Statements

As Greves na Amazon e a Linguagem do Poder

Os trabalhadores da Amazon na Alemanha estão a resistir, defendendo os seus direitos. A exigência é tão simples como justa: a saúde antes do lucro.
Os trabalhadores dos armazéns da Amazon na Alemanha estão em greve e recorrem à única língua que a Amazon compreende — a língua do poder.
Os trabalhadores dos armazéns da Amazon na Alemanha estão em greve e recorrem à única língua que a Amazon compreende — a língua do poder.

Na Alemanha, um país com uma longa e produtiva tradição que favorece o diálogo social e a negociação colectiva, esta greve poderia ter sido evitada, mas a pandemia da COVID-19 sublinhou que a Amazon só leva a sério as exigências dos trabalhadores quando forçada por reguladores, tribunais ou trabalhadores unidos em acção.

Desde o início da pandemia, as condições em muitos armazéns da Amazon não cumpriram as normas básicas de saúde e segurança prescritas pela OMS, autoridades nacionais, ou defensores dos trabalhadores. À medida que a empresa se esforçava por satisfazer uma procura crescente de entregas, aumentava a velocidade e ritmo de trabalho, tornando a lavagem das mãos e o distanciamento social praticamente impossíveis.

Como resposta à protecção insuficiente dos trabalhadores da Amazon durante o surto nos Estados Unidos, trabalhadores não sindicalizados da Amazon em mais de 40 instalações da Amazon na Califórnia, Texas, Wisconsin, Florida e Nova Iorque recorreram a greves e outros tipos de actividades acessíveis a trabalhadores protegidas para protestar contra as condições de trabalho dentro da Amazon durante a pandemia da COVID-19. A empresa retaliou despedindo pelo menos três trabalhadores de armazém por "violação de políticas internas da empresa". Os despedimentos provocaram um maior escrutínio regulamentar e político, com líderes eleitos como a Procuradora Geral do Estado de Nova Iorque, Letitia James, a abrir uma investigação ao gigante da tecnologia.

Protecções laborais mais fortes permitiram aos trabalhadores em Itália, França, e Espanha utilizar a representação sindical para avançar e proteger os seus direitos laborais. Em Itália, os trabalhadores, preocupados com a aglomeração, disponibilidade de equipamento de protecção individual (EPI), e medidas de segurança reforçadas, entraram em greve em pelo menos cinco instalações individuais da Amazon e forçaram a empresa a cumprir um protocolo rigoroso de saúde e segurança.

Em França, os sindicatos, incluindo a UNI afiliada, Federation des Services, CFDT, apelaram à greve e participaram num processo civil contra a Amazon por não ter tomado medidas adequadas para proteger os trabalhadores do risco do coronavírus e por ter tentado contornar os sindicatos. O tribunal acabou por ficar do lado dos trabalhadores e sindicatos que negociaram um acordo que incluía uma consulta obrigatória sobre medidas de segurança, contratação de peritos externos por representantes sindicais para avaliar a eficácia das medidas, e um aumento da taxa horária para os trabalhadores assalariados que regressam ao trabalho.

Em Espanha, a Amazon foi ordenada a corrigir deficiências no seu plano de saúde e segurança para prevenir a COVID-19, após o sindicato Comisiones Obreras (FSC-CCOO) ter convocado inspectores laborais devido à falha na adesão da empresa aos protocolos da COVID. Depois disto, foi necessário impor o distanciamento social entre trabalhadores, desinfectar instalações onde os trabalhadores tinham sido diagnosticados com a COVID-19, fornecer equipamento de protecção pessoal, e relaxar as quotas de produtividade.

Mas mesmo em países com sindicatos poderosos como o ver.di na Alemanha, os trabalhadores têm de recorrer ao tipo de tácticas colectivas que construíram o nosso movimento quando as empresas se recusam a negociar de boa fé.

Hoje em dia, todos os olhos estão postos na Alemanha, enquanto o/a(s) trabalhadore/a(s) alemã(e)s da Amazon resistem para ganhar trabalho bom e seguro, um acordo colectivo para acabar com as condições brutais e ganhar um trabalho seguro e um acordo colectivo.

A incrível riqueza e poder da Amazónia está a crescer durante a pandemia, mas as condições de trabalho têm vindo a ficar muito aquém. É por isso que temos visto agitação operária em armazéns em todo o mundo, e é por isso que os grevistas da ver.di estão a resistir, defendendo os seus direitos e a dizer à Amazon: Empregos bons e saudáveis, saúde antes do lucro.

Christy Hoffman é secretária-geral da UNI Global Union. A UNI Global Union representa mais de 20 milhões de trabalhadores de mais de 150 países diferentes nos sectores de serviços de crescimento mais rápido do mundo. A UNI e as afiliadas em todas as regiões são movidas pela responsabilidade de assegurar que estes empregos sejam decentes e que os direitos dos trabalhadores sejam protegidos, incluindo o direito de aderir a um sindicato e à negociação colectiva.

Available in
EnglishGermanFrenchSpanishPortuguese (Brazil)RussianPortuguese (Portugal)
Author
Christy Hoffman
Translator
Henrique Augusto Alexandre
Date
30.06.2020

More in Statements

Statements

The MKSS: The Struggle Against Oppression in India

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage Cookies
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell