Culture

O Poder de Cura da Arte, Desde um Museu em Calcutá

Um olhar sobre como um museu em Bengala pode ajudar a Índia a enfrentar os traumas históricos da Partição.
Muitos dos ressentimentos e tensões actuais na Índia e no Paquistão surgiram devido às longas e inexploradas sombras de 1947. Este museu pode ajudar a confrontar a verdade do passado, convidando os seus visitantes a redescobrir a sua herança comum, transcendendo a retórica sectarista-nacionalista.
Muitos dos ressentimentos e tensões actuais na Índia e no Paquistão surgiram devido às longas e inexploradas sombras de 1947. Este museu pode ajudar a confrontar a verdade do passado, convidando os seus visitantes a redescobrir a sua herança comum, transcendendo a retórica sectarista-nacionalista.

Nota do editor: O Sul da Ásia moderna nasceu do trauma. A 15 de Agosto de 1947, após décadas de exploração colonial, a Índia ganhou a sua independência do Reino Unido. Mas com a independência veio a Partição: a divisão da Índia britânica numa Índia predominantemente Hindu e Sikh, e num Paquistão predominantemente muçulmano (incluindo o que é agora o Bangladesh), um processo que veio com violência comunitária, a deslocação de milhões, e a morte de centenas de milhares. O subcontinente — e especialmente regiões como Bengala, que suportaram o peso da bifurcação — ainda hoje tem as cicatrizes.

Todos os anos, a 15 de Agosto, o Dia da Independência traz grandes celebrações e festivais por toda a Índia. "O dia seguinte," no entanto, traz um silêncio sinistro: uma memória não falada da devastação, que ganha pouco reconhecimento de ambos os lados das alienadas linhas de falha. Porque a independência também significou a subsequente divisão da Índia em dois estados, Índia e Paquistão, que trouxe consigo a perda, a violência e a deslocação.

Hoje, a Índia tem um governo federal religioso-nacionalista que defende o revisionismo histórico, combinado com o orgulho fundamentalista, como anestésico final. É por isso que nunca foi tão importante resistir a tentativas baratas de distorcer o legado de um evento tão traumático como a Partição da Índia.

Foi neste contexto que o Dr. Rituparna Roy co-fundou o Museu da Partição de Calcutá — o primeiro museu bengali contemporâneo dedicado exclusivamente ao tema da Partição: o seu cataclismo, as suas vítimas e perpetradores, o seu rescaldo, e o caminho para a cura. O Dr. Roy perguntou-se a si próprio: "Podem museus, arte e literatura ajudar a curar as feridas da história — para imaginar um futuro partilhado para além dos ódios políticos?”

A história ensinada na escola enquanto crescia em Calcutá ofereceu-lhe uma imagem incompleta da sombra lançada pela Partição da Índia de 1947, especialmente o seu impacto na província de Bengala. Nesse ponto de viragem histórico, Bengala foi politicamente radicalizada, empobrecida, e testada pela violência. "Temos literatura, temos filmes sobre a Partição, mas nenhuma comemoração pública," explica o Dr. Roy.

Ritu, como o Dr. Roy é carinhosamente conhecido, conta como o seu projecto começou enquanto concluía investigação no estrangeiro, em Amesterdão e na Universidade de Leiden. Ao procurar compreender melhor a dinâmica da fragmentação de países e culturas, decidiu visitar uma série de outros países que foram submetidos a processos dolorosos comparáveis: A Irlanda, a antiga Jugoslávia e Berlim, uma cidade que comemora clara e decisivamente tanto a escuridão dos acontecimentos em torno da Segunda Guerra Mundial, como a forma como outrora foi deixada rasgada pela Guerra Fria.

Num brilhante dia de Outubro em Berlim, caminhando aleatoriamente pelos pilares de pedra do memorial arquitectónico Eisenman aos Judeus Assassinados da Europa, uma ideia germinou: "A certa altura sentei-me, e pela primeira vez fiquei impressionado com a enormidade do crime... Tinha lido livros, visto filmes, mas a forma como essa instalação me afectou foi completamente diferente."

"Tinha sempre acreditado no poder da literatura. Ainda acredito, enquanto académico. Aqui em Berlim, pela primeira vez, senti-me inadequado. O que isto me fez compreender foi o poder da arte — arte num sentido muito alargado," incluindo projecções e instalações arquitectónicas.

Outra exposição de Berlim, a Topografia do Terror, explora "a perspectiva dos perpetradores, bem como das vítimas." Ataque-por-ataque, ano-por-ano, dá conta do que aconteceu — em vez de mumificado ou enclausurado no interior, este museu concede acesso aos cidadãos, para dizer "este é o nosso passado. Foi uma vergonha, foi o que fizemos." O reconhecimento do passado vergonhoso marca um passo no sentido da cura.

"Outro pensamento impressionou-me na altura; era apenas o 60º aniversário da Partição Indiana... Na Índia, celebra-se a Independência, mas não se comemora a Partição, excepto em conferências académicas, após as quais haverá publicações de conferência. Mas por que não comemorar a Partição de uma forma mais pública? Por que não dar espaço à memória pública desta forma? Na altura, foi apenas um pensamento passageiro."

Anos após a sua esclarecedora viagem através de locais europeus de partição histórica, Roy reinstalou-se na sua cidade natal de Calcutá, em Bengala. Pouco depois, embarcou noutra viagem, desta vez mais perto de casa; Roy tornou-se co-curador de uma sala de exposições que mais tarde se tornou o Museu da Partição de Calcutá.

O trabalho do Dr. Roy reflecte o do falecido poeta bengali e polímata Rabindranth Tagore, laureado com o Nobel da Literatura. Tagore, que continua a ser um herói no imaginário bengali de hoje, escreveu polémicas anti-coloniais que apelaram imediatamente a um espírito cosmopolita e a um espírito de polinização cruzada entre o Oriente e o Ocidente.

Décadas antes do Orientalismo de Edward Said, Tagore rejeitou energicamente a visão do Oriente e do Ocidente como monumentos isolados, hostis, ou mutuamente incomunicáveis. "A ideia da Nação é uma das mais poderosas anestéticas que o homem inventou," disse uma vez. "Sob a influência dos seus fumos, todo um povo pode levar a cabo o programa sistemático mais virulento de procura de si próprio sem estar minimamente consciente desta perversão moral — de facto, sentindo-se perigosamente ressentido se isso lhes for apontado."

O Dr. Roy também sabe quantos dos ressentimentos e tensões actuais na Índia e no Paquistão surgiram das longas e inexploradas sombras de 1947. Um museu em Bengala pode ajudar a confrontar a verdade deste passado: convidar os seus visitantes a redescobrir a sua herança comum, transcendendo a retórica sectarista-nacionalista. Uma memorialização não é, como o típico monumento do holocausto é frequentemente interpretado na Europa, uma arquitectura de vergonha e culpa. Esta última é demasiado abundante, e os "anestéticos poderosos" não a subjugam.

Neste contexto do Sul da Ásia, o objectivo da memorialização é o da recordação do esquecido, para revigorar uma herança viva, e ajudá-la a florescer de novo.

Este artigo é um resumo de uma entrevista com o Dr. Roy para o espectáculo Cosmopolitan Shipwrecks.

Ajuda-nos a construir A Agência

A Agência é a única rede planetária de publicações progressivas e com perspectivas fundamentais.

Desde o nosso lançamento em Maio de 2020, a Agência difundiu mais de 100 artigos de publicações progressivas líderes em todo o mundo, traduzindo cada um deles em pelo menos seis línguas - levando as lutas dos povos indígenas da Amazónia, palestiniano/a(s) em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais a uma audiência global.

Com mais de 150 tradutore/a(s) e uma equipa editorial em crescimento, contamos com os/as nosso/a(s) colaboradore/a(s) para continuar a divulgar histórias das lutas dos povos e para ser um serviço de divulgação para as forças progressivas do mundo.

Ajuda-nos a construir esta missão. Doa à Agência.

Support
Available in
EnglishItalian (Standard)FrenchGermanPortuguese (Portugal)SpanishPortuguese (Brazil)Hindi
Authors
Arturo Desimone, Jon Baird and Mohammad Khair
Translators
Sara Branco and Henrique Augusto Alexandre
Date
06.01.2021

More in Culture

Culture

Settler Colonialism Is The Root of Kenya’s Brutal Penal System

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell