Health

Cuba Enviou 2.000 Médico/a(s) e Enfermeiro/a(s) para o Estrangeiro para combater a Covid-19

A administração de Trump descreve as equipas de resposta médica de Cuba como "escravo/a(s)" - nós pedimos às/aos médica/o(s) a sua opinião.
Havana - Enquanto o novo coronavírus tomou o globo, levando à ruptura sistemas de saúde, países fortemente afectados apelaram por médico/a(s). Uma ilha pequena e oprimida respondeu ao apelo.
Havana - Enquanto o novo coronavírus tomou o globo, levando à ruptura sistemas de saúde, países fortemente afectados apelaram por médico/a(s). Uma ilha pequena e oprimida respondeu ao apelo.

Cuba já enviou mais de 2.000 médico/a(s) e enfermeiro/a(s) a 23 países desde que a crise rebentou.

Equipas de emergência médica da ilha aterraram na América Latina, África, Médio Oriente, e pela primeira vez na Europa. Em Março, o primeiro lote de 51 médico/a(s) e enfermeiro/a(s) cubano/a(s) chegou a Lombardia, Itália, na altura o epicentro da pandemia, sob aplausos de multidões.

Juntaram-se aos 28.000 profissionais de saúde cubanos que trabalhavam em 59 países antes da Covid-19.

Nenhum outro país enviou um grande número de médico/a(s) para o estrangeiro durante a pandemia. O intelectual radical Noam Chomsky, no mês passado, descreveu a ilha como o único país a ter mostrado "genuíno internacionalismo " durante a crise, e a organização contra a guerra liderada por mulheres, Code Pink, está agora a liderar os apelos para que as equipas de resposta médica de emergência da ilha sejam galardoadas com o Prémio Nobel da Paz. Mas estas brigadas médicas têm recebido pouca atenção por parte dos media nos Estados Unidos. Quando são comentadas, a cobertura é geralmente negativa.

De facto, nos últimos três anos, a administração de Trump tem descrito o/a(s) médico/a(s) que participam nestas missões como "escravo/a(s)" e tem acusado o governo cubano de "tráfico humano". Ao mesmo tempo, funcionário/a(s) do Trump sugeriram que dezenas de milhares dos que estão "em missão" não são médico/a(s) de todo, mas sim capangas do regime destacados para "semear a discórdia política" e espalhar o vírus do comunismo. A esta luz, o/a(s) médico/a(s) cubanos são, ao mesmo tempo, vítimas e opressores.

As histórias nos meios de comunicação principais social pintam um quadro semelhante. A colaboração médica de Cuba é retratada como maquiavélica, reduzida a um estratagema de relações públicas para desviar a atenção das violações internas de direitos humanos cubanos, um meio de projectar um poder brando, ou uma forma de se imiscuir nos assuntos de outros países.

E embora seja por vezes concedido que o/a(s) próprio/a(s) médico/a(s) melhoram os resultados de saúde nos países pobres, o governo cubano alegadamente explora este/a(s) médico/a(s), "embolsando" a maior parte dos seus ganhos.

Tais representações nunca incluem a voz do/a(s) médico/a(s) cubano/a(s) que trabalham nestas missões. Durante os últimos meses, falei com dezenas de médico/a(s) antes da sua partida. As suas palavras vão bruscamente contra esta imagem.

"Como posso ser escravo se recebo educação gratuita do meu país?" perguntou o Dr. Leonardo Fernández, que serviu na Nicarágua, Paquistão, Timor Leste, Libéria, e Moçambique. "Como posso ser escravo se a minha família recebe o meu salário completo enquanto estou no estrangeiro? Como posso ser escravo quando tenho direitos constitucionais?"

O Dr. Gracilliano Díaz, um veterano da campanha contra o Ébola na Serra Leoa em 2014, descartou descontraidamente a ideia de que é vítima de tráfico. "Fazemo-lo voluntariamente", disse. "Não nos importa que outros países nos marquem como escravos. O que importa para nós é que contribuamos para o mundo".

Ao lado de um memorial aos profissionais de saúde cubanos que morreram no estrangeiro, perguntei ao enfermeiro Carlos Armanda por que estava a arriscar a sua vida para tratar pessoas em Itália. Olhando-me nos olhos, ele disse-me: "Se vive aqui, sabe porquê".

Eu sabia.

Relatando de Havana durante os últimos sete anos, conheci muito/a(s) médico/a(s). É difícil evitá-lo/a(s): Cuba tem, de longe, a mais elevada relação médico/a-paciente do mundo. Fiz check-ups com médico/a(s) de família em clínicas locais e tomografias com neurocirurgiões. Falei com médico/a(s) enquanto esperava na fila para comprar frango, cozinhei para ele/a(s), joguei dominó com ele/a(s), e embebedei-me com ele/a(s). O ano passado ajudei a fazer um documentário sobre um amigo que, farto de sobreviver com o seu salário de 55 dólares por mês, deixou a medicina para se tornar taxista.

À medida que o/a(s) médico/a(s) partilhavam comigo as suas histórias, construí um sentido da razão pela qual ele/a(s) vão nas missões. Alex Carreras passou anos a trabalhar numa clínica de SIDA no Botswana. Tratar doenças erradicadas em Cuba que anteriormente só tinha lido nos livros escolares era, disse ele, uma grande motivação para ir: "Os médicos querem se provar a si próprios em ambientes diferentes".

Enquanto estava na Venezuela rural em 2008, o geneticista Greicy Rodríguez trabalhou com populações que nunca tinham visto um médico antes. Uma vez ressuscitou um bebê perto da morte por desidratação. "A sua família acabou por lhe dar o meu nome", disse ela. "Foi uma bela experiência".

Durante a sua estadia no Norte do Brasil, Javier López, especialista em medicina tradicional chinesa, trabalhou em estreita colaboração com as comunidades indígenas, ajudando-as a reavivar remédios à base de plantas que tinham sido erradicados. "Tive sempre o ímpeto para ajudar", disse.

Alguns vão pelo dinheiro. Yanet Rosales, uma médica de família de 36 anos, ganhava 900 dólares por mês na pequena cidade de Poços de Caldas no Brasil - muito menos do que os seus colegas brasileiros, mas mais de 10 vezes o seu salário em casa. "Ganha-se muito mais do que se ganha em Cuba", disse-me ela depois de ter regressado de uma missão. "Sempre quis viajar e conhecer pessoas de outros países. Esta foi a minha oportunidade".

Yanet recebeu cerca de 25 por cento das receitas que o governo cubano recebeu pelos seus serviços. Ela considerou que uma divisão 50/50 teria sido mais justa, mas negou ser uma "escrava moderna", uma vez que as receitas das missões pagam por cuidados de saúde gratuitos em Cuba. "Quando alguns pacientes disseram que estávamos a ser roubado/a(s), dissemos-lhes que não era esse o caso", disse ela. "Aqui em Cuba ninguém é cobrado por uma prótese da anca ou uma ressonância magnética - mas estas coisas são caras".

Mais de 1.000 médico/a(s) e enfermeiro/a(s) cubanos a trabalhar no programa Mais Médicos no Brasil entre 2013 e 2018 decidiram "desertar" Cuba - alguns por razões económicas, alguns porque se apaixonaram. Yanet decidiu regressar e utilizar as suas poupanças para comprar um apartamento de quatro quartos em Havana. Depois de a entrevistar pela primeira vez, ela fez-me uma visita guiada à sua casa, mostrando-me o moedor de café eléctrico e a TV de plasma gigante que trouxe do Brasil.

Durante a última década, a alocação de profissionais médicos surgiu como a actividade de exportação mais lucrativa de Cuba. Gerou 6,4 mil milhões de dólares em 2018, trazendo mais dinheiro do que rum, açúcar, e charutos combinados.

Esta receita paga por cuidados de saúde e educação gratuitos a nível universitário, e para sustentar a arte, música e cultura, e não há provas de que o dinheiro esteja a ser desviado por uma elite corrupta. A corrupção nos escalões superiores do governo cubano é baixa em comparação com outros países da região: A ONG Transparência Internacional classifica Cuba como um dos países menos corruptos da América Latina. E à medida que os carregamentos de petróleo da Venezuela, o principal aliado da ilha, diminuem, este dinheiro é cada vez mais necessário apenas para manter as luzes acesas.

Algumas das receitas subsidiam missões a países que não têm meios para as pagar. Enquanto Cuba cobra a Estados ricos em petróleo como Angola por "serviços profissionais", fornece milhares de médicos e enfermeiros a países latino-americanos e subsaarianos de baixo rendimento, a custo ou gratuitamente. E embora não se saiba se Cuba está a cobrar pelas missões centradas no coronavírus, a ilha nunca cobrou anteriormente por resposta médica de emergência a terramotos, furacões, ou epidemias.

O dinheiro também ajuda a Escola Latino-Americana de Medicina, que formou 29.000 médico/a(s) de mais de 100 países ao longo dos últimos 20 anos. A educação médica é fornecida gratuitamente a pessoas de comunidades com pouco acesso a cuidados de saúde, na condição de que, ao formarem-se, regressem para servir as suas comunidades. Alguns destes médico/a(s) estão agora a lidar com a Covid-19 nos Estados Unidos da América.

Há também o facto de o/a(s) médico/a(s) que vão em missão regressarem rico/a(s), em comparação com a maioria dos cubanos. Vivem em casas melhores, têm comodidades vistosas, e comem mais carne. O/a(s) internacionalistas de hoje são a classe média de Cuba. Em sete anos de conversas com médico/a(s) em Cuba, nunca conheci um/a médico/a ou uma enfermeiro/a que dissesse que eram forçado/a(s) a trabalhar no estrangeiro. As listas de espera estão sobrecarregadas. E alguns/algumas médico/a(s) até pagam para passar à frente.

John Kirk, um académico da Universidade de Dalhousie na Nova Escócia, que passou mais de uma década a estudar o internacionalismo médico cubano, diz que Cuba envia pessoal médico para o estrangeiro por muitas razões. "Gera fundos para manter o excelente sistema de saúde cubano - de muitas maneiras ao mesmo nível dos do Norte Global. Mas há também um forte elemento de altruísmo, da necessidade de colaborar e partilhar o impressionante capital humano de Cuba - algo que é claramente afirmado no preâmbulo da constituição nacional".

"Nós, no Norte Global, não estamos habituados a ver o altruísmo neste grau", acrescentou ele. "Mas está no ADN cubano".

A administração Trump intensificou a guerra económica de décadas do governo dos EUA contra Cuba, visando o abastecimento energético e a indústria turística da ilha. Mas mais recentemente, tanto em retórica como em acção, vilificou os cuidados de saúde, pressionando aliados a cancelar os acordos com Cuba.

No ano passado, no Equador, o Presidente Lenin Moreno expulsou 382 médicos cubanos, pondo fim a quase três décadas de cooperação médica. O anúncio veio pouco depois de o Equador ter recebido um empréstimo de 4,2 mil milhões de dólares do Fundo Monetário Internacional (FMI). Os Estados Unidos são o principal accionista do FMI e controlam substancialmente a sua burocracia. Mauricio Claver-Carone, o homem-chave da administração Trump em Cuba, era o director executivo em exercício do FMI, representando os interesses dos EUA no país, quando as negociações de empréstimos começaram.

Depois de um golpe civil-militar orquestrado pelos EUA há seis meses, um dos primeiros actos do novo regime na Bolívia foi expulsar 725 profissionais médicos cubanos. Um veículo com matrícula diplomática norte-americana foi fotografado no exterior de um dos locais onde os/a(s)médico/a(s) cubano/a(s) foram interrogados antes da sua expulsão.

O governo do Brasil foi fácil de convencer. Ao longo da campanha presidencial do país em 2018, Jair Bolsonaro, o instigador de direita, ameaçou cancelar a colaboração médica com Cuba, chamando "escravo/a(s)" e "terroristas" aos/às médico//a(s) cubano/a(s). Após a sua tomada de posse como presidente, Cuba retirou os seus 8.517 médicos cubanos.

Com a Covid-19 a travar o turismo, Cuba está mais dependente do que nunca do seu programa médico internacional para se manter à tona. O/a(s) cubano/a-americano/a(s) extremistas que dirigem a política de Trump para a América Latina sentiram a oportunidade e prepararam os seus ataques; sufocar as receitas dos programas médicos poderia paralisar a economia cubana, abrindo o caminho para a mudança de regime. À medida que a crise do coronavírus levou mais países a solicitar assistência médica cubana, o senador da Florida Marco Rubio e o senador de Nova Jersey Bob Menendez começaram este mês a fazer lobby junto das embaixadas dos EUA em todo o mundo para "informar" os governos que recebem médico/a(s) cubano/a(s) sobre as "práticas de trabalho forçado do regime cubano".

Embora as sanções dos EUA tenham bloqueado um carregamento de máscaras, luvas e ventiladores de chegar à ilha em Abril, não prejudicaram substancialmente a resposta interna cubana à Covid-19. Através do rastreio vigoroso de contactos e do isolamento forçado de casos suspeitos, Cuba encurralou com sucesso o vírus, registando menos de 2.000 casos, mais de 50 vezes menos per capita do que nos Estados Unidos.

Aqueles que pagam o preço mais elevado quando a administração de Trump ganha são pessoas em pequenas cidades, aldeias indígenas, e bairros de lata urbanos. A retirada dos médicos cubanos do Brasil, por exemplo, reduziu drasticamente o acesso aos cuidados de saúde para 28 milhões de pessoas. Como resultado, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (que está ligada à Organização Mundial de Saúde), 37.000 crianças brasileiras podem morrer na próxima década.

Para Kirk, regimes de direita como a administração Trump, o Brasil de Bolsonaro, e o governo pós-coupna Bolívia têm um motivo ulterior. "O/a(s) médico/a(s) cubano/a(s) representavam a ameaça de um bom exemplo do que a saúde pública poderia ser - e foi por isso que tiveram de ser impedidos.”

"À medida que o/a(s) cubano/a(s) se retiram, as pessoas que estão a ser lixadas são as pessoas que tiveram cuidados de saúde pela primeira vez e que agora já não os terão. É criminoso jogar à política com a vida das pessoas".

Ed Augustin é um jornalista sediado em Havana. Escreve para o The Guardian, transmite para a Al Jazeera, e faz filmes para o Belly of the Beast.

Foto: Pedro Szekely, Flickr.

Available in
EnglishFrenchPortuguese (Brazil)Portuguese (Portugal)GermanSpanishRussian
Author
Ed Augustin
Translators
Sofia Alcaim and Henrique Augusto Alexandre
Date
03.07.2020
Source
Original article🔗

More in Health

Health

Tricontinental: CoronaShock and Socialism

Health

Transparency Has Been Kerala’s Biggest Weapon Against the Coronavirus

Receive the Progressive International briefing
Privacy PolicyManage Cookies
Site and identity: Common Knowledge & Robbie Blundell