Dana Brown: Comunidades no centro da reação à pandemia

DocumentStatements

“Enquanto planejamos reconstruir as nossas sociedades e retomar nossas economias pós-Covid-19 devemos tentar fazer disto o ponto de partida para uma transformação profunda do nosso sistema econômico em algo que — pela própria concepção — promova a comunidade, a democracia, a sustentabilidade, a saúde e o bem-estar.”

As pandemias, por definição, são internacionais, e assim precisa ser a nossa resposta a ela. A pandemia de Covid-19, em particular, sobrepõe-se à ordem econômica internacional que tem favorecido múltiplas crises de desigualdade, a destruição ecológica, o racismo e as políticas antidemocráticas. Este momento irá criar uma economia mais democrática, ou reforçará ainda mais a atual economia extrativista. Estou motivada a trabalhar em conjunto com aliados de todo o mundo para assegurar que iremos escolher o caminho da democratização, de forma a construir uma prosperidade compartilhada em nossa resposta coletiva a esta crise.

Enquanto planejamos reconstruir as nossas sociedades e retomar nossas economias pós-Covid-19 devemos tentar fazer disto o ponto de partida para uma transformação profunda do nosso sistema econômico em algo que — pela própria concepção — promova a comunidade, a democracia, a sustentabilidade, a saúde e o bem-estar. As ações que tomamos agora (ou deixamos de tomar) terão consequências profundas a longo prazo. Não podemos permitir que esta crise consolide uma ordem político-econômica mundial nutrida pela destruição de povos e do planeta.

1. Transformar a indústria farmacêutica em um serviço de utilidade pública

Para proteger a saúde pública devemos reivindicar e reconstruir a medicina pública. Podemos fazer isso transformando a indústria farmacêutica de um veículo de lucro privado em uma utilidade pública. A cartilha a seguir para esta transformação é muito clara: devemos (i) fazer da ciência aberta a lei da terra; (ii) fortalecer a capacidade do setor público para fomentar a pesquisa, o desenvolvimento e a manufatura de medicamentos; (iii) expandir o licenciamento compulsório; e (iv) colocar o desenvolvimento e a produção de vacinas sob o controle público. Esses passos poderiam redirecionar a indústria para a saúde e o bem públicos, em vez dos ganhos privados imediatos.

Atualmente, o setor farmacêutico restringe o acesso aos medicamentos que produz — assim como a informação sobre os verdadeiros riscos e benefícios desses medicamentos — mediante uma complexa rede de proteção à propriedade intelectual. Os imperativos de mercado criam carências perigosas e agravam questões de segurança pós-comercialização. Além disso, as inovações clinicamente significativas vêm declinando há décadas. Esses passos são necessários para assegurar que este setor chave da economia opere no interesse público, preparando-nos tanto para combater a atual pandemia quanto para melhor enfrentar as futuras emergências de saúde pública.

2. A Construção de Riqueza Comunitária como modelo para a recuperação econômica

Não podemos nos permitir retornar à "normalidade" pré-pandêmica. Precisamos romper com as políticas e práticas econômicas fracassadas que devastaram comunidades ao redor do mundo, e construir do zero uma nova economia. A Construção de Riqueza Comunitária (CRC) é uma poderosa maneira de fazer isso. A CRC é uma abordagem de desenvolvimento econômico e transformação do sistema que atua de modo a produzir igualdade econômica, equidade racial e sustentabilidade ecológica por meio da reconfiguração das instituições e economias locais, com base em noções de propriedade, participação e controle muito mais democráticas.

As estratégias da CRC para restaurar e renovar as economias locais após a pandemia deveriam ter como objetivo o abandono da economia definida pela extração de riquezas em prol de uma economia generativa e sustentável em que a riqueza é compartilhada amplamente por aqueles que ajudaram a criá-la. Uma abordagem abrangente da CRC para a economia local deveria buscar: (i) expandir a propriedade democrática por meio de comunidades municipais, de trabalhadores e outras formas de propriedade comunitária das empresas e serviços; (ii) garantir o acesso das instituições locais ao capital financeiro; (iii) implementar a adjudicação progressiva de bens e serviços; (iv) incorporar políticas de emprego equitativas e práticas laborais justas; e (v) desenvolver o uso socialmente produtivo da terra e da propriedade.

Juntas, essas duas intervenções têm o poder de reorientar todo o sistema de saúde pública e nos preparar para proteger tanto as nossas comunidades quanto os nossos ecossistemas para as gerações que virão.

Nos ajude a construir o Projeto

O Projeto é o laboratório de idéias para as forças progressistas do planeta.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, nós trouxemos mais de 40 ensaios de ativistas, profissionais, pensadores, líderes comunitários, chefes de Estado - imaginando como podemos reconstruir o mundo depois da Covid-19, e traçar um caminho para que se faça justiça em relação às dívidas internacionais.

Forças progressistas estão se erguendo. Para ter sucesso, temos que levar a sério a tarefa de gerar as idéias, políticas e paradigmas que definirão o nosso futuro.

Nos ajude a construir esse paradigma. Doe para o Projeto.

Support
Available in
EnglishItalian (Standard)GermanFrenchPortuguese (Portugal)SpanishPortuguese (Brazil)
Authors
Dana Brown
Translator
Cristina Cavalcanti
Published
07.10.2020

More in Statements

Statements

Diab: Debt Justice Is an Internationalist Project

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage Cookies
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell