Statements

A Luta Deve Ser Internacionalista

Membro do Conselho da Internacional Progressista, Ertuğrul Kürkçü trata deste momento crucial da crise generalizada do capitalismo.
Agravada pelo surto de Covid-19, esta crise é uma forte manifestação da incompatibilidade do modo de produção dominante com o desenvolvimento humano.
Agravada pelo surto de Covid-19, esta crise é uma forte manifestação da incompatibilidade do modo de produção dominante com o desenvolvimento humano.

Até dissolvermos o próprio sistema capitalista, a humanidade vai enfrentar um dilema básico. Por um lado, estamos diante de ciclos acelerados de pandemias que impõem o "distanciamento social" como meio de sobrevivência. Crescendo a partir da "ruptura metabólica", todo novo patógeno é conseqüência da destruição de nossos sistemas naturais nas economias capitalistas contemporâneas. Por outro lado, estamos destinados a nos unirmos para reproduzirmos nossa espécie e nosso ser social. A reprodução exige proximidade.

A tendência emergente é a de adotar um regime de controle social reforçado. A classe capitalista e suas elites estão desdobrando planos para se separarem da massa de produtores com barreiras digitais. Buscam engrenar o modo capitalista de produção sob a vigilância permanente dos trabalhadores, separando os infectados das linhas de produção para manter as rodas girando. O crescimento do trabalho remoto, das compras à distância, do treinamento e da educação à distância está transformando as casas em fábricas insalubres a custo zero. No horizonte do capitalismo global, uma rede de novos regimes repressivos está em ascensão.

Mas os trabalhadores vão resistir. Aos olhos das classes trabalhadoras, tal exploração e supressão do Estado são tão intoleráveis agora como eram há meses. Os sofrimentos agravados das classes trabalhadoras durante a pandemia podem ter revelado o "valor" das pessoas aos olhos das classes dominantes. Mas a imaginação burguesa da "humanidade" entrou em colapso sob as tentativas de manter a "imunidade de rebanho" através da expansão da doença patrocinada pelo governo, em detrimento dos "vulneráveis". O fracasso dos regimes econômicos voltados para o lucro em responder às necessidades sociais durante uma época de crise de saúde pública minou gravemente a hegemonia ideológica da classe capitalista em todo o mundo.

O futuro orbita o resultado desse confronto - em países individuais e também em todo o planeta. Nenhuma "lei de ferro" da história garante uma vitória para o nosso lado. A humanidade ainda pode permanecer sob o feitiço do capitalismo e permitir que seus sistemas naturais morram em conseqüência disso. No entanto, os esforços nunca são em vão. Eles estão presentes independentemente do resultado. Agora é hora de imaginar, querer e agir pelo redirecionamento da história para a causa comum das pessoas trabalhadoras.

Isso implica solidariedade internacional e cooperação em formas multifacetadas entre as forças progressistas do mundo. A abordagem internacionalista de hoje não deve ser suficiente se envolver somente a solidarização entre lutas individuais, ela deve também desenvolver formas de lutas conjuntas para alcançar ganhos duradouros em nível local e global.

Acreditamos que - em nossa luta contra a tirania de Tayyip Erdoğan e sua ditadura em construção em torno das linhas turco-islâmicas - também estamos lutando contra o fascismo arrepiante da Europa e dos EUA. As forças de direita na Europa, apesar de sua retórica islamofóbica, estão se solidarizando com Erdoğan por minar os valores democráticos e internacionalistas em toda a Europa, Ásia e Américas. Erdoğan sempre se beneficiou das políticas de "apaziguamento" da aliança da OTAN no combate às críticas das forças democráticas da Europa e da América do Norte. Assim, um forte movimento democrático e social aqui compreenderia uma dimensão complementar para combater a ascensão da direita em toda parte.

Estamos firmemente convencidos de que a solidariedade internacional dos povos, trabalhadores e oprimidos do mundo é a única saída para a defesa contra regimes opressores a partir do interior e ataques imperialistas a partir do exterior. Não devemos esquecer por um momento a necessidade de ouvir, escutar e agir em conjunto para construir um mundo igual, livre e justo.

Já estamos equipados com as decisões do Quarto Congresso do Partido Democrático do Povo, de dar passos decisivos rumo ao estabelecimento de fortes laços internacionalistas, desenvolvimento de redes de solidariedade internacional e fazermos parte da luta internacional. Desenvolver uma organização que amplifique as lutas comuns com os movimentos de resistência social por política democrática em todo o mundo está de acordo com estas decisões.

Lançamos as lições da luta social em nível universal: como bases de novas políticas e plataformas que podem ser discutidas para o futuro. Com esta abordagem, trabalharemos para unir os movimentos de resistência e as lutas em todo o mundo e criar plataformas onde esses movimentos e lutas sejam partilhados uns com os outros.

E endossamos plenamente - como colocamos em prática através de nosso próprio trabalho - aqueles princípios que compõem a visão da Internacional Progressista de um mundo "Democrático, Descolonizado, Justo, Eqüitativo, Liberto, Solidário, Sustentável, Ecológico, Pacífico".

Available in
EnglishFrenchRussianPortuguese (Brazil)GermanSpanish
Author
Ertuğrul Kürkçü
Translator
Dennis Pacheco
Date
23.05.2020

More in Statements

Statements

The MKSS: The Struggle Against Oppression in India

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage Cookies
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell