Statements

Amazon Workers International: nós faremos a Amazon pagar!

Na próxima black friday, os trabalhadores dos armazéns da Amazon farão uma greve contra a exploração - e pedem que você se una a eles.
Os funcionários da Amazon sabem que ela só fará mudanças se houver uma grande pressão. A empresa quer voltar a fazer negócios como antes. Exigimos descansos extras, melhores salários e menos pressão.
Os funcionários da Amazon sabem que ela só fará mudanças se houver uma grande pressão. A empresa quer voltar a fazer negócios como antes. Exigimos descansos extras, melhores salários e menos pressão.

A Amazon Workers International [Trabalhadores Internacionais da Amazon] (AWI) é uma coalizão transnacional de funcionários dos armazéns da Amazon de diferentes organizações e países, entre eles Alemanha, Polônia, Espanha, França, Itália, Eslováquia e Estados Unidos. Começamos a nos organizar em 2015. A nossa última reunião plenária ocorreu em Lille, na França, em setembro de 2020.

Na qualidade de trabalhadores essenciais, temos trabalhado nos armazéns da Amazon durante toda a pandemia, independentemente dos índices de infecção dentro e fora dos armazéns. Em alguns lugares estes armazéns empregam até 7 mil pessoas no mesmo local.

A fortuna da empresa se incrementou à medida que enfrentamos um perigo crescente para nós, nossas famílias e comunidades e a sociedade em geral. As comunidades de certos países, como a Polônia e a Eslováquia, não obtêm nenhum benefício desses riscos, pois as mercadorias que processamos são enviadas e vendidas no estrangeiro. A empresa agradeceu em anúncios e nas paredes dos banheiros pela nossa grande contribuição para manter a sociedade funcionando. Graças a nós e a todos os demais trabalhadores essenciais o mundo não entrou em colapso devido ao coronavírus!

Em troca deste esforço, a Amazon nos ofereceu um pagamento de risco temporário durante o verão, mas depois o suprimiu. Em lugares como a Polônia a empresa foi contrária a aumentos salariais este ano. De fato, enquanto a riqueza pessoal de Jeff Bezos disparava, o salário por hora da grande maioria de funcionários da Amazon na Polônia foi congelado em 20 PLN brutos por hora (US$ 5,30). Exigimos que a empresa aumente permanentemente os nossos salários, reconhecendo o papel crítico dos trabalhadores do depósito e como uma fração ínfima da enorme fortuna que geramos para a Amazon durante a pandemia.

E dizemos: é hora para fazer a Amazon pagar / Make Amazon Pay.

Os trabalhadores da Amazon sabem que a empresa só fará mudanças se houver uma grande pressão.

Os funcionários dos armazéns vêm se organizando, apesar dos meses difíceis de pandemia, da influência prejudicial do vírus e da retaliação por parte da gerência da Amazon. Nos últimos meses fizemos várias ações coletivas, interrupções no trabalho e greves.

Na França, em abril e maio cerca de 400 trabalhadores suspenderam o trabalho, tanto individual quanto coletivamente, em protesto contra medidas inadequadas de saúde e segurança. Com apoio dos sindicatos eles conseguiram forçar a Amazon a fechar seus Centros de Distribuição por três meses, mantendo o pagamento integral de todos os funcionários. Neste outono, eles conseguiram fazer a Amazon França pagar o salário integral de todos os trabalhadores que haviam feito greve em abril e maio.

Nos EUA, na primavera o trabalho foi suspenso várias vezes nos armazéns de Nova Iorque, Minnesota e Chicago, também devido às condições inseguras de trabalho. Os funcionários estadunidenses conseguiram fazer a Amazon instalar bebedouros, ventiladores e ar condicionado, além de medidas de segurança contra a Covid-19, como a redução dos volumes e a verificação da temperatura corporal. Eles também obtiveram o pagamento por licença médica, que a Amazon vinha lhes negando ilegalmente, e folga remunerada para dezenas de milhares de funcionários de tempo parcial por todo o país, além de obrigarem a Amazon a pagar aos trabalhadores que haviam sido forçados a tirar folga voluntária.

Na Alemanha, cerca de 3.000 funcionários de armazéns em diferentes cidades entraram em greve para exigir um aumento salarial permanente igual ao bônus de risco pago por hora.

Desde o início de novembro de 2020 houve interrupções do trabalho também na Polônia. Os funcionários dos armazéns poloneses exigem o pagamento de "2.000 PLN (cerca de US$ 450) para todos".

A AWI avança! A Amazon quer voltar a fazer negócios como antes. Exigimos pausas extras, melhores salários e menos pressão (abaixo as taxas de produtividade). As crises deixaram claro: nós mantemos o mundo funcionando e, portanto, merecemos muito mais!

Trabalhadores da Amazon: engajem-se nos seus armazéns, conversem com os colegas de trabalho, organizem-se e mantenham-se conectados com o movimento global!

A Amazon Workers International saúda as organizações e indivíduos que se juntarão a nós na próxima black friday para exigir melhores condições de trabalho para os funcionários dos armazéns da empresa em todo o mundo.

Ajude-nos a construir a Agencia

A Agência é a única rede mundial de publicações progressistas e perspectivas de base.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, a Agência disseminou mais de 100 artigos de publicações progressistas importantes ao redor do mundo, traduzindo cada um para pelo menos seis idiomas - trazendo a luta dos indígenas da Amazônia, palestinos em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais para uma audiência global.

Com mais de 150 tradutores e uma crescente equipe editorial, nós confiamos em nossos colaboradores para continuar espalhando estas histórias da luta de base e para sermos a agência de notícias das forças progressistas do mundo.

Nos ajude a construir essa missão. Doe para a Agência.

Support
Available in
EnglishPortuguese (Brazil)GermanFrenchSpanishPolish
Translators
Cristina Cavalcanti and Rodolfo Vaz
Date
27.11.2020

More in Statements

Statements

Diab: Debt Justice Is an Internationalist Project

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell