Politics

Milhares protestam contra a anexação. Mas será suficiente?

O Primeiro-Ministro israelita Benjamin Netanyahu e o seu governo enfrentam resistência aos planos de anexação de grandes extensões da Cisjordânia ocupada, já no próximo mês.
Protestantes israelitas e palestinianos vão para a rua manifestar a sua oposição aos planos durante o fim-de-semana.
Protestantes israelitas e palestinianos vão para a rua manifestar a sua oposição aos planos durante o fim-de-semana.

Milhares de manifestantes reuniram-se em Telavive a 6 de Junho para uma manifestação organizada por activistas de esquerda e por Organizações Não Governamentais (ONG) em Israel, sob o lema "Não à anexação, não à ocupação, sim à paz e à democracia".

Algun/ma(s) manifestantes levaram bandeiras palestinas, enquanto outro/a(s) seguraram cartazes onde se lia "Palestinian Lives Matter" e "Stop Apartheid". Os/as participantes usaram máscaras e mantiveram distância entre si num esforço para evitar a propagação do coronavírus.

Perto do final do protesto, os meios de comunicação israelitas noticiaram um confronto entre a polícia e um pequeno grupo de manifestantes, prendendo violentamente pelo menos cinco pessoas e agredindo um fotógrafo do Haaretz.

O senador norte-americano Bernie Sanders dirigiu-se aos/às manifestantes em vídeo, afirmando que "nunca foi tão importante defender a justiça e lutar pelo futuro que todos nós merecemos".

"Cabe a todos nós fazer frente a líderes autoritários e construir um futuro pacífico para cada palestiniano/a e cada israelita", disse Sanders.

O chefe da Lista Conjunta, Ayman Odeh, disse à multidão: "Estamos numa encruzilhada. Um caminho leva a uma sociedade conjunta com uma verdadeira democracia, igualdade civil e nacional para a/o(s) cidadã/o(s) árabes ... O outro leva ao ódio, à violência, à anexação e ao apartheid", relatou Haaretz.

O protesto foi amplamente coberto pelos meios de comunicação israelitas e palestinianos, que registaram o acontecimento como uma das primeiras manifestações fortes da esquerda israelita em algum tempo, após anos de marginalização por parte da crescente direita em Israel.

Muitos, porém, salientaram o facto de as sondagens mostrarem que cerca de metade do/a(s) israelitas apoiam efectivamente a anexação, e que um protesto deste tipo no passado teria atraído dezenas de milhares de manifestantes

Num artigo de opinião para o Haaretz, o jornalista israelita Chemi Shalev comentou a justaposição dos protestos com o movimento Black Lives Matter nos EUA, escrevendo:

"Há uma lacuna gritante inegável: A maioria da opinião pública americana reconhece agora a legitimidade do sofrimento do/a(s) negro/a(s), enquanto a maioria do/a(s) israelitas - incluindo a maioria do centro-esquerda judeu - continua a considerar o/a(s) palestiniano/a(s), pelo menos o/a(s) que estão para além da antiga Linha Verde, como um inimigo mortal que se inclina para a destruição do seu país".

"O/a(s) israelitas liberais podem opor-se, por princípio, à ocupação, mas a sua simpatia pela situação do/a(s) palestiniano/a(s) na Cisjordânia e em Gaza é, no mínimo, limitada", prosseguiu Shalev.

"A maioria do/a(s) israelitas, incluindo o/a(s) de centro-esquerda, vê a anexação como uma pena de morte para a solução dos dois Estados, que consideram ser o único caminho que impediria Israel de se transformar num Estado de apartheid ou binacional. Podem opor-se ao primeiro por razões morais, mas abominam o segundo porque, em última análise, isso implicaria o cumprimento da exigência global dos seus homólogos americanos: Igualdade de direitos, incluindo o direito de voto, que é visto como um golpe de misericórdia para o "Estado judaico" com o qual continuam a identificar-se", escreveu ele.

O protesto em Telavive surgiu poucos dias depois de a administração Trump ter alegadamente pedido a Netanyahu que "abrandasse grandemente o processo" de anexação devido à crise do coronavírus e aos protestos da "Black Lives Matter", que esmagaram o seu governo nos EUA.

O Canal 13 de Israel citou altos funcionário/a(s) israelitas que, durante uma conferência telefónica entre altos funcionário/a(s) norte-americano/a(s) e israelitas, o genro de Trump e consultor principal Jared Kushner incitou Netanyahu a "minimizar o entusiasmo" pela anexação.

Nas últimas semanas, Netanyahu duplicou as promessas de anexação, tendo fixado o dia 1 de Julho como data limite para o início do processo, o que tem sido amplamente condenado pela comunidade internacional como uma grave violação do direito internacional.

De acordo com relatos dos meios de comunicação israelitas, o primeiro passo no processo de anexação seria a anexação unilateral de 132 colonatos ilegais na Cisjordânia, onde vivem cerca de 450.000 colono/a(s) israelitas.

O resto do território prometido a Israel pelo plano de paz Trump, que constitui quase 30 por cento de toda a Cisjordânia, seria anexado posteriormente, após acordo de divisão territorial por um "comité de cartografia" conjunto EUA-Israel.

O/a(s) dirigentes palestino/a(s) opuseram-se implacável e veementemente aos planos, tendo o Presidente palestiniano Mahmoud Abbas anunciado o fim de todos os acordos com Israel e os EUA no mês passado sobre os planos de anexação de Israel.

O negociador principal da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, apelou à comunidade internacional para impor sanções a Israel pelos seus esforços de anexação, afirmando que "os países, alianças e blocos devem rever sistematicamente todos os acordos assinados com Israel, para garantir que não contribuem para a ocupação e domínio das terras e vidas palestinianas".

As tensões entre Israel e a Autoridade Palestina (AP) deverão aumentar à medida que o dia 1 de Julho se aproxima, com muitos a anteciparem protestos e confrontos generalizados em todo o território ocupado.

Available in
EnglishSpanishPortuguese (Portugal)Portuguese (Brazil)GermanFrenchRussian
Author
Yumna Patel
Translators
Sofia Alcaim and Inês Pereira
Date
15.06.2020
Source
Original article🔗

More in Politics

Politics

Johanna Bozuwa: Public Services for the Planet

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage Cookies
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell