Announcements

Apresentando a Arte do Internacionalismo

A Internacional Progressista apresenta sua plataforma artística, Arte do Internacionalismo
A plataforma da Internacional Progressista, Arte do Internacionalismo, explora o papel da arte e da cultura na imaginação e formação do internacionalismo do século XXI.
A plataforma da Internacional Progressista, Arte do Internacionalismo, explora o papel da arte e da cultura na imaginação e formação do internacionalismo do século XXI.

O texto a seguir foi co-escrito e aprovado por vários artistas e trabalhadores culturais de todo o mundo, cada um dos quais investido no património cultural e na importância contemporânea da arte e da cultura na luta internacionalista. Se você quiser se envolver com a Arte do Internacionalismo, escreva para art@progressive.international.

O passado, o futuro, a arte e nós no meio de tudo isso

A arte do internacionalismo constrói-se a partir de uma compreensão do mundo baseada em cada lugar, fundamentada em histórias localizadas, enraizada nas nossas comunidades e terras, e intimamente ligada através das geografias, em apoio das nossas lutas comuns pela igualdade e justiça social. A arte do internacionalismo representa tanto a arte de organizar solidariedades transnacionais e planetárias, como a de enfatizar o papel crítico da arte e da cultura internacionalistas, que ajudam a moldar as nossas lutas e desejos comuns.

O internacionalismo - na história e na atualidade - defende a arte e a cultura como parte da propriedade comum na governança e cuidados compartilhados, porque contribui para a nossa imaginação coletiva de igualdade e justiça social. Para transformar o mundo, a mudança precisa ser imaginada e tomar forma, tato, som, paladar, sensação e tempo. A arte e a cultura internacionalistas provocam o desejo de mudanças materiais para assegurar formas de vida igualitárias. Faz parte da transformação cultural, econômica e política que o mundo precisa desesperadamente.

No sistema do capitalismo globalizado, as obras de arte mais visíveis transformaram-se em ações ou bens e os artistas de maior sucesso comercial transformaram-se em empresas. Para o 1%, a arte se tornou uma oportunidade de investimento confiável com benefícios fiscais atraentes. Nós, como povos, podemos acessar algumas dessas obras de arte em poucos museus e galerias públicas, mas a maioria de nós está em grande parte privada do acesso à arte acumulada nas zonas francas e palácios privados dos ultra-ricos.

A arte e a cultura acumuladas de um décimo do um por cento fazem parte do mundo deles, não do nosso. A arte e a cultura do mundo que queremos é internacionalista, popular e comunal. É a cultura material de nossos movimentos sociais, a linguagem contra-hegemônica que nos mantém unidos como um "nós" insistente e pluralista. É uma arte que se baseia em nossas lutas comuns para moldar novas solidariedades planetárias e poder popular. Não apenas para afirmar quem somos, mas para imaginar as comunidades nas quais ainda vamos nos transformar - as pessoas no processo de produção.

A arte e a cultura internacionalista emergem nas e através das lutas internacionalistas, cada uma das quais é específica para um lugar e um tempo. Em cada um desses movimentos, artistas e trabalhadores culturais desempenham um papel para ajudar a imaginar a transformação de nossas sociedades, quer se trate de autodeterminação indígena, revoluções socialistas, revoltas anticoloniais, direitos civis e libertação negra, sindicalização da classe trabalhadora, resistência antifascista, anti-racista e anti-imperialista, feminismo, movimentos LGBTQIA+, nações sem Estado, organizações de migrantes sem documentos pessoais e refugiados, direitos dos deficientes ou justiça climática. Embora cada uma destas lutas seja particular a seu contexto, uma mudança específica alcançada através de qualquer uma delas é simultaneamente uma mudança para o mundo.

A arte e a cultura sempre fizeram parte dos esforços populares para tornar visíveis as injustiças do passado e do presente e moldar novos e justos futuros. Esta é a trajetória da imaginação artística e cultural radical à qual a plataforma Arte do Internacionalismo está alinhada, e através da qual pretendemos criar nossas próprias formas de arte internacionalista, bem como suas infra-estruturas para a criação de arte, distribuição cultural e intercâmbio generoso.

A capacidade de tornar visíveis as injustiças e imaginar nossos mundos renovados pertence a cada um de nós. Ela contribui e reforça nosso senso de pertencimento e engajamento crítico com as realidades que habitamos, ao mesmo tempo em que conecta comunidades em todo o mundo com um propósito comum. A arte e a cultura internacionalistas não só contribuem para moldar este contra-poder em nosso passado e presente, mas também nos ajudam a imaginar as comunidades que ainda não nos tornamos, através dos muitos mundos de solidariedade internacional, transnacional, planetária, terrestre, comunista e cosmopolita que criamos juntos.

A Arte do Internacionalismo na Prática

Nosso objetivo é usar a plataforma Arte do Internacionalismo para:

1. Transformar a Arte em Comunitária

A imaginação pertence a todos. Artistas e trabalhadores culturais desenvolvem competências específicas que devem ser reconhecidas, mas a experiência emancipatória e a alegria de fazer arte, música e teatro devem ser acessíveis a todos. É fundamental remover barreiras de qualquer tipo para que a maioria dos povos tenha acesso ao patrimônio artístico e cultural comum, assim como para participar de sua criação, pois estes são bens comuns que são definidos continuamente e coletivamente. Portanto, nosso objetivo é desenvolver arte e cultura comunitárias que re-imaginem o internacionalismo do século 21 na forma de símbolos (digitais), cartazes, vídeos, publicações e projetos e manifestações públicas, que podem ser acessados ou compartilhados, estudados e vivenciados gratuitamente. Nossa arte e cultura desejam viajar tão longe quanto possa chegar a nossa solidariedade, e isso significa que iniciaremos e apoiaremos formas generosas de cultura pública distributiva on e offline.

2. Apoiar Campanhas dos Membros e Aliados da Internacional Progressista

Arte e cultura são parte da luta. Para criar a mudança, devemos primeiro imaginá-la. Portanto, artistas e trabalhadores culturais envolvidos, alinhados ou inspirados pelos movimentos populares para justiça social e igualdade são essenciais para o sucesso desses movimentos. A arte e a cultura internacionalistas se baseiam na criatividade coletiva dos movimentos populares e nosso objetivo é contribuir com um trabalho artístico e cultural crítico e solidário em relação aos partidos políticos progressistas, sindicatos, organizações indígenas e movimentos sociais que fazem parte da Internacional Progressista, bem como aos seus aliados.

3. Explorar Pedagogias da Arte e da Cultura Internacionalistas

Nosso objetivo é aprender e contribuir com as longas histórias de arte e cultura dos povos indígenas e das nações sem Estado, das revoluções anticoloniais e socialistas, dos movimentos pelos direitos civis, pela libertação negra, anti-racista, da classe trabalhadora, feminista, LGBTQIA+, dos movimentos pelos direitos dos refugiados, das pessoas com deficiência e dos movimentos ecológicos para criar narrativas novas e pluralistas de arte internacionalista. Diferente das trajetórias eurocêntricas da arte que têm sido centradas no chamado gênio moderno individual masculino branco, procuramos explorar e experimentar pedagogias diferenciadas de educação mútua e narração intersetorial.

4. Unir Instituições Progressistas Comunitárias

Muitos museus, teatros e centros culturais sofrem pressões autoritárias e neoliberais de governos e corporações. Chamamos os agentes progressistas dentro das instituições existentes a trabalharem conosco para apoiar a criação, circulação, pesquisa e educação da arte e cultura internacionalista. Através deste trabalho, pretendemos desenvolver uma infra-estrutura internacionalista de arte e cultura sob propriedade comunitária, sistemas de governança e de preservação das obras.

5. Abolir o Racismo Cultural, o Patriarcado e o Fascismo

O imperialismo, o colonialismo, o fascismo e suas narrativas racistas e patriarcais tentaram apagar as contribuições culturais e artísticas dos indígenas, negros e dos povos de cor, da classe trabalhadora, das mulheres, da comunidade LGBTQIA+, das nações sem Estado, dos refugiados e cidadãos sem documentos individuais, e dos povos capazes de diferentes formas de arte. Nós nos comprometemos com o projeto de descolonização e luta antifascista em nossa plataforma e instituições culturais em geral, exigindo uma redistribuição estrutural do poder, reparações coloniais e cotas para fazer valer a igualdade de representação e agência. Rejeitamos a supremacia fabricada da história da arte ocidental e reconhecemos e construímos a partir da herança das histórias pluralistas anti-coloniais e anti-capitalistas da arte e da cultura, pois elas irromperam nas lutas populares em todo o mundo. Resistimos à instrumentalização da arte para fins autoritários de qualquer tipo.

6. Defender os Direitos dos Trabalhadores da Cultura

Arte e cultura demandam trabalho. Artistas e trabalhadores culturais contribuem para os bens comuns culturais e geram valores sociais. Seu trabalho deve ser reconhecido como tal, pagos, e os artistas merecem os mesmos benefícios sociais que qualquer outro membro da sociedade. Convidamos as organizações dos trabalhadores da cultura a aderirem à plataforma Arte do Internacionalismo a construírem uma frente comum para garantirem remuneração e seguridade social adequadas, incluindo licença parental e aposentadoria.

7. Apoiar Movimentos Sociais

Convidamos artistas e trabalhadores culturais a contribuir para apoiar as organizações membros da Internacional Progressista e nossos aliados. Embora vejamos um futuro da arte que não seja baseado no mercado, em situações de urgência, organizaremos eventos de arrecadação de fundos, pois eles podem ser uma forma de desviar os recursos existentes a fornecer recursos essenciais e oxigênio para nossos objetivos e ideais.

Assim como a arte e a cultura internacionalistas contribuem para imaginar e moldar muitos mundos passados, presentes e futuros, também essa declaração de princípios e práticas se transformará continuamente, à medida que a comunidade de artistas e trabalhadores culturais na plataforma Arte do Internacionalismo crescer. Este texto será, portanto, revisitado e revisado bianualmente.

---

Moussa Ag Assarid é um escritor, jornalista e ativista nascido no Saara entre Timbuktu e Gao. Ele escreveu vários livros, entre os quais " Children of the Sand: A Tuareg School ” (2008), e está atualmente desenvolvendo recursos de energia solar no norte da África. Como ativista político, Ag Assarid está envolvido com coalizões de Kel Tamasheq (Tuareg), Songhai, Fula e povos árabes para aumentar os direitos políticos na região do Saara e Sahel (Azawad).

Zdenka Badovinac é curadora, escritora e diretora do Museu de Arte Moderna de Liublijana, que compreende o Museu de Arte Moderna e o Museu de Arte Contemporânea de Metelkova, um centro autônomo de arte, cultura e social em Ljublijana. A instituição é membro da confederação de museus L'Internationale.

Libia Castro (Espanha) e Ólafur Ólafsson (Islândia) começaram a trabalhar juntos em 1997. São artistas colaborativos e multidisciplinares, cuja prática é informal, crítica e sócio-política. Eles se juntaram a grupos ativistas e convidaram outros artistas, outros profissionais e pessoas de todos os estilos de vida a trabalhar em conjunto com a arte e o ativismo.

O coletivo Chto Delat (What is to be Done?) foi fundado no início de 2003 em São Petersburgo por um grupo de trabalho de artistas, críticos, filósofos e escritores com o objetivo de fundir teoria política, arte e ativismo.

Concerned Artists of the Philippines (Artistas Preocupados pelas Filipinas) foi co-fundado em 1983 por Lino Brocka, Artista Nacional para o Cinema. The Concerned Artists of the Philippines é uma organização de artistas, músicos, escritores, cineastas e trabalhadores culturais de várias disciplinas que trabalha em prol de uma arte e de uma cultura voltadas para o povo através da libertação nacional.

Disarming Design from Palestine é uma plataforma de design estimulante para o desenvolvimento e apresentação do design contemporâneo da Palestina, difundindo narrativas alternativas sobre a vida sob ocupação e investindo em práticas criativas como formas de resistência e resiliência.

Charles Esche é curador, escritor e diretor do Van Abbemuseum em Eindhoven. A instituição é membro da confederação de museus L'Internationale.

Etcétera é um coletivo multidisciplinar criado em Buenos Aires em 1997. Em 2005, junto com outros artistas e ativistas, eles fizeram parte da fundação do Movimento Errorista Internacional, uma organização que reivindica o erro como uma filosofia de vida.

iLiana Fokianaki é uma escritora e curadora com sede em Atenas e Roterdã. Em 2013 ela fundou a State of Concept Athens, a primeira instituição de arte contemporânea sem fins lucrativos em Atenas que promove a prática social e politicamente engajada por artistas e trabalhadores culturais gregos e internacionais.

Varsha Gandikota-Nellutla é uma ativista feminista de Hyderabad, Índia. Ela é coordenadora da Blueprint e membro do Gabinete da Progressive International.

Paweł Wargan é o Coordenador do Secretariado da Internacional Progressiva, o órgão responsável por realizar as atividades diárias da organização. Originário de Gdańsk, Polônia, ele agora está sediado entre Berlim, Alemanha, e Moscou, Rússia.

Quinsy Gario é um artista visual e performático das ilhas do Caribe que têm a colonização holandesa em comum. Ele se concentra na lembrança descolonial e nas ações que essa lembrança pode engendrar. Seu trabalho mais conhecido, Zwarte Piet Is Racisme (2011-2012), critica o conhecimento geral em torno da figura e prática racista holandesa de "Zwarte Piet" (Pedro Negro).

Paul Goodwin é um curador, pesquisador e teórico urbano com sede em Londres. A pesquisa e os interesses curatoriais de Goodwin abrangem os campos da arte transnacional, urbanismo e prática curatorial com foco na arte da diáspora africana e nas culturas visuais. O Professor Goodwin é Presidente da Arte Contemporânea & Urbanismo e Diretor do TrAIN (Transnational Art, Identity & Nation) Research Centre da University of the Arts London.

Diyar Hesso é cineasta, professor, produtor, ativista, teórico do cinema revolucionário e co-fundador da Rojava Film Commune, na região autônoma da Rojava, no Curdistão Ocidental (norte da Síria). É produtor de The End Will be Spectacular (Ersin Çelik dir., 2019) e diretor de fotografia de Stories of Destroyed Cities (Sêro Hindê, 2016).

Maria Hlavajova, diretora geral e artística fundadora da BAK (basis voor atuele kunst), em Utrecht, desde 2000. Em 2008-2016 ela foi Diretora de Pesquisa e Artística da FORMER WEST. Hlavajova instigou e (co-)organizou inúmeros projetos na BAK e além, incluindo as séries Propositions for Non-Fascist Living (2017 - em curso), Future Vocabularies (2014-2017), e New World Academy (com o artista Jonas Staal, 2013-2016).

María Inés Plaza Lazo é escritora, crítica de arte e curadora, fundadora e editora do Artes da Classe Trabalhadora. Ela vive e trabalha entre Berlim e Guayaquil, Equador.

Lisa Ito é escritora, curadora e trabalhadora cultural. É a Secretária-Geral dos Artistas Preocupados das Filipinas (CAP), uma organização de artistas progressistas e trabalhadores da cultura sediada nas Filipinas.

Komîna fîlm a Rojava (Comuna de Filmes de Rojava) é uma associação cultural que foi fundada em 2015 por cineastas locais e internacionais sob o guarda-chuva da revolução Rojava. A comuna cria e exibe filmes, apoia cineastas locais e treina novos talentos para trazer de volta a cultura do cinema para a região.

Sven Lütticken ensina história da arte na Vrije Universiteit em Amsterdã e teoria no Instituto de Arte Holandês. Ele é o autor de Secret Publicity: Essays on Contemporary Art (2006), Idols of the Market: Modern Iconoclasm and the Fundamentalist Spectacle (2009), History in Motion: Time in the Age of the Moving Image (2013), and Cultural Revolution: Aesthetic Practice after Autonomy (2017).

MARCH é uma revista internacional de arte e estratégia fundada por Sarrita Hunn e James McAnally e publicada por The Luminary (St. Louis, Missouri, EUA). MARCH abraça a publicação como um ato de protesto para abordar as questões sociais e políticas críticas de nosso tempo.

Golrokh Nafisi é uma ilustradora, animadora e marionetista que experimenta com performances no espaço público. Nafisi trabalha através de corpos e ideologias para imaginar e moldar novas formas de obras de ação coletiva.

Not An Alternative, fundada em 2004, é uma organização coletiva e sem fins lucrativos que trabalha na intersecção de arte, ativismo e teoria. Ela tem a missão de afetar o entendimento popular de eventos, símbolos, instituições e histórias. Através de pesquisas e projetos críticos engajados, o grupo cura e produz intervenções no espaço material e imaterial, reunindo ferramentas da arte, arquitetura, design de exposições e organização política.

Ahmet Öğüt vive e trabalha em Amsterdã e Istambul. Como um iniciador sociocultural e artista transversal, Öğüt procura constantemente colaboradores de fora do mundo da arte, encontrando maneiras únicas de lidar com questões sociais complexas que vão da migração à agitação civil.

Gabriel Silveira é um diretor de criação e escritor brasileiro com sede em Barcelona. Fundador da Contra, uma agência de criação voltada para a estratégia, focada em ajudar os movimentos sociais e políticos.

Kuba Szreder é um curador, autor e conferencista interdependente que vive em Varsóvia, coopera com consórcios de artistas postais e se envolve em lutas de trabalhadores da arte.

Jonas Staal é um artista baseada em Rotterdam e Atenas cujo trabalho trata da relação entre arte, democracia e propaganda. Ele é o fundador da Cúpula do Novo Mundo e trabalha com várias organizações políticas, tais como a DiEM25 e o governo autônomo de Rojava.

The Anti-Fascist Year (O Ano Antifascista) na Polônia é uma iniciativa nacional promovida por uma coalizão de instituições públicas, ONGs, movimentos sociais, coletivos de arte, artistas individuais e ativistas. Seu objetivo é comemorar todos os ativistas antifascistas, homens e mulheres, que resistiram ativamente ao fascismo no passado, e se opor à recorrência no domínio público dos movimentos neofascistas e neonazistas, assim como de todo e qualquer partido que endossa e idolatra as idéias, discursos e práticas fascistas.

We Sell Reality (Nós Vendemos Realidade) é um coletivo open-source de desenhistas sociais com e sem documentos, que cria produtos, instalações e intervenções públicas com o objetivo de proporcionar uma visão da vida dos refugiados sem documentos e em busca de soluções práticas que possam melhorar as condições de vida dos refugiados no limbo.

What, How & for Whom/WHW é um coletivo curatorial formado em 1999 e com sede em Zagreb e Berlim. Seus membros são Ivet Ćurlin, Ana Dević, Nataša Ilić e Sabina Sabolović, e o designer e publicista Dejan Kršić.

Didem Pekün é uma produtora de cinema que associa pesquisa e práxis. Em seus filmes de ensaio, ela aborda como a violência e o deslocamento definem e destroem a vida. Fundadora do Center for Spatial Justice (MAD), Istambul, é doutora em Culturas Visuais pela Goldsmiths, e atualmente é bolsista da Graduate School / Berlin Center for the Advanced Studies in Arts and Sciences @ UdK, Berlin.

Shela Sheikh leciona na Goldsmiths, University of London, em Londres, onde organiza o Mestrado em Cultura Pós-colonial e Política Global e os programas de Doutorado em Estudos Culturais. Suas pesquisas atuais se concentram no colonialismo, na botânica e na política de plantio.

Ajude-nos a construir a Agencia

A Agência é a única rede mundial de publicações progressistas e perspectivas de base.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, a Agência disseminou mais de 100 artigos de publicações progressistas importantes ao redor do mundo, traduzindo cada um para pelo menos seis idiomas - trazendo a luta dos indígenas da Amazônia, palestinos em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais para uma audiência global.

Com mais de 150 tradutores e uma crescente equipe editorial, nós confiamos em nossos colaboradores para continuar espalhando estas histórias da luta de base e para sermos a agência de notícias das forças progressistas do mundo.

Nos ajude a construir essa missão. Doe para a Agência.

Support
Available in
EnglishSpanishArabicFrenchHindiPortuguese (Brazil)GermanItalian (Standard)TurkishBengali
Translators
Fábio Meneses Santos and Lara Cezzarini
Date
18.03.2021

More in Announcements

Announcements

Announcing the Covid-19 Response Collective

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell