Economy

O capitalismo está causando a crise alimentar, não a guerra

Os pequenos agricultores são os principais provedores de alimentos do mundo. É fundamental escutá-los ao invés das grandes corporações.
A piora das colheitas, o solo infértil e o aumento da pobreza alimentar estão afetando a maioria dos pequenos agricultores em todo o mundo, especialmente no Sul Global. Mas as crises climática e alimentar não são fenômenos isolados. São o resultado de um sistema capitalista global – e uma agenda neoliberal – que priorizou grandes lucros agrícolas corporativos acima das pessoas e do planeta.
A piora das colheitas, o solo infértil e o aumento da pobreza alimentar estão afetando a maioria dos pequenos agricultores em todo o mundo, especialmente no Sul Global. Mas as crises climática e alimentar não são fenômenos isolados. São o resultado de um sistema capitalista global – e uma agenda neoliberal – que priorizou grandes lucros agrícolas corporativos acima das pessoas e do planeta.

“A maioria dos agricultores não consegue mais produzir alimentos adequados para suas famílias”, diz Vladimir Chilinya. “Entidades com fins lucrativos controlam nossos sistemas alimentares (…) incluindo a produção e distribuição de grãos”.

Chilinya é coordenador zambiano da FIAN International, uma organização que luta pela democratização da alimentação e nutrição.

A piora das colheitas, o solo infértil e o aumento da pobreza alimentar estão afetando a maioria dos pequenos agricultores em todo o mundo, especialmente no Sul Global. Os preços do trigo subiram 59% desde o início de 2022.

Em maio passado, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alertou que o número de pessoas que vivem em condições de fome aumentou mais de 500% desde 2016, além de mais de 270 milhões de pessoas que agora vivem em extrema insegurança alimentar.

Enquanto a invasão da Ucrânia por Vladimir Putin exacerbou essa crise (Rússia e Ucrânia respondem por 30% das exportações mundiais de trigo, constituindo 12% das calorias comercializadas), as mudanças climáticas e o capitalismo são os principais motores por trás dessa emergência alimentar global.

O IPCC estimou que até 2030, o aquecimento global terá diminuído a média mundial da produção agrícola em mais de 20%. Na Zâmbia, a colheita de milho para 2021/22 deverá cair 25% devido às secas e inundações repentinas entre 2019 e 2021, segundo o Ministério da Agricultura.

Entre março e abril, Índia e Paquistão viveram as temperaturas mais altas desde que os registros começaram há 122 anos. Desde então, a Índia proibiu as exportações de trigo (após o governo não ter conseguido comprar trigo suficiente para cobrir seu programa de segurança alimentar), o que exacerbou ainda mais a escassez global de trigo e os preços globais dos alimentos.

Mas as crises climática e alimentar não são fenômenos isolados. São o resultado de um sistema capitalista global – e uma agenda neoliberal – que prioriza grandes lucros agrícolas corporativos acima das pessoas e do planeta.

O domínio da corporação sobre a agricultura

O domínio das corporações sobre a agricultura é um processo que tomou forma durante a chamada “Revolução Verde” na Índia no final da década de 1960. Foi uma colaboração entre a Índia e os EUA (com a USAID e a Fundação Ford sendo protagonistas) e dependia do uso de agroquímicos e do cultivo intensivo de plantas.

O processo introduziu culturas híbridas de alto rendimento – sendo o principal deles o IR8, uma variedade de arroz semi-anão – juntamente com o uso de fertilizantes, pesticidas e muita água de lençois freáticos (culturas de alto rendimento exigiam um volume superior de água). Os alimentos calóricos eram mais valorizados do que os mais nutritivos — além de demandarem insumos mais caros.

Essa transição para a grande agricultura e monoculturas mais lucrativas tornou os pequenos agricultores mais dependentes de fertilizantes químicos caros, forçando-os a arcar com dívidas cada vez mais altas. Na Índia, 10.677 trabalhadores agrícolas morreram de suicídio em 2020, muitos deles agricultores presos à dívidas crescentes resultantes dos altos custos desses insumos agrícolas.

Termos de comércio injustos e empréstimos globais – aplicados por instituições financeiras multilaterais como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) – também têm sua parcela de culpa.

Os programas de ajuste estrutural (conhecidos pela sigla SAP), introduzidos pelo Banco Mundial após a crise da dívida na América Latina e na África após a crise do petróleo de 1979, coagiram os países mais pobres a privatizar seus setores públicos e reduzir seus mecanismos de bem-estar.

Aderir a pacotes de políticas rígidos em quase todos os setores-chave – da agricultura à educação e saúde – tornou-se mandatário em troca de quaisquer empréstimos futuros do banco ou do FMI.

Os SAPs obrigaram os países endividados em todo o Sul Global a deixar de priorizar culturas nativas das quais a população local dependia para produzir culturas comerciais para exportação. Como resultado, as populações locais e os agricultores tornaram-se mais vulneráveis ​​à escassez de alimentos devido aos efeitos ecológicos negativos e ao declínio na acessibilidade dos alimentos.

Zâmbia: privatização de grãos

Na Zâmbia, por exemplo, a agenda de ajuste estrutural incluiu a privatização e liberalização do sistema de grãos. Começou com a liberalização e desregulamentação do ZAMSEED em meados da década de 1990, o que levou a um declínio no apoio às cooperativas de agricultores. Além disso, a prioridade do milho como cultura de rendimento levou a um declínio na variedade de culturas, o que significa que a população local tem menos fontes de alimentos disponíveis.

“Sob as recentes mudanças políticas, a prioridade é dada à produção de milho. Este é um dos principais motores do monocultivo, que é responsável pela redução das variedades de alimentos disponíveis na Zâmbia”, disse Chiliniya, da FIAN, ao openDemocracy.

A FIAN vem documentando como o controle corporativo da agricultura enfraquece a segurança alimentar. Os sistemas de sementes deixaram de ser liderados por cooperativas (o que dá aos agricultores mais agência e preços justos) para ser liderados por corporações (que priorizam os lucros).

“Os sistemas de grãos geridos pelos agricultores foram substituídos por sistemas comerciais”, explica Chilinya. “A maioria dos pequenos agricultores não consegue comprar grãos pelo preço comercial e, portanto, não pode cultivar nenhum alimento.”

Essas sementes comerciais também são mais vulneráveis ​​a condições climáticas extremas. “A maioria das pessoas se concentra em culturas de rendimento em detrimento de outras culturas que são mais resistentes a grandes mudanças climáticas. Na esteira de mudanças climáticas extremas como as vistas em 2020 e 2021, o país sofre com a escassez de alimentos”, acrescenta Chiliniya. De acordo com o Programa Mundial de Alimentos(PMA), 48% da população da Zâmbia não consegue atender às necessidades mínimas de calorias.

Quênia: crise alimentar

O openDemocracy também conversou com ativistas da justiça alimentar no Quénia, que está passando por uma grave crise alimentar. “A degradação da terra está afetando a produção de alimentos no Quênia por causa do uso excessivo de fertilizantes químicos”, diz Leondia Odongo, cofundadora da organização de justiça social Haki Nawiri Afrika.

Como na Zâmbia, há um legado desastroso dos SAPs. Em 1980, o Quênia foi um dos primeiros países a receber um empréstimo de ajuste estrutural do Banco Mundial, que estava condicionado à redução de subsídios essenciais para insumos agrícolas, como fertilizantes. Este processo instigou uma mudança para o cultivo de culturas de rendimento para exportação, como chá, café e tabaco, em vez de cultivos básicos para a população local, como milho, trigo e arroz.

“Insumos agrícolas que antes eram fornecidos gratuitamente aos agricultores passaram para as mãos de entidades privadas sob o pretexto de eficiência”, explica Odongo. “Isso resultou em pequenos agricultores sendo abandonados à mercê de corporações transnacionais da indústria de grãos e agroquímicos, que enganam os agricultores com informações sobre grãos e produtos químicos”, detalha Odongo.

Um relatório recente da Save the Children e da Oxfam constatou que 3,5 milhões de pessoas no Quênia estão sofrendo com a fome - e é provável que isso aumente para cinco milhões. Enquanto isso, foram financiados apenas 2% dos 4,4 bilhões de dólares necessários em ajuda humanitária para o Quênia, Etiópia e Somália.

O ajuste estrutural transformou o Quênia em um exportador de alimentos. No país, a desnutrição permanece preocupantemente alta, com 29% das crianças nas áreas rurais e 20% nas cidades em estado de desnutrição. Apesar dos déficits que ameaçam a segurança alimentar de sua população, o Quênia continua sendo um importante exportador de alimentos, com grandes exportações de chá, café, legumes e flores cortadas.

Conservar o pequeno e o local

Apesar de ocupar menos de 25% das terras agrícolas do mundo, os pequenos agricultores fornecem 70% dos alimentos do mundo. No Quênia, Haki Nawiri Afrika está opondo-se à corporificação da agricultura, auxiliando os agricultores locais com conhecimentos técnicos. O ensino de habilidades práticas aos pequenos agricultores permite que estes recuperem a agência sobre suas terras e colheitas.

Na Zâmbia, a FIAN está ajudando os pequenos agricultores a retornar às práticas agrícolas autóctones e à produção de grãos para construir resiliência e melhorar a segurança alimentar. Ao diversificar os sistemas alimentares e abandonar as monoculturas, os pequenos agricultores podem continuar a fornecer alimentos suficientes para suas comunidades a custos mais baixos.

Esses movimentos de pequenos agricultores enfrentam a "Grande Filantropia", como a controversa Aliança para uma Revolução Verde na África (AGRA), financiada pela Fundação Bill & Melinda Gates, que está replicando a estratégia pró-corporações da "Revolução Verde".

Ainda assim, esperam que sua luta para desmercantilizar e reconstruir uma relação sustentável com a terra possa ajudar a realizar o segundo objetivo de desenvolvimento sustentável da ONU: acabar com a fome até 2030.

Adele Walton é escritora autônoma e criadora de conteúdo especializado em política, desigualdade global e cultura.

Foto: Stephan Geyer / Flickr

Ajude-nos a construir a Agencia

A Agência é a única rede mundial de publicações progressistas e perspectivas de base.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, a Agência disseminou mais de 100 artigos de publicações progressistas importantes ao redor do mundo, traduzindo cada um para pelo menos seis idiomas - trazendo a luta dos indígenas da Amazônia, palestinos em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais para uma audiência global.

Com mais de 150 tradutores e uma crescente equipe editorial, nós confiamos em nossos colaboradores para continuar espalhando estas histórias da luta de base e para sermos a agência de notícias das forças progressistas do mundo.

Nos ajude a construir essa missão. Doe para a Agência.

Support
Available in
EnglishPortuguese (Brazil)GermanItalian (Standard)TurkishSpanish
Author
Adele Walton
Date
11.08.2022

More in Economy

Economy
2020-08-14

Alves & Kvangraven: Reclaiming Economics After Covid-19

Receive the Progressive International briefing
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell