Economy

A enorme vitória dos agricultores indianos com a rejeição, pelo Parlamento, das reformas agrícolas de Modi

A mobilização incessante e inspiradora de agricultores por toda a Índia contra as reformas agrícolas de Modi resultou numa vitória retumbante.
Denominadas "leis anti-agrícolas" pelos sindicatos, e apoiadas pelo FMI e pelos EUA, os agricultores indianos lutaram e superaram a repressão policial, a pandemia da COVID-19 e fortes adversários internacionais para enterrar três leis agrícolas neoliberais que foram objeto de uma oposição generalizada.
Denominadas "leis anti-agrícolas" pelos sindicatos, e apoiadas pelo FMI e pelos EUA, os agricultores indianos lutaram e superaram a repressão policial, a pandemia da COVID-19 e fortes adversários internacionais para enterrar três leis agrícolas neoliberais que foram objeto de uma oposição generalizada.

Nota editorial: As reformas agrícolas neoliberais de setembro de 2020 propostas pelo primeiro-ministro indiano Narendra Modi desencadearam a maior mobilização de trabalhadores contra a sua liderança, com uma campanha firme centrada na ação dos sindicatos. Estas ações incluíram marchas, bloqueios, acampamentos de protestos, passeatas e o combate à violência policial. O papel crucial das mulheres nos protestos foi destacado num artigo anterior da Agência, e num ensaio fotográfico de Rohit Lohia que mostrou a resistência em massa no Punjab, considerado o centro do movimento. Em novembro de 2021 as leis foram revogadas e o resultado é considerado uma vitória enorme dos agricultores e do seu árduo trabalho de incentivar o movimento de massas. 

Nova Deli: Num "discurso televisivo à nação" na sexta-feira de manhã, o primeiro-ministro Narendra Modi anunciou que as três controversas leis agrícolas aprovadas em setembro de 2020 haviam sido revogadas pelo governo da União. Os agricultores de todo o país vêm protestando contra estas leis antes mesmo que fossem aprovadas. Eles acreditam que irão beneficiar as grandes corporações e prejudicar os agricultores.

Centenas deles têm acampado nas fronteiras de Delhi desde novembro de 2020 para exigir que o governo revogue a Lei de Promoção e Facilitação do Comércio de Produtos Agrícolas, 2020; o Acordo (Empoderamento e Proteção) dos Agricultores sobre Garantia de Preços e Lei de Serviços Agrícolas, 2020; e a Lei de Produtos de Base Essenciais (Alteração), 2020. Pelo menos os agricultores perderam as suas vidas durante o protesto, disseram os sindicatos.

Ao contrário das afirmações do BJP [Partido Bharatiya Janata] de que apenas os grandes agricultores protestavam, um estudo concluiu que as vidas perdidas durante o protesto foram as dos pequenos  agricultores camponeses sem terra.

Antes de chegar ao ponto, Modi passou uma boa quantidade de tempo dizendo que o seu governo tinha levantado os agricultores da Índia e feito "tudo o que era possível" para ajudá-los. Depois de dez minutos exaltando as suas supostas realizações, passou a elogiar as três leis agrícolas controversas propostas pelo seu governo.

Passou então a falar sobre os protestos. "É importante para nós que não tenhamos sido capazes de convencer todos os agricultores dos benefícios destas leis. Temos tentado e tentado, utilizando diferentes meios, e as conversações prosseguem. Ouvimos os seus argumentos e os compreendemos. Estávamos mesmo prontos a alterar algumas disposições e suspendemos as leis por dois anos. O assunto está também nas mãos do Supremo Tribunal".

"Peço desculpas à nação, porque parece ter faltado algo nos nossos esforços, e por isso não estávamos disponíveis para explicar a verdade a alguns agricultores. Hoje é Guru Nanak Jayanti, e não é o momento para culpar ninguém. Gostaria de anunciar a todos que decidimos revogar estas leis. Espero que os agricultores que protestam regressem às suas casas, aos seus cultivos, e que possamos começar de novo".

Nas primeiras partes do seu discurso na sexta-feira de manhã, Modi fez questão de tentar estabelecer uma proximidade com os agricultores. "Nas mais de cinco décadas da minha vida, tenho testemunhado de perto a luta dos agricultores. É por isso que, depois de ter me tornado primeiro-ministro, o meu governo deu primazia às questões dos agricultores".

"A maioria das pessoas não sabe que a maior parte dos agricultores na Índia são pequenos agricultores, com menos de dois hectares de terra. Toda a sua vida se baseia nesta pequena parcela de terra. É assim que se alimentam a si próprios e às suas famílias. A herança ao longo das gerações vai tornando as parcelas ainda menores. Para ajudar os pequenos agricultores, temos trabalhado em beej, beema, baazar, bachat [sementes, seguro, disponibilidade do mercado e poupança]. Juntamos os agricultores aos cartões de saúde do solo, seguros e outras facilidades. A produção agrícola também vem aumentando graças aos cartões de saúde do solo".

O governo Modi não pôde ignorar os protestos dos agricultores acampados nas fronteiras de Delhi há mais de um ano, deixando claro que só a revogação total os aplacaria. Partidos de oposição de todo o país apoiaram os protestos dos agricultores. Estes haviam decidido também transformar os protestos num assunto eleitoral, e fizeram campanha ativa contra o Partido Bharatiya Janata antes das eleições da assembleia.

Os estados que vão às urnas no início do próximo ano - entre eles o Punjab e Uttar Pradesh - têm estado no centro dos protestos dos agricultores. A maioria dos observadores das urnas acreditava que as leis agrícolas teriam impacto nos eleitores em partes destes estados.

A Samyukt Kisan Morcha (SKM), uma organização guarda-chuva de grupos de agricultores que têm estado à frente dos protestos, saudou a iniciativa. Ao mesmo tempo, lembrou ao primeiro-ministro que o movimento não se destinava apenas à revogação das leis agrícolas, mas que também exigia preços remuneradores para os produtos.

O SKM também questionou por que esta decisão tinha demorado tanto, já que  agricultores haviam perdido a vida no protesto. A declaração diz o seguinte:

"A Samyukt Kisan Morcha congratula-se com esta decisão e espera que o anúncio produza efeitos por meio dos devidos procedimentos parlamentares. Se isto acontecer, será uma vitória histórica da luta de um ano dos agricultores na Índia. No entanto, cerca de 700 agricultores foram martirizados nesta luta. A obstinação do governo central é responsável por estas mortes evitáveis, incluindo os assassinatos em Lakhimpur Kheri.

A SKM lembra também ao Primeiro-Ministro que a agitação dos agricultores não busca  apenas a revogação das três leis obscuras, mas exige a garantia legal de preços remuneradores para todos os produtos agrícolas e para todos os agricultores. Esta importante exigência continua pendente. O mesmo ocorre com a revogação da Lei de Alteração da Electricidade. A SKM tomará nota de todos os desenvolvimentos, fará uma reunião em breve e anunciará novas decisões".

Foto: Randeep Maddoke, Wikimedia

Ajude-nos a construir a Agencia

A Agência é a única rede mundial de publicações progressistas e perspectivas de base.

Desde nosso lançamento em maio de 2020, a Agência disseminou mais de 100 artigos de publicações progressistas importantes ao redor do mundo, traduzindo cada um para pelo menos seis idiomas - trazendo a luta dos indígenas da Amazônia, palestinos em Gaza, feministas no Senegal, e muito mais para uma audiência global.

Com mais de 150 tradutores e uma crescente equipe editorial, nós confiamos em nossos colaboradores para continuar espalhando estas histórias da luta de base e para sermos a agência de notícias das forças progressistas do mundo.

Nos ajude a construir essa missão. Doe para a Agência.

Support
Available in
EnglishGermanSpanishFrenchPortuguese (Brazil)
Translators
Cristina Cavalcanti and Helena Macruz
Date
07.12.2021

More in Economy

Economy

Alves & Kvangraven: Reclaiming Economics After Covid-19

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage CookiesContribution Settings
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell