Labor

Como resolvemos um problema como o da Amazon?

Temos de encontrar novas estratégias para afrouxar o poder da Amazon sobre os/as trabalhadores/as, os povos e o planeta #MakeAmazonPay.
O poder da Amazon sobre os/as trabalhadores/as não é meramente social e económico. O que deixa trabalhadores/as já cansados/as a "sentirem-se como robôs" é o poder técnico dos processos produtivos da empresa.
O poder da Amazon sobre os/as trabalhadores/as não é meramente social e económico. O que deixa trabalhadores/as já cansados/as a "sentirem-se como robôs" é o poder técnico dos processos produtivos da empresa.

Numa manhã fria de Abril de 2013, mais de mil trabalhadores fora da pequena cidade de Bad Hersfeld, no centro da Alemanha, tomaram uma acção de importância global. Armados de apitos e coletes de alta visibilidade, os membros do sindicato geral Ver.di criaram uma linha de piquete no exterior de um centro logístico da Amazon, chamado “Fulfillment centre”—nomenclatura da empresa para os seus centros de processamento e distribuição em massa— marcando a primeira greve na história da Amazon.

Hoje em dia, aquele mais complexo e confuso dos feriados do capitalismo tardio—"Black Friday"—chama mais uma vez a atenção para a Amazon e para as suas práticas laborais. Enquanto trabalhadores/as americanos/as no Alabama fazem uma tentativa ousada de sindicalização, a Progressiva Internacional lançou uma campanha global intitulada #MakeAmazonPay. No entanto, durante duas décadas, numerosos sindicatos e campanhas por todo o mundo têm-se questionando sobre como refrear o poder sempre em expansão do que se tornou uma das empresas mais valiosas do mundo.

Em Bad Hersfeld e (eventualmente) internacionalmente, a Amazon habituou-se muito mais às greves, no entanto, o poder da empresa não mostra sinais de afrouxar. De facto, na Alemanha, apesar dos mais de 300 dias perdidos em greve, a Amazon tem sido consistentemente capaz de resistir às exigências dos trabalhadores por um acordo colectivo. No Reino Unido, as tentativas iniciais dos Sindicatos da Gráfica, do Papel e dos Meios de Comunicação Social (ultimamente fundidos em Unite) de organizar os/as trabalhadores/as foram efectivamente abafadas pela Amazon em 2001. Mesmo que recentes tentativas da união de sindicatos GMB, que giram em torno da palavra de ordem "Os/As Trabalhadores/as da Amazon não são Robots," tenham provado ter mais poder de aderência, o sindicato admite que ainda tem um longo caminho a percorrer.

"Também ganhámos algumas mudanças incrementais durante um curto período de tempo no que diz respeito a pagamentos. Também salvámos empregos àqueles/as que podem ter sido tratados/as injustamente," diz Mick Rix, um oficial nacional da GMB. "Portanto, sim, fizemos alguma ligeira diferença, mas há mais a fazer, especialmente no que diz respeito à redução da quantidade de acidentes e lesões”. Rix aponta também para o papel dos sindicatos em desafiar a abordagem sem convicção da Amazon ao Covid-19, mas o objectivo de um acordo de reconhecimento—uma prioridade fundamental para permitir a negociação sobre salários e condições—continua a ser muito distante.

De facto, parece que, em todo o lado, a Amazon marcha em grande parte livre de encargos. Considere-se a escala da empresa multi-bilionária; o seu serviço mundial imbatível, que foi refeito para ajudar nas entregas de testes Covid-19; as suas patentes que alienam e cansam trabalhadores/as; a sua operação de IA, assistida por mais de 100 milhões de aparelhos Alexa silenciosamente à escuta nas casas das pessoas; o seu inigualável domínio do mercado sobre a computação de cloud—será de admirar que até o nome da empresa tenha agora praticamente substituído uma floresta tropical de cinco milhões de quilómetros quadrados na imaginação popular?

Seja de que maneira for, a Amazon apresenta um desafio a todo o projecto de esquerda—desde aqueles/as que apenas querem ter uma palavra a dizer sobre os salários dos trabalhadores até àqueles/as que gostariam de ver a imensa infra-estrutura da Amazon redireccionada para servir o bem público, e até mesmo àqueles/as que gostariam de ver o desaparecimento da empresa por completo. Tanto a escala da Amazon como o seu significado para a própria infra-estrutura da web moderna e das indústrias de retalho significam que a sua influência tem potencial para definir esta era, o que faz com que seja um problema político crucial que temos que navegar colectivamente.

Uma cultura de controlo.

Não há muitos sindicatos que não tenham preocupações com a Amazon. Mas embora a sua atitude para com os/as trabalhadores/as, os seus meios de subsistência e a sua segurança seja notoriamente pobre, um motivo de preocupação menos discutido é de que a Amazon parece ser tão duramente impenetrável. Seja o que for que os sindicatos lhe atirem, estes parecem resignados a organizarem-se em grande parte a partir do exterior, enquanto que a Amazon desenvolve as suas próprias estratégias de organização a um ritmo e escala muito maiores, liderando o caminho tanto nas técnicas de gestão algorítmica como, certamente para os seus condutores de entregas, práticas de trabalho flexíveis que deixam os trabalhadores sem poder e descartáveis.

Não é que a Amazon não esteja preocupada com os sindicatos. A sua utilização de propaganda abertamente anti-sindical—particularmente nos EUA—está amplamente documentada, e recentemente a Amazon foi forçada a defender o recrutamento de agentes de inteligência com o objectivo de seguir ameaças feitas pela organização laboral—uma descrição inexacta da função deste agentes, diz a empresa. Mas o ódio da Amazon aos sindicatos vem menos devido à substância daquilo que qualquer sindicato em particular tem exigido até agora, e mais devido à insistência absoluta da empresa em controlar por inteiro os locais de trabalho, processos de trabalho, e mão-de-obra.

Entra dentro das muitas áreas de pessoal na Amazon e aprende sobre o ethos da empresa—a contestação é bem-vinda, e até encorajada, desde que seja feita à maneira da Amazon. Isto implica utilizar os conselhos de trabalho e os representantes do pessoal da empresa para levantar preocupações, ou fornecer feedback sobre como o fluxo de mercadorias pode ser melhorado durante uma das "gemba walks" diárias da direcção—uma volta à linha de produção destinada a detectar ineficiências, antes de as engomar com um "kaizen". Kaizen—um conceito da teoria de gestão japonesa que significa "melhoria contínua"—tem sido apropriado pela Amazon para significar qualquer actividade de poupança de resíduos. Os/as empregados/as que acumulam "kaizens" podem ser vistos favoravelmente pelos/as gestores/as ou apresentados no website da empresa.

O processo de candidatura à Amazon ilustra de forma semelhante uma cultura de controlo total. Ao inscreveres-te para um emprego com a Amazon numa agência de recrutamento e, entre um vídeo, uma entrevista individual e um teste de drogas no local, ser-te-á entregue um dispositivo tablet carregado com um questionário cronometrado—uma espécie de teste de moralidade—a ser feito na tua língua materna para assegurar a autenticidade das respostas às perguntas. Este questiona a acção apropriada a tomar caso se saiba que um/a colega está a roubar, ou sobre a ética de falar com jornalistas sobre o teu trabalho. Com a preocupação de que o questionário é o único elemento do processo sobre o qual a agência não tem controlo—os resultados são enviados directamente à Amazon para avaliação—a agência salientará que a Amazon está à procura da tua resposta honesta, e que optar apenas por respostas "modelo" só levanta suspeitas ("afinal, somos todos humanos").

Resignado ao exterior?

Confrontados com um ethos tão totalitário, é compreensível que muitos/as procurem os legisladores para controlar os excessos da Amazon. Mas até agora deputados/as têm demonstrado pouco interesse na Amazon especificamente, e, embora inquéritos efémeros sobre o futuro do trabalho reconheçam geralmente que há algo de inquietante sobre o caminho das práticas de trabalho de empresas que dependem fortemente da capacidade de processamento de dados de tecnologias digitais cada vez mais sofisticadas, os/as deputados/as quase sempre se fixam em questões de segurança de emprego e menos nas condições de trabalho.

De forma semelhante, é comum entre os sindicatos a lógica desta "preocupação de precariedade" que supõe que práticas de emprego flexíveis, temporárias, atípicas ou completamente fraudulentas no comércio electrónico e na economia de trabalho temporário assegura que os/as trabalhadores/as recebam a sua fatia do bolo, como se ter um contrato permanente fizesse muito para capacitar trabalhadores/as que são forçados a andar 18 km por turno ou a empacotar até 200 encomendas por hora durante 55 horas por semana. Isto é antes de chegarmos à questão não insignificante das autarquias locais—incluindo as geridas pelo Partido Trabalhista—que frequentemente se inclinam para trás para acomodar a Amazon com estradas de acesso construídas com financiamento público e autorização de planeamento em nome da criação de empregos, muitas vezes citando simultaneamente "preocupações" abstractas sobre os tipos de empregos que a Amazon realmente cria.

Se olhar para os/as legisladores/as não inspira confiança, é razoável que as pessoas olhem para o movimento trabalhista organizado em busca de orientação. Não é segredo que na maior parte do mundo, incluindo no Reino Unido, os sindicatos têm estado em desvantagem há duas décadas, forçados a tentar recrutar membros a partir do exterior, por exemplo, colocando anúncios nos jornais locais. Podemos culpar as leis anti-sindicais agressivas do Reino Unido pelos obstáculos que os sindicatos enfrentam, mas há outras questões em jogo. Qualquer estratégia do sindicato envolverá acordos com a força de trabalho da Amazon, através da contratação de trabalhadores/as individuais, com planos de longo prazo de forçar o reconhecimento por parte do/a empregador/a, seja ele estatutário/a ou voluntário/a. No entanto, a dependência da Amazon de uma força de trabalho temporária de alta rotatividade—empregada tipicamente através de agências subcontratadas—para complementar o seu pessoal de base, apresenta barreiras para assegurar qualquer coisa que se aproxime a densidade sindical.

Não admira, pois, que as campanhas nos meios de comunicação social se tenham tornado tácticas tão importantes para os sindicatos, tanto para recrutamento como para tentar "envergonhar" a Amazon, especialmente tendo em conta que as exposições jornalísticas tiveram algum sucesso em pelo menos tornar o público mais consciente da vida por detrás das paredes do armazém. No entanto, uma dependência tão grande em travar a guerra aérea contra a Amazon aponta para uma fraqueza na capacidade de qualquer campanha de organização de trabalhadores/as da Amazon, e embora tais tácticas possam proporcionar ganhos parciais em questões específicas, não é claro até que ponto se possa realmente entender que alguma poder esteja a ser dado aos/às trabalhadores/as cujo trabalho é vital para o funcionamento eficaz da empresa mais poderosa do mundo.

Pelo contrário, o que estamos a testemunhar é uma grande disparidade entre os instrumentos políticos à nossa disposição para responsabilizar a Amazon e a forma como o seu poder está efectivamente organizado no local de trabalho. A abordagem da Amazon à "melhoria contínua" consiste em eliminar potenciais fontes de fricção onde quer que estas ocorram na cadeia de abastecimento, o que significa que é provável que a empresa só se torne mais difícil de organizar à medida que continua a desenvolver-se e a crescer. Ver, por exemplo, a expansão maciça da Amazon Flex ao longo dos últimos anos—a plataforma da empresa para entregas Prime, que reduziu maciçamente a dependência da empresa de empresas externas (e melhor sindicalizadas), tais como a Royal Mail. Neste contexto, seria desejável imaginar que o desenvolvimento futuro da Amazon se aproximasse de formas organizativas que se adequassem ao repertório histórico de organização dos sindicatos.

Poder algorítmico.

Já deveria ser óbvio que todos os vídeos vistosos do andar da fábrica sem trabalhadores/as, povoados por robôs zippy que de tempos a tempos fazem as rondas nas redes sociais, a estratégia tecnológica da Amazon nos centros de logística parece mais a subjugação gerida micro-algoritmicamente de trabalhadores/as relativamente mal pagos do que linhas de montagem cheias de robôs caros, o que a Amazon vai continuar a fazer durante algum tempo. Com os centros de logística geralmente localizados fora da cidade e perto das grandes redes rodoviárias em vez de estarem localizados em centros urbanos, não é coincidência que a Amazon prefira basear as suas operações logísticas em áreas anteriormente industriais com elevado desemprego.

Mas o poder da Amazon sobre os trabalhadores não é meramente social e económico. O que deixa os/as trabalhadores/as cansados/as a "sentirem-se como robôs" é o poder técnico dos processos produtivos da empresa. De facto, deveria ser impossível ter uma conversa sobre o tratamento dado pela Amazon aos/às seus/suas trabalhadores/as sem falar sobre o uso pioneiro da gestão algorítmica e o seu efeito sobre a mera possibilidade de organização dos andares da loja.

Por exemplo, o trabalho de alguém cuja função é recolher artigos de prateleiras armazenadas aleatoriamente com base em instruções de um terminal de dados de rádio portátil que se duplica como scanner. Os artigos são atribuídos um de cada vez com base no último local conhecido do/a trabalhador/a, a fim de optimizar o percurso entre os artigos. O scanner pode exibir um temporizador, indicando o tempo que o/ trabalhador/a deve levar para encontrar e digitalizar cada item—geralmente cerca de 12 segundos—altura em que uma nova instrução do item é empurrada para o dispositivo. Ao contrário do errado conceito popular, as torres em que estes/as trabalhadores/as geralmente trabalham não devem estar cheias de trabalhadores/as se estiverem a funcionar sem problemas—pelo contrário, o cenário ideal para o sistema algorítmico é que os/as trabalhadores/as nunca se cruzem ou se metam no caminho uns/umas dos/as outros/as. O resultado é que trabalhar para a Amazon pode ser incrivelmente solitário, cada trabalhador/a preso/a numa sucessão de missões de 12 segundos ao longo de um longo turno, todos/as empenhados/as em atingir objectivos de desempenho que, segundo muitos/as trabalhadores/as, são inalcançáveis ou insustentáveis.

No seu influente estudo sobre máquinas de apostas, Natasha Dow Schüll observou como as características de design das tecnologias de informação baseadas em ecrãs repetitivos produzem uma sensação de "zona" ou "fluxo" familiares aos/às jogadores/as habituais. Os/As trabalhadores/as da Amazon experimentam de forma semelhante o deslocamento temporal e psicossocial, mas existe um desequilíbrio de poder adicional produzido pela assimetria informacional do sistema de gestão algorítmica. A gestão algorítmica está enraizada nos princípios de gestão Taylorista, que são definidos por uma separação fundamental entre a concepção (ideias, planeamento) do trabalho e a sua execução pelos/as trabalhadores/as. As suas raízes estão nas teorias organizacionais de Frederick Winslow Taylor, um engenheiro industrial da viragem do século XX que defendia a conversão do know-how tradicional dos/as trabalhadores/as em tarefas discretas, que poderiam ser documentadas e calculadas de acordo com o tempo, acabando com o poder natural dos/as trabalhadores/as qualificados sobre o processo de trabalho ao colocar a esfera da organização e planeamento do trabalho nas mãos dos/as gestores/as. Se isto parece arcano e técnico, considere as frustrações do pessoal de entregas da Deliveroo que se sentem "escravos do algoritmo", continuamente colocados/as na posição de tentar adivinhar um sistema complexo de gestão algorítmica que opera de formas que ainda não podem controlar ou influenciar.

A fronteira do controlo.

Enfrentar o poder processual (ou "protocológico") que mantém os/as trabalhadores/as da Amazon desmotivados/as e desmoralizados/as no dia-a-dia significa reivindicar a forma como o trabalho é realmente feito nos locais de trabalho da Amazon. A vontade política da Amazon nesta área está bem documentada, e é uma realidade com que teremos de contar se levamos a sério que os/as trabalhadores/as não sejam mais "tratados como robôs". Mas este é um terreno historicamente complicado para os sindicatos, que há muito preferem considerar as questões de organização e tecnologia como prerrogativa dos patrões, desde que não impliquem directamente a perda de postos de trabalho. A questão de como os/as trabalhadores/as (e portanto o trabalho) devem ser organizados dentro dos locais de trabalho levanta, portanto, a questão do que Carter L. Goodrich em 1920 chamou a "fronteira do controlo"—a linha de falha que atravessa os locais de trabalho dividindo aquilo que o sindicato pode reclamar como a esfera do controlo de gestão, dentro da qual os locais de trabalho são considerados como "apenas o negócio do/a empregador/a.”

Quando Goodrich estava a escrever, a exigência de controlo democrático dos locais de trabalho pelos/as trabalhadores/as ainda estava presente no vocabulário da esquerda, mesmo que não fosse o objectivo preferido dos sindicatos, que optaram por uma relação mais colaborativa com os/as empregadores/as sempre que possível. Ao longo do século XX, sindicatos de todo o mundo anglófono estabeleceram, em grande parte, um leque bastante limitado de prioridades no que diz respeito à negociação colectiva: empregos, condições de emprego (salários e direitos), e pensões. Nos anos 70, o ponto foi bem articulado por Harry Braverman:

"A classe trabalhadora sindicalizada, intimidada pela escala e complexidade da produção capitalista, e enfraquecida do seu impulso revolucionário original pelos ganhos proporcionados pelo rápido aumento da produtividade, perdeu cada vez mais a vontade e a ambição de arrancar o controlo da produção das mãos capitalistas e virou-se cada vez mais para a negociação da parte do produto fruto desse trabalho."

Braverman também pormenorizou como a ideia de uma relação mais colaborativa no seio da direcção levou a uma ambivalência fundamental sobre as técnicas de desqualificação, organização do processo laboral, e tecnologias utilizadas para gerir os/as trabalhadores/as no dia-a-dia. Hoje em dia, em que os sindicatos abordam este último assunto, é quase exclusivamente com respeito à legislação sobre saúde e segurança, e não com base no poder ou mesmo na dignidade humana. O objectivo de alterar estas limitações não é nem de esmagar os sindicatos (que, para além de serem legalmente neutralizados, têm muitas vezes poucos recursos), nem desejar que os sindicatos possam, em alternativa, tornar-se em breve vanguarda do poder da classe trabalhadora dentro da sociedade. Mas a implicação do argumento de Aaron Benanav no seu novo livro Automation and the Future of Work é de que os sindicatos já não podem confiar na ideia de "partilhar os ganhos" das tecnologias do local de trabalho, num contexto económico de produtividade estagnada. Qualquer movimento significativo em direcção a um mundo de trabalho diferente, argumenta ele, deve, em vez disso, pôr em primeiro plano a necessidade de realmente conquistar a produção para os trabalhadores.

Assumir um império.

Não há um único terreno que pudéssemos escolher para lutar contra a Amazon no qual se desbloqueariam todas as outras formas de a empresa manter o seu controlo sobre os/as trabalhadores/as. No entanto, é do nosso interesse alargar a nossa compreensão dos métodos da Amazon para decretar o seu poder, porque fazê-lo pode, por sua vez, alargar a nossa compreensão de como poderia ser o contra-poder. Se aceitarmos que é inútil desejar simplesmente que a Amazon seja um outro local de trabalho mais convencional e convenientemente organizado, então cabe à esquerda—dos sindicatos aos movimentos sociais e (vivemos na esperança) aos partidos—definir formas estratégicas para afrouxar o controlo que a Amazon tem e aceitar que teremos de expandir o nosso repertório de organização no processo. Não será suficiente simplesmente fazer o que já fizemos vezes sem conta, como se uma das empresas mais valiosas do mundo viesse a perder uma batalha de fricção.

Mais cedo ou mais tarde, porém, teremos de contar com a forma como o trabalho se organiza na Amazon, tanto para afirmar uma reivindicação sobre o conteúdo do trabalho como para lidar com o facto de a organização dos/as trabalhadores/as dentro dos centros de logística ser um enorme obstáculo à construção de poder nos andares da loja. Isto implicará uma melhor compreensão de como a gestão algorítmica organiza o trabalho e reorganiza as relações sociais e de poder, e subverte a assimetria informativa que actualmente assegura que os/as trabalhadores/as estão desempoderados/as e descartáveis, incluindo a sua reaprendizagem das tácticas de organização adormecidas, tais como lentidão ou perturbação propositada do processo laboral. Evidentemente, um tal empreendimento seria semelhante a empreender uma guerrilha contra um império. Mas a Amazon não é um tipo de problema que possa ser simplesmente resolvido.

Craig Gent é o chefe de operações da Novara Media.

Foto: Scott Lewis / Flickr

Ajuda-nos a construir A Agência

A Agência é a única rede planetária de publicações progressivas e com perspectivas fundamentais.

Desde o nosso lançamento em Maio de 2020, a Agência difundiu mais de 100 artigos de publicações progressivas líderes em todo o mundo, traduzindo cada um deles em pelo menos seis línguas - levando as lutas dos povos indígenas da Amazónia, palestiniano/a(s) em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais a uma audiência global.

Com mais de 150 tradutore/a(s) e uma equipa editorial em crescimento, contamos com os/as nosso/a(s) colaboradore/a(s) para continuar a divulgar histórias das lutas dos povos e para ser um serviço de divulgação para as forças progressivas do mundo.

Ajuda-nos a construir esta missão. Doa à Agência.

Support
Available in
EnglishGermanSpanishItalian (Standard)FrenchPortuguese (Brazil)HindiPortuguese (Portugal)
Author
Craig Gent
Translators
Sara Branco and Henrique Augusto Alexandre
Date
03.12.2020

More in Labor

Labor

Geoff Tily: The Grip of Brotherhood the World O'er

Labor

How Do We Solve a Problem Like Amazon?

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell