Migration

Nanjala Nyabola: O Mar que Engole as Nossas Crianças

Membro do conselho da PI Nanjala Nyabola fala-nos sobre a cumplicidade da Europa em transformar o Mar Mediterrâneo num cemitério de massas.
O Mar Mediterrâneo tem apenas 3.9 quilómetros de largura, ou cerca de metade do comprimento da África continental, mas durante década de 2010 ganhou distinção como o maior local de enterro em massa para os africanos no mundo moderno.
O Mar Mediterrâneo tem apenas 3.9 quilómetros de largura, ou cerca de metade do comprimento da África continental, mas durante década de 2010 ganhou distinção como o maior local de enterro em massa para os africanos no mundo moderno.

Embora as travessias entre África, Ásia e Europa sejam tão antigas como a colonização ao longo das suas costas, na era moderna, as restrições às viagens e a segurança violenta das fronteiras transformaram o mar num cemitério em massa, onde os países prefeririam devolver pessoas vulneráveis à morte ou à escravatura quase certa do que permitir uma medida de segurança. Quase toda a Europa é cúmplice em rejeitar pessoas nos seus momentos mais vulneráveis, inclusive intimidando barcos que desafiam a fortaleza que a Europa construiu.

As mortes no Mar Mediterrâneo foram erradamente enquadradas como uma crise africana, síria ou mesmo líbia; como sendo sobre migração. Embora a Europa tenha sido rápida a desviar a discussão e a declarar esta crise da fronteira europeia, na realidade é uma crise do Estado europeu—uma crise que tem tudo que ver com a história de conflito e divisão dentro daquele continente. Muito do modo como os Estados do mundo funcionam e o medo provém da história sangrenta e violenta da Europa.

Há três rotas principais que te levam através do Mediterrâneo, de África ou da Ásia para a Europa. Estas rotas têm sido utilizadas há quase tanto tempo como as viagens através do Mediterrâneo têm sido documentadas. Espalhados pela linha costeira estão os detritos das antigas civilizações que alimentaram o nascimento da era moderna— Esparta na Grécia, Cartago na Tunísia, Alexandria no Egipto, as históricas Atenas e Roma—contando uma história de sociedades que têm estado em constante, se não sempre, contacto amigável umas com as outras. Se a filosofia ocidental é uma pedra angular da política e sociedade ocidental, vale a pena notar que muitos dos produtos mais notáveis da filosofia ocidental são de facto produtos da livre circulação de pessoas e ideias através da água. Agostinho de Hipona era um homem africano cuja teologia e filosofia estão no centro do cristianismo moderno e do pensamento político ocidental. A sua teoria da guerra justa ainda é ensinada nas aulas de relações internacionais e de ciências políticas em todo o mundo. Os historiadores dizem que Agostinho era berbére — de um povo pastoril — e por isso a migração e a mobilidade eram centrais para a sua visão do mundo mesmo antes de se ter mudado para Roma e Milão para continuar o seu trabalho. O movimento sempre foi central para a fertilidade intelectual da região mediterrânica, e a hostilidade moderna à mesma está apenas a contribuir para o seu declínio.

Não é que nunca antes tenha existido hostilidade entre as comunidades do Mediterrâneo. A lembrar: A Europa tem sido sempre um lugar violento. Mas, à medida que a Europa se foi juntando a um enorme projecto social e político, o alcance dos danos tornou-se maior. Bertrand Russell escreveu uma vez que os líderes sempre foram estúpidos, mas nunca foram tão poderosos antes; ele escrevia sobre o período entre as guerras mundiais, mas o mesmo pode ser dito hoje. A capacidade humana de infligir danos é maior do que alguma vez foi, o que torna as tensões e ódios históricos ainda mais perigosos. Um número alarmante de pessoas está agora a morrer ao utilizar rotas em vigor há centenas de anos.

A Convenção de Schengen de 1990 encontrou uma forma de manter felizes tanto os países historicamente abertos como os historicamente fechados, apesar do novo sistema que aboliu os controlos internos de vistos e concordou com políticas comuns de vistos (para reduzir a burocracia nas fronteiras de muitos países europeus). O compromisso foi um processo de escrutínio invasivo, humilhante e mesmo violento para pessoas provenientes de países considerados demasiado pobres e, portanto, um risco para a imigração.

Os humanitários dir-lhe-ão que uma coisa que o sistema Schengen fez com alarmante eficácia foi fechar todas as rotas humanas para a Europa aos cidadãos destes países não desejados que não conseguiram atingir os limiares exigidos. Para um jovem do Senegal ou do Sudão que não conseguia encontrar trabalho numa aldeia devastada pelas alterações climáticas, ou numa economia em colapso, o regime Schengen não deixou nenhuma forma legal de procurar trabalho com baixos salários na Europa. É claro que não era ideal que as pessoas tivessem embarcado em voos para a Europa e depois pedissem asilo ou excedessem os seus vistos turísticos. Mas, pelo menos, tinham chegado vivas. O que os arquitectos de Schengen pareciam ignorar era o número absoluto de pessoas que seriam agora conduzidas para contrabandistas e rotas clandestinas. Quando as pessoas vêem as suas opções como morte certa enquanto paradas, contra uma pequena hipótese de sucesso se moverem, mover-se-ão.

Sempre que faço este argumento aos europeus, recebo sempre uma versão de "Então porque é que as pessoas nesses países não se encarregam apenas da sua política e tornam os seus países melhores"? Claro que essa seria a melhor e mesmo a opção ideal. Mas voltemos a Wallerstein e à utilização das fronteiras para exportar a instabilidade para fora do Ocidente. Veja-se apenas o século XX em África. Primeiro, a violência da colonização e da invasão. Depois, o assassinato generalizado e direccionado, com a colaboração de governos ocidentais, de líderes visionários como Thomas Sankara e Patrice Lumumba. Depois décadas de activa interferência económica e sabotagem, culminando nos Programas de Ajustamento Estrutural dos finais dos anos 80: empréstimos do FMI e do Banco Mundial a economias em crise, sob condição de reformas estruturais. Agora, temos o colonialismo digital e governos ocidentais a dar cobertura às empresas privadas ocidentais para interferirem na política dos países em desenvolvimento. Ainda crês que é justo responsabilizar os civis pelas escolhas feitas pelos Estados? Por que é que países que fabricam e vendem armas a governos mais pobres não param de o fazer? Porque é que os governos não deixam de apoiar os ditadores? A emigração não acontece num vácuo.

O número de pessoas que se deslocam para os mares para chegar à Europa não tem aumentado apenas porque há simplesmente mais pessoas. É porque a passagem legal e segura para a Europa desapareceu para todos menos para uma pequena parcela da população mundial.

Membro do conselho da PI Nanjala Nyabola é escritora, investigadora independente, e analista política. O seu trabalho centra-se nas transições de conflito e pós-conflito, com ênfase em refugiados/as e migração, bem como na política da África de Leste em geral. O seu último livro, Travelling While Black: Essays Inspired by a Life on the Move (Viajando Enquanto Negro: Ensaios Inspirados numa Vida de Viagem) , foi publicado a 19 de Novembro.

Foto: vfutscher / Flickr

Ajuda-nos a construir A Agência

A Agência é a única rede planetária de publicações progressivas e com perspectivas fundamentais.

Desde o nosso lançamento em Maio de 2020, a Agência difundiu mais de 100 artigos de publicações progressivas líderes em todo o mundo, traduzindo cada um deles em pelo menos seis línguas - levando as lutas dos povos indígenas da Amazónia, palestiniano/a(s) em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais a uma audiência global.

Com mais de 150 tradutore/a(s) e uma equipa editorial em crescimento, contamos com os/as nosso/a(s) colaboradore/a(s) para continuar a divulgar histórias das lutas dos povos e para ser um serviço de divulgação para as forças progressivas do mundo.

Ajuda-nos a construir esta missão. Doa à Agência.

Support
Available in
EnglishItalian (Standard)FrenchGermanPortuguese (Portugal)SpanishPortuguese (Brazil)HindiTurkish
Author
Nanjala Nyabola
Translators
Sara Branco and Henrique Augusto Alexandre
Date
16.12.2020

More in Migration

Migration

"You’re Not Welcome Here": How Europe Is Paying Millions to Stop Migration From Africa

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell