilizados para salvar as corporações. De repente, os militares do mundo podem ser mobilizados para trabalhos de socorro. As velhas desculpas e atrasos parecem absurdas à luz da pandemia, tal como deveriam parecer absurdas à luz de um planeta Terra que aquece rapidamente. De fato, maiores intervenções estatais parecem muito mais seguras e sólidas neste momento, e déficits orçamentários ou aumentos de impostos parecem um pequeno preço a pagar pela oportunidade de tornar a sociedade funcional. É com essa noção que se deveria passar a lidar com as alterações climáticas, que, a cada medida que deixemos de tomar, criará um buraco permanente e impossível de tapar em nossa vida económica. Portanto, aja com seriedade.

Bill McKibben é um ambientalista, autor e jornalista americano. Tem escrito exaustivamente sobre os impactos do aquecimento global.

Ajude-nos a construir a Agencia

A Agência é a única rede mundial de publicações progressistas e perspectivas de base.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, a Agência disseminou mais de 100 artigos de publicações progressistas importantes ao redor do mundo, traduzindo cada um para pelo menos seis idiomas - trazendo a luta dos indígenas da Amazônia, palestinos em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais para uma audiência global.

Com mais de 150 tradutores e uma crescente equipe editorial, nós confiamos em nossos colaboradores para continuar espalhando estas histórias da luta de base e para sermos a agência de notícias das forças progressistas do mundo.

Nos ajude a construir essa missão. Doe para a Agência.

Support
Available in
EnglishGermanPortuguese (Brazil)FrenchRussianSpanish
Author
Bill McKibben
Translators
Dennis Pacheco and Rodolfo Vaz
Date
22.05.2020

More in Environment

Environment

Kai Bosworth: Climate Populism & its Limits

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell