Labor

Trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) são a linha da frente da exploração na Turquia

Trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) estão a sofrer um aumento da carga de trabalho e a ter piores condições de trabalho ao mesmo tempo que vêem os seus salários reduzidos.
De acordo com o relatório Covid-19 da IMECE Domestic Workers Union, uma parte significativa dos/das trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) foi despedida durante a pandemia. Aquele/a(s) que mantiveram os seus empregos foram obrigado/a(s) a fazer horas extraordinárias e foram mal remunerado/a(s). Para além das tarefas domésticas, os/as trabalhadore/a(s) foram encarregado/a(s) de cozinhar, fazer compras e cuidar de crianças. A sua carga de trabalho aumentou enquanto os salários diminuíram.
De acordo com o relatório Covid-19 da IMECE Domestic Workers Union, uma parte significativa dos/das trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) foi despedida durante a pandemia. Aquele/a(s) que mantiveram os seus empregos foram obrigado/a(s) a fazer horas extraordinárias e foram mal remunerado/a(s). Para além das tarefas domésticas, os/as trabalhadore/a(s) foram encarregado/a(s) de cozinhar, fazer compras e cuidar de crianças. A sua carga de trabalho aumentou enquanto os salários diminuíram.

O líder regional Antalya da IMECE, Minire İnal, disse o seguinte sobre a forma como trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) sofreram a pandemia:

"Aquele/a(s) que trabalhavam com um salário mensal tinham de trabalhar 24 horas por dia, 7 dias por semana. Aquele/a(s) que perderam os seus empregos quase morreram de fome".

Os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) estão entre os/as mais severamente afectado/a(s) pelas consequências económicas da Covid-19. Foram despedido/a(s) sem indemnização e também não puderam beneficiar de subsídios de trabalho a tempo reduzido, uma vez que a maioria está empregada informalmente. Minire İral explica que "muito/a(s) não conseguem cobrir os custos dos transportes públicos e contraem empréstimos para comprar necessidades básicas, tais como gás engarrafado para cozinhar".

Com base em entrevistas com cerca de 70 trabalhadore/a(s) domésticos, as conclusões do relatório foram partilhadas com o público numa conferência de imprensa. Falando na conferência, Minire İnal disse que os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) não podem beneficiar das medidas anunciadas para a assistência social:

"As medidas de assistência social exigiam uma candidatura online, mas alguns/algumas entre nós são analfabeto/a(s). Há quem não tenha telefone e ou ligação à Internet. Quando comuniquei este problema ao governo municipal, foi-me dito "é assim que o sistema funciona". Por conseguinte, começámos a dirigir-nos aos/às trabalhadore/a(s) doméstico/a(s), um/a a um/a, e pedimos os seus números de identificação para que pudéssemos candidatar-nos em seu nome".

IMECE Domestic Workers Union é membro da confederação internacional de trabalhadore/a(s) doméstico/a(s), IDWF (International Domestic Workers Federation). Minire İnal explica que a IDWF criou um fundo para ajudar os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) despedido/a(s) durante a pandemia e também enviou fundos para a Turquia. Quando İnal telefonou a um/a trabalhador/a, que ela sabia que precisava de assistência financeira urgente, o/a trabalhador/a respondeu: "Eu não tenho dinheiro para apanhar o autocarro". İnal acrescenta que, qualquer que seja a quantidade, cada acto de solidariedade e apoio dá poder aos/às trabalhadore/a(s) doméstico/a(s).

"Os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) migrantes foram expulso/a(s) das casas onde trabalhavam".

Segundo İnal, os/as que mais sofreram foram os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) migrantes. Ela relata que "uma vez que os/as trabalhadore/a(s) migrantes são internos, não puderam tirar dias de folga e a sua carga de trabalho aumentou. Alguns/algumas foram espancado/a(s) ou expulso/a(s) das casas onde trabalhavam depois de pedirem uma licença temporária".

"O que é necessário não é ajuda alimentar, mas sim assistência em dinheiro".

Um voluntário do IMECE, Sinem Atakul, falou na conferência de imprensa e declarou que os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) só receberam ajuda em géneros durante a pandemia, mas esta não faz muito sentido para indivíduos que não podem pagar a sua renda ou reabastecer o seu gás engarrafado. Atakul sublinha a importância da assistência em dinheiro para aquele/a(s) que não podem beneficiar de subsídios de trabalho a tempo reduzido:

"Em países como a Turquia, existe uma secção de trabalhadore/a(s) que não beneficia de pacotes de apoio ou de empréstimos ao consumo. O mesmo se aplica aos países em que trabalhadore/a(s) doméstico/a(s)s não são considerados trabalhadore/a(s). A maioria dos governos locais limita-se a oferecer ajuda em géneros. Mas durante o processo Covid-19, é necessário mais do que apenas bulgur, pasta de tomate ou massa. A ajuda em dinheiro é vital porque estas pessoas não podem pagar as suas rendas. Há pessoas que não conseguem pagar as suas rendas e que se mudam para casa dos seus pais e sofrem de problemas psicológicos. Não se pode simplesmente apoiar estas pessoas com bulgur ou massa".

"Os trabalhadores domésticos não foram autorizados a fazer pausas".

De acordo com o relatório divulgado, as carga de trabalho dos/das trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) chegavam a atingir 10 horas diárias e alguns/algumas não podiam exercer o seu direito a fazer pausas. Aquele/a(s) que podiam, explicaram que as pausas eram limitadas a 15 minutos. Dado que todos os membros do agregado familiar estavam em quarentena em casa, a carga de trabalho dos/das trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) aumentou duas ou três vezes. Esperava-se que os/as trabalhadore/a(s) cozinhassem ou tomassem conta dos idosos, além da limpeza. O/a trabalhador/a doméstico/a H. G. explica esta situação da seguinte forma: "O patrão ficou em casa e a minha carga de trabalho aumentou e foram acrescentadas tarefas extra, mas apesar de tudo isto, cortaram-me o salário. Faço o que me mandam, temendo que, caso saia, não consiga encontrar outro emprego". Na casa onde trabalho, faço todo o tipo de trabalho de que se possa pensar. Faço todas as tarefas da casa, faço as compras no mercado e levo as crianças às suas actividades sociais como piano ou voleibol".

O relatório sublinha o facto de que a maioria dos trabalhadores domésticos não tem seguro. O/a trabalhador/a doméstico/a K. A. explica isto da seguinte forma: "Sou trabalhador/a doméstico/a há mais de 15 anos. Sei muito pouco sobre os meus direitos. Como o trabalho em hotel é sazonal, existem apenas dias limitados do ano pelos quais o empregador paga segurança social em meu nome e eu beneficio do seguro de saúde do meu marido. Se houvesse Segurança Social no trabalho doméstico, eu já me teria reformado". Outra trabalhadora doméstica H. Ö acrescenta: "Até agora, tenho sido uma mulher em trabalho doméstico. Também cuidei dos meus dois filhos e dos meus dois netos. Tinha assumido que a segurança social era paga em meu nome. Uma semana antes de ser despedida, pedi para saber se estava segurada e disseram-me "tem seguro" mas pouco depois disso, fui despedida".

"Não somos escravos das casas que limpamos".

Outro/a trabalhador/a doméstico/a K. K diz que "os direitos legais dos/das trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) quase não existem porque o Estado não os considera como trabalhadores". K. K. quer ser tratado/a como outros/a(s) trabalhadore/a(s) e receber o valor do seu trabalho: "Não somos escravos das casas que limpamos". Quem me dera que os empregadores também soubessem disso".

O relatório enumera as seguintes medidas como necessárias para evitar o emprego informal e inseguro dos/das trabalhadore/a(s) doméstico/a(s):

  • Os benefícios do desemprego devem ser alargados de modo a incluir os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s). A fim de conter a propagação do novo coronavírus, os governos deveriam apoiar trabalhadore/a(s) doméstico/a(s), introduzindo subsídios de desemprego
  • O âmbito da protecção social deve ser alargado para abranger trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) empregado/a(s) informalmente.
  • Os/as trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) devem ser adequadamente informados sobre os equipamentos de protecção e a pandemia.
  • Os pacotes de apoio que excluem trabalhadore/a(s) doméstico/a(s) e imigrantes e se concentram apenas nos/nas trabalhadore/a(s) formalmente empregado/a(s) devem ser alargados para abranger todo/a(s) os/as trabalhadore/a(s).

Foto: IDWF / Flickr

Ajuda-nos a construir A Agência

A Agência é a única rede planetária de publicações progressivas e com perspectivas fundamentais.

Desde o nosso lançamento em Maio de 2020, a Agência difundiu mais de 100 artigos de publicações progressivas líderes em todo o mundo, traduzindo cada um deles em pelo menos seis línguas - levando as lutas dos povos indígenas da Amazónia, palestiniano/a(s) em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais a uma audiência global.

Com mais de 150 tradutore/a(s) e uma equipa editorial em crescimento, contamos com os/as nosso/a(s) colaboradore/a(s) para continuar a divulgar histórias das lutas dos povos e para ser um serviço de divulgação para as forças progressivas do mundo.

Ajuda-nos a construir esta missão. Doa à Agência.

Support
Available in
EnglishTurkishSpanishPortuguese (Portugal)GermanFrenchPortuguese (Brazil)
Author
Aynur Tekin
Translators
Sofia Alcaim and Henrique Augusto Alexandre
Date
25.08.2020

More in Labor

Labor

Geoff Tily: The Grip of Brotherhood the World O'er

Labor

Delivery drivers’ struggles are an inspiration to fight against precariousness everywhere

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell