Announcements

Vamos à Cuba para ajudar a vacinar o mundo

Delegados da União para o Internacionalismo de Vacinas viajarão a Havana para uma demonstração especial das vacinas cubanas em meio a um aumento global nas infecções por Covid-19.
Em 25 de janeiro, a Internacional Progressista sediará uma apresentação especial ao vivo de Havana com os principais cientistas, ministros do governo e funcionários da saúde pública de Cuba como parte de sua União para o Internacionalismo de Vacinas.
Em 25 de janeiro, a Internacional Progressista sediará uma apresentação especial ao vivo de Havana com os principais cientistas, ministros do governo e funcionários da saúde pública de Cuba como parte de sua União para o Internacionalismo de Vacinas.

2022 começou com um “tsunami” de novos casos de Covid-19 atingindo todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde. Mais de 18 milhões de casos foram registrados apenas na semana passada, um número recorde desde o início da pandemia, há dois anos. Nos primeiros 10 dias de janeiro, quase 60.000 mortes por Covid-19 foram registradas em todo o mundo – embora a contagem total de mortes seja muito maior do que as estatísticas oficiais descrevem.

A variante Omicron é relatada como tendo implicações menos “graves” entre os pacientes vacinados. Mas o mundo continua perigosamente subvacinado: 92 dos países membros da OMS não atingiram a meta de 40% de vacinação para 2021; no ritmo atual de implantação, 109 deles perderão suas metas de 2022 até julho.

Essas estatísticas contam a história de um persistente apartheid vacinal. Em toda a UE, 80% de todos os adultos foram totalmente vacinados contra o Covid-19. Enquanto isso, apenas 9,5% das pessoas em países de baixa renda receberam uma única dose. Omicron é uma sentença de morte para milhares nesses países – e à medida que o vírus viaja pelo Sul Global, surgirão novas variantes que podem ser menos “leves” para as populações vacinadas do Norte.

Mas os governos desses países do Norte se recusam a planejar a vacinação global – ou até mesmo cumprir suas próprias promessas. No final do ano passado, eles entregaram apenas 14% das doses de vacina que haviam prometido aos países mais pobres por meio da COVAX, a iniciativa de compartilhamento de vacinas da ONU. As grandes corporações farmacêuticas estão focadas quase exclusivamente na produção de reforços para os países ricos do mundo, criando um déficit de três bilhões de doses no primeiro trimestre deste ano.

O presidente Joe Biden poderia facilmente ajudar a preencher esse déficit obrigando as empresas farmacêuticas dos EUA a compartilhar sua tecnologia de vacinas com os países mais pobres. Mas até agora ele se recusou a fazê-lo. Um novo centro de produção na África – onde apenas 3% das pessoas estão vacinadas – agora está tentando replicar a vacina da Moderna. Mas sem a ajuda da Moderna, ou a ação executiva de Joe Biden, a produção pode levar mais de um ano para começar.

Em meio a essa crise de solidariedade global, Cuba emergiu como um poderoso motor do internacionalismo vacinal. Não apenas a nação insular desenvolveu com sucesso duas vacinas Covid-19 com 90% de eficácia e vacinou mais de 90% de sua população com pelo menos uma dose de sua vacina local, Cuba também ofereceu sua tecnologia de vacinas ao mundo. “Não somos uma multinacional onde os retornos são a razão número um para existir”, disse Vicente Vérez Bencomo, do Instituto de Vacinas Finlay em Cuba. “Para nós, trata-se de alcançar a saúde.”

Mas os EUA e seus aliados continuam a oprimir e excluir Cuba do sistema global de saúde. O bloqueio dos EUA forçou uma escassez de seringas na ilha, o que colocou em risco o desenvolvimento de sua vacina e prejudicou a produção em massa. As revistas médicas norte-americanas “marginalizam resultados científicos provenientes de países pobres”, segundo Vérez Bencomo. Enquanto isso, a OMS se recusa a credenciar as vacinas cubanas, apesar da aprovação de reguladores em países como Argentina e México.

É por isso que a Internacional Progressista está enviando uma delegação a Havana: para combater a desinformação, defender a soberania cubana e ajudar a vacinar o mundo.

Trazendo delegados da União para o Internacionalismo de Vacinas, fundada em junho de 2021 para combater o apartheid emergente – a Internacional Progressista convocará cientistas e representantes do governo cubano para discursar à imprensa internacional e membros da comunidade científica em uma exposição sobre a vacina cubana, em 25 de janeiro.

Os objetivos desta exposição são locais e globais. Chamando a atenção para a promessa da vacina cubana e os perigos do embargo dos EUA contra ela, a apresentação visa estabelecer conexões entre o setor público de biotecnologia de Cuba e fabricantes que possam produzir a vacina e ajudar o governo cubano a recuperar os custos de seu desenvolvimento.

No processo, a demonstração visa dar um exemplo de solidariedade internacional diante da atual crise global de saúde, promovendo o avanço da causa do internacionalismo das vacinas em todo o mundo.

Clique aqui para nos ajudar a chegar à Havana e compartilhar informações sobre a delegação.

Ajude-nos a construir a Agencia

A Agência é a única rede mundial de publicações progressistas e perspectivas de base.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, a Agência disseminou mais de 100 artigos de publicações progressistas importantes ao redor do mundo, traduzindo cada um para pelo menos seis idiomas - trazendo a luta dos indígenas da Amazônia, palestinos em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais para uma audiência global.

Com mais de 150 tradutores e uma crescente equipe editorial, nós confiamos em nossos colaboradores para continuar espalhando estas histórias da luta de base e para sermos a agência de notícias das forças progressistas do mundo.

Nos ajude a construir essa missão. Doe para a Agência.

Support
Available in
EnglishGermanFrenchSpanishPortuguese (Brazil)Turkish
Authors
Varsha Gandikota-Nellutla and David Adler
Translator
Graciela Kunrath Lima
Date
17.01.2022

More in Announcements

Announcements
2020-05-10

Welcome to the Blueprint

Receive the Progressive International briefing
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell