Social Justice

Os “Homens de Negro” da Amazon

Há pouco tempo procuravam novo/a(s) recrutas com experiência em serviços de inteligência, onde a descrição da posição anunciava, entre outros objectivos, a monitorização de riscos associados à sindicalização.
Seria lógico assumir que exista uma solução simples que não requer a contratação de "homens de negro" . A chave para melhorar a imagem da empresa reside na melhoria das condições de trabalho. No entanto, a gestão da Amazon aplica uma lógica diferente que, como mostram os resultados financeiros da empresa, é de facto lucrativa.
Seria lógico assumir que exista uma solução simples que não requer a contratação de "homens de negro" . A chave para melhorar a imagem da empresa reside na melhoria das condições de trabalho. No entanto, a gestão da Amazon aplica uma lógica diferente que, como mostram os resultados financeiros da empresa, é de facto lucrativa.

A maior loja online do mundo está constantemente a reforçar a sua imagem como o pior empregador de sempre. Recentemente, um jornalista da Vice revelou dois anúncios de emprego publicados pela empresa. A Amazon procurava pessoas com experiência em serviços de inteligência para identificação de riscos decorrentes dos esforços de sindicalização dos/das empregado/a(s) e para verificação das acções de financiamento contra a empresa, tanto dentro como fora da empresa.

Depois de a Vice ter publicado a peça sobre o tema, a Amazon removeu os anúncios; no entanto estes ainda podem ser lidos num arquivo online. A empresa procurava um/a "Analista de Inteligência" e um/a "Analista de Inteligência Sénior", que deveriam juntar-se ao departamento de Segurança e Inteligência. As grandes empresas tendem a ter tais unidades, responsáveis por garantir a segurança da produção e logística, e que conduzem espionagem económica e aplicam contramedidas contra departamentos de inteligência externos. Os anúncios de emprego da Amazon não teriam sido de forma alguma peculiares, não fosse o seu ênfase no "rastreio dos riscos decorrentes dos sindicatos". Deixando de lado a ilegalidade da monitorização e neutralização de actividades organizadas pelo/a(s) trabalhadore/a(s), os anúncios — mais uma vez — demonstram o tipo de filosofia adoptada pela empresa em relação aos/às seus/suas empregado/a(s).

As condições de trabalho nos centros de distribuição da Amazon têm sido descritas em muitas ocasiões tanto na imprensa internacional como polaca. Os relatos testemunhados pelo/a(s) empregado/a(s), e o relatório da Inspecção Nacional do Trabalho polaca, indicam que os/as trabalhadore/a(s) da Amazon são forçados a realizar trabalhos excessivamente duros, enquanto a sua eficiência é meticulosamente monitorizada. Na Polónia, a empresa faz o outsource dos trabalhadores através de agências de emprego, o que significa que as pessoas que aí trabalham o fazem com contratos a curto prazo, geralmente renováveis mensalmente, e sofrem assim continuamente de precariedade no emprego.

Trabalhadores da Amazon pelo mundo inteiro queixam-se do mesmo tratamento. A sua situação tornou-se ainda mais grave com a pandemia do coronavírus, o que provocou um aumento acentuado das encomendas, ao mesmo tempo que as infra-estruturas da empresa se revelaram inadequadas para lidar com este súbito aumento. Foram detectados surtos do vírus nos centros de distribuição da Amazónia porque — de acordo com os/as próprio/a(s) trabalhadore/a(s) — a empresa utilizou precauções sanitárias inadequadas. Em Nova Iorque, Chris Smalls iniciou um protesto, exigindo que fossem introduzidas medidas de segurança apropriadas nos centros de distribuição. Como resposta, a Amazon despediu Smalls e orquestrou uma campanha de ódio online contra ele. O gigante do mercado do comércio electrónico também tem sido notório por bloquear os esforços de sindicalização entre os/as seus/suas trabalhadores.

Além disso, a Amazon tem sido rápida a reagir ao envolvimento dos meios de comunicação e activistas na protecção dos direitos dos/das trabalhadore/a(s) da empresa. Anna Rozwadowska, jornalista de um grande diário polaco "Gazeta Wyborcza", que publicou uma série de artigos sobre as actividades da Amazon na Polónia, recebeu uma carta da empresa acusando-a de ser autora de textos "tendenciosos" e "desprovidos de integridade". A representante da Amazon na Polónia ameaçou-a com uma acção judicial se ela não os corrigisse. A Fundação de Direitos Humanos de Helsínquia descreveu a carta como uma tentativa de intimidar a jornalista.

Os dois cargos no departamento de inteligência da Amazon que os anúncios de emprego estavam a tentar preencher anunciavam também como objectivo a monitorização de jornalistas, activistas e de actividades externas que procurassem manchar a imagem da empresa. Uma imagem, há que acrescentar, que tem sido consistentemente má. Parece lógico assumir que existisse uma solução simples que não requer a contratação de "homens de negro". A chave para melhorar a imagem da empresa reside na melhoria das condições de trabalho. No entanto, a gestão da Amazon aplica uma lógica diferente que, como mostram os resultados financeiros da empresa, é de facto lucrativa.

Isto porque a Amazon é a maior loja online do mundo. Em 2019, a empresa foi considerada como a marca mais valiosa a nível mundial, destronando o Google. Jeff Bezos, o fundador e proprietário da parte maioritária da empresa, recebeu o título de homem mais rico do mundo (de acordo com o ranking da Bloomberg)

Como tal, ultrapassou Bill Gates e tornou-se a primeira pessoa a acumular riqueza no valor de mais de 200 mil milhões de dólares. Recentemente, a comunicação social anunciou que MacKenzie Scott, a ex-mulher de Bezos, se tornou a mulher mais rica do mundo, vencendo Françoise Bettencourt Meyers, a herdeira do império de cosméticos L'Oréal (embora tenha mantido a primeira posição por apenas um dia). O principal activo da fortuna de Scott (que abdicou do nome do seu ex-marido) é um pacote de acções da Amazon que recebeu como parte do acordo de divórcio.

Após um aumento de postos de emprego na Amazon durante e por causa da pandemia de coronavírus, cerca de um milhão de pessoas a nível global trabalham agora para a empresa.

Paulina Siegień é jornalista e repórter, baseada em Trójmiasto, Podlasie e Kaliningrad. Escreve sobre a Rússia e outras questões que considera importantes, e colabora regularmente com a New Eastern Europe. É licenciada pelo Centro de Estudos da Europa de Leste na Universidade de Varsóvia e pelo Departamento de Filologia Russa na Universidade de Gdańsk.

Foto: RadioKirk, Wikimedia

Ajuda-nos a construir A Agência

A Agência é a única rede planetária de publicações progressivas e com perspectivas fundamentais.

Desde o nosso lançamento em Maio de 2020, a Agência difundiu mais de 100 artigos de publicações progressivas líderes em todo o mundo, traduzindo cada um deles em pelo menos seis línguas - levando as lutas dos povos indígenas da Amazónia, palestiniano/a(s) em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais a uma audiência global.

Com mais de 150 tradutore/a(s) e uma equipa editorial em crescimento, contamos com os/as nosso/a(s) colaboradore/a(s) para continuar a divulgar histórias das lutas dos povos e para ser um serviço de divulgação para as forças progressivas do mundo.

Ajuda-nos a construir esta missão. Doa à Agência.

Support
Available in
EnglishGermanFrenchSpanishPortuguese (Brazil)Portuguese (Portugal)Italian (Standard)
Author
Paulina Siegień
Translators
Sara Branco and Sofia Alcaim
Date
07.10.2020

More in Social Justice

Social Justice

Azmanova & Galbraith: Disaster Capitalism or the Green New Deal

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage Cookies
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell